Re­tros­pec­ti­va em li­vro

Correio da Bahia - - Vida -

Lan­ça­do no mer­ca­do edi­to­ri­al pe­la P55, o li­vro A Ar­te de Tat­ti Mo­re­no, com 240 pá­gi­nas ilus­tra­das, edi­ção bi­lín­gue por­tu­guês/in­glês, ti­po­gra­fia Tra­de Gothic, ca­pa du­ra.

A pu­bli­ca­ção é uma am­pla e de­ta­lha­da re­tros­pec­ti­va, fru­to de um es­tu­do cro­no­ló­gi­co ini­ci­a­do há três anos por Gi­se­le Fra­ga, mu­lher do ar­tis­ta. Cou­be a Clau­dius Por­tu­gal dar for­ma­to fi­nal ao tex­to, tra­çan­do um mi­nu­ci­o­so perfil do es­cul­tor, or­de­nan­do os fa­tos, re­ve­lan­do epi­só­di­os nem sem­pre co­nhe­ci­dos do pú­bli­co, des­ta­can­do os prin­ci­pais tra­ba­lhos e mo­men­tos vi­vi­dos por Mo­re­no em 47 anos de vi­da ar­tís­ti­ca. O tex­to de Por­tu­gal é de gran­de qua­li­da­de. Clau­dius Por­tu­gal nas­ceu em Sal­va­dor, Bahia. É es­cri­tor e edi­tor. Es­pe­ci­fi­ca­men­te nas ar­tes vi­su­ais, cu­ra­dor das ex­po­si­ções Sequên­cia 35, de Le­o­nel Mat­tos; Pai­sa­gens Nor­des­ti­nas, de Ju­ra­ci Dó­rea; Em 3 Lin­gua­gens, de Le­o­nel Mat­tos; Sa­vei­ros da Baía, de Bel Bor­ba; A Bahia É Gor­da, de Eli­a­na Ker­tész, e Ar­ma­di­lha das Nu­vens, com fo­to­gra­fi­as de An­dréa Fi­a­menghi. É au­tor dos li­vros Ou­tras Co­res – 27 Ar­tis­tas da Bahia, Re­por­ta­gens Plás­ti­cas, Sér­gio Ra­bi­no­vitz, A Po­e­sia da Cor, Pin­tu­ras Re­cen­tes de San­te Scal­da­fer­ri, Mu­ri­lo, A Cor Des­ta Ci­da­de, Ju­a­rez Pa­raí­so, Um Mes­tre na Ar­te da Bahia e San­te Scal­da­fer­ri, Bai­a­no, Nor­des­ti­no, Bra­si­lei­ro, Uni­ver­sal. Foi ain­da or­ga­ni­za­dor da sé­rie De­se­nhos pa­ra a Fun­da­ção Ca­sa de Jor­ge Ama­do/Co­pe­ne, com edi­ções so­bre Ca­la­sans Ne­to, Flo­ri­a­no Tei­xei­ra, Ma­rio Cra­vo Jú­ni­or, Car­los Bas­tos, Ju­a­rez Pa­raí­so, Jen­ner Au­gus­to, San­te Scal­da­fer­ri. E co­e­di­tor de tex­to de A Via Cru­cis de Rai­mun­do de Oli­vei­ra. Por­tu­gal es­cre­ve tex­tos so­bre ar­tes vi­su­ais pa­ra jor­nais, re­vis­tas e ca­tá­lo­gos de ar­tis­tas bra­si­lei­ros, en­tre eles Mes­tre Di­di, Cary­bé, Si­ron Fran­co, Gon­ça­lo Ivo, New­ton Mes­qui­ta, Ly­gia Sam­paio, Ma­rio Cra­vo Ne­to, Han­sen Bahia, en­tre ou­tros. É con­sul­tor na área de co­mu­ni­ca­ção de Pau­lo Dar­zé Ga­le­ria de Ar­te. Clau­dius sem­pre te­ve ín­ti­ma re­la­ção com ar­tes plás­ti­cas, es­cre­ven­do tex­to pa­ra ca­tá­lo­go, cri­an­do pro­je­tos e tem só­li­da ami­za­de com ar­tis­tas vi­su­ais.

