Abu­sou da re­gra três

Correio da Bahia - - Esporte - Moysés Su­zart

Co­mo um ma­lan­dro com ju­ras de cor­re­ção de sua pos­tu­ra in­cor­ri­gí­vel, o Vi­tó­ria cla­ma sem­pre pe­lo amor de sua tor­ci­da des­con­fi­a­da, ale­gan­do que só te­rá sal­va­ção quan­do os tor­ce­do­res lo­ta­rem o Bar­ra­dão e per­do­a­rem to­da in­com­pe­tên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va que as­so­la e atra­sa o Leão. E, com a es­pe­ran­ça de um des­ti­no di­fe­ren­te, a tor­ci­da acre­di­ta na cor­re­ção, vai ao es­tá­dio, mas no­va­men­te se de­cep­ci­o­na e cho­ra. Foi as­sim on­tem, con­tra o Cru­zei­ro. Mais de 27 mil tor­ce­do­res fo­ram, em­pur­ra­ram, tor­ce­ram e saí­ram de­cep­ci­o­na­dos, co­mo de cos­tu­me no atu­al Brasileirão. E, co­mo uma mu­lher traí­da que jo­ga o por­ta-re­tra­to na pa­re­de, a tor­ci­da gri­tou sua fú­ria em co­ro: “Ão, ão, ão, se­gun­da di­vi­são”. Po­de ter si­do num aces­so de fú­ria, mas pa­re­ce que o tor­ce­dor co­nhe­ce o des­ti­no cru­el nos úl­ti­mos re­bai­xa­men­tos do clu­be. En­tre os 34 ti­mes que já caí­ram pa­ra a Série B na era dos pon­tos cor­ri­dos, o Vi­tó­ria po­de­rá ser um re­cor­dis­ta, com qua­tro, ca­so per­ma­ne­ça na zo­na de re­bai­xa­men­to até o fi­nal. Pi­or. Nas três ve­zes que amar­gou a que­da, to­das fo­ram di­an­te de sua tor­ci­da. Em 2004, per­deu da Pon­te Pre­ta por 2x1, na última rodada, pre­ci­san­do ape­nas de um triun­fo sim­ples pa­ra es­ca­par. Em 2010, a mes­ma coi­sa. Pre­ci­sa­va ven­cer o Atlé­ti­co Goi­a­ni­en­se, mas em­pa­tou sem gols, di­an­te de 38.712 pes­so­as. Em 2014, mais re­cen­te, caiu após per­der pa­ra o San­tos, por 1x0, no­va­men­te pre­ci­san­do ven­cer pa­ra es­ca­par. Ago­ra, o des­ti­no pa­re­ce que­rer se re­pe­tir no dia 4 de de­zem­bro, con­tra o Pal­mei­ras, em ple­no Bar­ra­dão.

“A tor­ci­da vai na emo­ção do mo­men­to, mas nós te­mos que fa­lar com a ra­zão. Te­mos que tra­ba­lhar mais e não de­sis­tir. Se eles es­tão gri­tan­do ‘se­gun­da di­vi­são’ é por­que a gen­te não vem em uma sequên­cia boa. Só o tra­ba­lho e o re­sul­ta­do po­si­ti­vo vão fa­zer is­so mudar”, dis­se o vo­lan­te Wil­li­an Fa­ri­as, so­bre os gri­tos da tor­ci­da. Uma ten­ta­ti­va de apa­zi­guar os âni­mos. On­tem, al­guns tor­ce­do­res in­va­di­ram o cam­po pa­ra pro­tes­tar, uma fa­lha do úni­co des­ta­que pos­sí­vel do Leão no jo­go: sua tor­ci­da. Aos pe­di­dos de “Fo­ra, Vi­a­na”, o ca­sa­men­to es­tá no fim. E, co­mo di­ria Vinícius de Moraes na po­e­sia Re­gra Três, já per­de­ram a es­pe­ran­ça, por­que o per­dão tam­bém can­sa de per­do­ar...

Di­o­go Ma­teus dis­pu­ta jo­ga­da com Alis­son du­ran­te o ve­xa­me do Leão

moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.