MU­LHE­RES DE PEITO

Correio da Bahia - - Mais -

CAM­PO ABERTO

De acor­do com a he­ma­to­lo­gis­ta do Nú­cleo de On­co­lo­gia da Bahia(NOB)Li­li­a­na Bor­ges, o qua­dro de neutropenia é di­ag­nos­ti­ca­do quan­do a con­ta­gem de gló­bu­los bran­cos fi­ca in­fe­ri­or a 1.500 cé­lu­las por mi­lí­me­tro cú­bi­co. “Além de ser con­sequên­cia de al­guns es­que­mas mais agres­si­vos de tra­ta­men­to con­tra o cân­cer (dro­gas mi­e­lo­tó­xi­cas), a do­en­ça tam­bém apa­re­ce quan­do há in­fec­ções cau­sa­das por ví­rus, do­en­ças he­ma­to­ló­gi­cas, trans­plan­ta­dos de me­du­la ós­sea, nos por­ta­do­res de leu­co­pe­nia”, es­cla­re­ce a es­pe­ci­a­lis­ta, lem­bran­do que a que­da do sis­te­ma imu­ne é mais co­mum na cons­ti­tui­ção da po­pu­la­ção ne­gra. Ela lem­bra que as pes­so­as mais ido­sas es­tão tam­bém mais pro­pen­sas à neutropenia gra­ve. “A me­du­la ós­sea tam­bém en­ve­lhe­ce, por is­so os ido­sos fi­cam mais vul­ne­rá­veis”, pon­tua.

A on­co­lo­gis­ta Cla­ris­sa Mathi­as lem­bra que o uso de dro­gas pa­ra es­ti­mu­lar a pro­du­ção da me­du­la, no en­tan­to, só é in­di­ca­do pa­ra os pa­ci­en­tes gra­ves, uma vez que se tra­ta de uma me­di­ca­ção ca­ra, em­bo­ra co­ber­ta por pla­nos de saú­de e pe­lo sis­te­ma pú­bli­co, des­de que ha­ja uma in­di­ca­ção pre­ci­sa e ne­ces­sá­ria.

Ela des­ta­ca que quan­do o as­sun­to são as cha­ma­das te­ra­pi­as com­ple­men­ta­res, em es­pe­ci­al o uso dos de­ri­va­dos da Can­na­bis sa­ti­va (ma­co­nha), es­pe­ci­fi­ca­men­te o THC, que se mos­trou im­por­tan­te pa­ra con­tro­lar náu­se­as e es­ti­mu­lar o ape­ti­te em pa­ci­en­tes com Aids e cân­cer, é pre­ci­so ter cui­da­do e en­ten­der que os es­tu­dos dis­po­ní­veis não são con­clu­si­vos. O THC per­ma­ne­ce proi­bi­do no país. A on­co­lo­gis­ta res­sal­ta que os pa­ci­en­tes on­co­ló­gi­cos não con­tam com um le­que mui­to ex­pres­si­vo de es­ti­mu­lan­tes de ape­ti­te que con­si­ga ven­cer os efei­tos do tra­ta­men­to qui­mi­o­te­rá­pi­co e que es­sa li­be­ra­ção de um ou­tro de­ri­va­do, o Ca­na­bi­di­ol (O CBD es­tá na lis­ta C1 da Por­ta­ria 344/98), am­plia os es­tu­dos e, con­se­quen­te­men­te, as pos­si­bi­li­da­des te­ra­pêu­ti­cas dos pa­ci­en­tes com cân­cer. “Es­se po­de ser o pri­mei­ro pas­so ru­mo a uma am­pli­a­ção no le­que de re­cur­sos te­ra­pêu­ti­cos da me­di­ci­na”, com­ple­ta. Ação di­gi­tal cha­ma aten­ção pa­ra mu­lhe­res fa­ze­rem au­to­e­xa­me

A Pro­peg cri­ou pa­ra o Hos­pi­tal Aris­ti­des Mal­tez e Li­ga Bahi­a­na Con­tra o Cân­cer – LBCC uma ação di­gi­tal so­bre a im­por­tân­cia das mu­lhe­res fa­ze­rem o au­to­e­xa­me das ma­mas. In­ti­tu­la­da Mu­lhe­res de Peito, a ini­ci­a­ti­va é ou­sa­da e de­sa­fia uma das re­gras mais rí­gi­das das re­des so­ci­ais, que é a proi­bi­ção de qual­quer ima­gem que mos­tre sei­os de mu­lhe­res, mes­mo quan­do é usa­da em cam­pa­nhas de saú­de. A agên­cia de­sen­vol­veu dois cards com fo­tos de mu­lhe­res co­ra­jo­sas que fi­ze­ram mas­tec­to­mia. Com a men­sa­gem “Eu pos­so mos­trar os sei­os no Fa­ce­bo­ok”, elas re­ve­lam ter ven­ci­do a cen­su­ra das re­des da pi­or for­ma pos­sí­vel. A as­si­na­tu­ra “Au­to­e­xa­me: proi­bi­do é não fa­zer” faz a co­ro­a­ção do con­cei­to da ação. O ob­je­ti­vo é que os usuá­ri­os se en­ga­jem na cau­sa e com­par­ti­lhem as ima­gens usan­do a #mu­lhe­res­de­pei­to. A ação con­ta com a par­ce­ria do jor­nal Correio*

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.