Uma das coi­sas mais de­se­ja­das por um ar­tis­ta é um li­vro, que re­ve­le sua tra­je­tó­ria, seu pen­sa­men­to, ima­gens do tra­ba­lho do ini­cio da car­rei­ra, até o mo­men­to atu­al, com fa­ses in­ter­me­diá­ri­as. Um li­vro re­gis­tra o bom e o ruim das pro­du­ções de ar­tis­tas e ser­ve de aná­li­se com­pa­ra­ti­va pa­ra es­ta e ou­tras ge­ra­ções, por is­so de­ve ser fei­to sem pres­sa, com su­per­vi­são de es­pe­ci­a­lis­tas, pa­ra que não se tor­ne um do­cu­men­to pu­ni­ti­vo. Num li­vro so­bre um ar­tis­ta de­ve-se con­si­de­rar o tex­to es­cri­to por pes­so­as da área, a quan­ti­da­de das fo­to­gra­fi­as apre­sen­ta­da e a di­a­gra­ma­ção. Ho­je, as fo­to­gra­fi­as po­dem ser res­tau­ra­das, tra­ba­lha­das, va­lo­ri­zan­do o olhar do lei­tor. Im­pro­vi­sa­ção é coi­sa de ama­dor, não me­re­ce li­vro.

Um li­vro so­bre ar­tis­tas de­ve pro­vo­car pra­zer e co­mo diz o di­ta­do po­pu­lar “a pres­sa é ini­mi­ga da per­fei­ção”. Pou­cos ar­tis­tas na Bahia têm li­vro pu­bli­ca­do so­bre sua obra e al­guns me­re­cem es­se re­gis­tro co­mo Ge­na­ro de Car­va­lho, Flo­ri­a­no Tei­xei­ra, Ag­nal­do dos San­tos, Em­ma Val­le, Hen­ri­que Oswald, San­te Scal­da­fer­ri, Han­sen Bahia, Dió­ge­nes Re­bou­ças, to­dos me­re­ce­do­res por va­lo­res en­dó­ge­nos.

Tat­ti Mo­re­no é um dos es­cul­to­res mais co­nhe­ci­dos da Bahia, seus tra­ba­lhos es­tão es­pa­lha­dos pe­la ci­da­de do Sal­va­dor, em con­do­mí­ni­os de lu­xo, ho­téis cin­co es­tre­las, pra­ças de ci­da­des do in­te­ri­or. Tem gran­de vi­si­bi­li­da­de, um ho­mem afá­vel, de bom re­la­ci­o­na­men­to com seus ope­rá­ri­os e meio em­pre­sa­ri­al.

Seus ori­xás, seu prin­ci­pal te­ma, têm sua mar­ca fá­cil de ser re­co­nhe­ci­da e in­flu­en­ci­a­ram mui­tos ou­tros que aden­tram pe­lo mes­mo viés. Seu tra­ba­lho não tem mai­o­res com­pli­ca­ções, é aqui­lo e aqui­lo é, de fá­cil lei­tu­ra e po­der de co­mu­ni­ca­ção.

O li­vro apos­ta em ou­tros ca­mi­nhos de­sen­vol­vi­dos pe­lo es­cul­tor co­mo Cris­tos Cru­ci­fi­ca­dos, san­tos ca­tó­li­cos, to­tens e ex­pe­ri­men­ta­lis­mos, co­mo mu­ti­la­dos, vi­o­las, ban­do­lins e abs­tra­ções. Im­pres­si­o­nam as fo­tos de Ma­rio Cra­vo Ne­to na ca­pa, pá­gi­nas ini­ci­as e fi­nais do li­vro.

crc.ro­me­ro@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.