Um ar­tis­ta

Correio da Bahia - - Mais - Roberto Mi­dlej roberto.mi­dlej@re­de­bahia.com.br

Mos­tras e li­vro tra­çam pa­no­ra­ma da car­rei­ra de Cé­sar Ro­me­ro

Aos 16 anos de ida­de, o bai­a­no Cé­sar Ro­me­ro par­ti­ci­pou de um con­cur­so de ar­tes plás­ti­cas en­tre es­tu­dan­tes. Nu­ma te­la, pin­tou uma ca­sa ama­re­la, uma ou­tra azul e uma igre­ja ver­me­lha. “On­de já se viu uma igre­ja ver­me­lha?! Is­so tá pa­re­cen­do o Cor­po de Bom­bei­ros”, dis­se um co­le­ga.

Afli­to com a ad­ver­tên­cia, o ar­tis­ta ini­ci­an­te cor­reu pa­ra mudar a cor da igre­ja, que ga­nhou al­gu­mas pin­ce­la­das de tin­ta bran­ca. Na pres­sa, an­tes mes­mo de o ma­te­ri­al se­car, en­ro­lou a te­la num pa­pel.

Quan­do ti­rou o pa­pel, me­ta­de da tin­ta ha­via se des­pren­di­do. O inex­pe­ri­en­te pin­tor le­vou um sus­to e te­ve con­vic­ção de que su­as chan­ces de ga­nhar o prê­mio já ha­vi­am aca­ba­do. Pa­ra sua pró­pria sur­pre­sa, pou­cos di­as de­pois, lá es­ta­va o jo­vem Ro­me­ro ao la­do do en­tão go­ver­na­dor da Bahia Luís Vi­a­na Fi­lho pa­ra re­ce­ber a láu­rea.

PRE­MI­A­ÇÃO

“Con­si­de­ro es­se o mar­co ini­ci­al da mi­nha car­rei­ra, afi­nal, o jú­ri des­se con­cur­so era mui­to qua­li­fi­ca­do, for­ma­do por Ju­a­rez Pa­raí­so, Wil­son Ro­cha e Mer­ce­des Krus­chewsky”, lem­bra-se o ar­tis­ta, que é tam­bém crí­ti­co de ar­te do CORREIO.

Cé­sar se pre­pa­ra pa­ra ce­le­brar seus 50 anos de car­rei­ra, com du­as ex­po­si­ções e o lan­ça­men­to do li­vro A Bra­si­li­da­de na Pin­tu­ra de Cé­sar Ro­me­ro, da crí­ti­ca Mi­ri­an de Car­va­lho. No dia 9 de no­vem­bro, a pu­bli­ca­ção es­ta­rá dis­po­ní­vel no si­te www.ce­sar­ro­me­ro.art.br.

A pri­mei­ra ex­po­si­ção, Cé­sar Ro­me­ro - 50 Anos: um Re­su­mo, na Cai­xa Cul­tu­ral (Rua Car­los Go­mes), se­rá aber­ta ama­nhã e fi­ca até o dia 27 de no­vem­bro. A se­gun­da, no Mu­seu de Ar­te da Bahia (Cor­re­dor da Vi­tó­ria), Cé­sar Ro­me­ro Tra­ba­lhos So­bre Pa­pel, fi­ca em car­taz de 9 a 30 de no­vem­bro.

Os tra­ba­lhos ex­pos­tos na Cai­xa Cul­tu­ral in­te­gram di­ver­sas fa­ses da car­rei­ra, in­cluin­do te­las, to­tens e gra­vu- ras. É ali que es­ta­rão as fa­mo­sas fai­xas em­ble­má­ti­cas, co­mo as que ilus­tram a prin­ci­pal foto des­ta ma­té­ria. Aque­la cri­a­ção, que se tor­nou uma es­pé­cie de as­si­na­tu­ra de Cé­sar, sur­giu qua­se por aca­so, co­mo lem­bra o pró­prio ar­tis­ta.

Nos anos 1980, ele foi à La­goa do Aba­e­té, on­de viu al­gu­mas la­va­dei­ras tra­ba­lhan­do. “Elas es­ta­vam la­van­do rou­pas e ha­via al­gu­mas col­chas de re­ta­lhos no va­ral, que ba­lan­ça­vam com o ven­to. As col­chas ba­lan­ça­vam e aque­la ima­gem ex­pres­sa­va sen­su­a­li­da­de. Eu fo­to­gra­fei e de­pois re­sol­vi pin­tar”, lem­bra-se Cé­sar.

As col­chas que ins­pi­ra­ram as pin­tu­ras são ape­nas um dos di­ver­sos ele­men­tos nor­des­ti­nos que gui­am as cri­a­ções de Cé­sar, que, em seus tra­ba­lhos, faz ques­tão de lem­brar su­as ori­gens. O ar­te­sa­na­to po­pu­lar, a ces­ta­ria e a re­li­gi­o­si­da­de lo­cal são ou­tras in­fluên­ci­as na obra do ar­tis­ta plás­ti­co.

“A te­má­ti­ca de Cé­sar é for­te­men­te po­pu­lar e ele se as­su-

Os to­tens, em ma­dei­ra ma­ci­ça, são su­por­te pa­ra pin­tu­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.