A bra­si­lei­ro

Correio da Bahia - - Vida -

me nor­des­ti­no, ao con­trá­rio de ou­tros ar­tis­tas, que ne­gam a bra­si­li­da­de e ten­tam fa­zer al­go eu­ro­peu ou nor­te-ame­ri­ca­no, co­mo se es­ti­ves­sem na Quin­ta Ave­ni­da (em No­va York)”, diz Mi­ri­an de Car­va­lho, que, além de au­to­ra do li­vro que se­rá lan­ça­do, é a cu­ra­do­ra da ex­po­si­ção na Cai­xa.

Mi­ri­an apro­fun­dou-se na obra de Cé­sar de­pois que, no Rio de Ja­nei­ro, em 2001, vi­si­tou uma ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de­le, no Cen­tro Cul­tu­ral Cor­rei­os. “Co­nhe­cia al­gu­mas obras de­le iso­la­da­men­te, mas só ali pu­de vê-las em con­jun­to. Eu per­ce­bi que o tra­ba­lho de­le me­re­cia um olhar apro­fun­da­do”, diz Mi­ri­an, que é dou­to­ra em Fi­lo­so­fia.

A cu­ra­do­ra diz que uma das ca­rac­te­rís­ti­cas que mais cha­mam sua aten­ção na obra do ar­tis­ta é a for­ma co­mo ele uti­li­za­va as co­res: “Per­ce­bi, já na épo­ca da­que­la ex­po­si­ção, um diá­lo­go in­te­res­san­te en­tre as co­res e o mo­vi­men­to”.

“Sei mes­mo tra­ba­lhar com a cor e, às ve­zes, che­go à ‘zo­na de pe­ri­go’, que é me apro­xi­mar de um tom li­sér­gi­co. Mas es­se tom é ina­de­qua­do, en­tão pre­ci­so ser ra­zoá­vel no uso das co­res”, diz o ar­tis­ta. Foi es­se in­te­res­se par­ti­cu­lar pe­las co­res que tor­nou Al­fre­do Vol­pi (1896-1988) um dos pin­to­res com quem Ce­sar mais se iden­ti­fi­ca. “Es­sa mi­nha re­la­ção com Vol­pi não é pe­la for­ma, mas pe­la cor. A cor é luz e es­sa de­li­ca­de­za da cor pou­ca gen­te tem”, ava­lia Cé­sar.

ARRAIAS

O ar­tis­ta as­su­me a pre­sen­ça de ele­men­tos po­pu­la­res em sua obra: “Par­to de coi­sas mui­to sim­ples, co­mo os tam­bo­re­tes usa­dos em fes­tas de lar­go, as fi­tas do Se­nhor do Bon­fim e as col­chas de re­ta­lhos. Mas o se­gre­do é a for­ma co­mo trans­fi­gu­ro is­so nu­ma ar­te erudita”.

As arraias tam­bém se tor­na­ram mar­ca im­por­tan­te nas pin­tu­ras de Cé­sar. An­tes de se tor­nar ar­tis­ta, ele cri­a­va as arraias pa­ra em­pi­nar em Fei­ra de Santana, on­de mo­ra­va.

As pe­ças cri­a­das eram mo­ti­vo de in­ve­ja dos ou­tros me­ni­nos: “Eu era ma­gro, feio e ga­go. Não jo­ga­va fu­te­bol nem me me­tia em bri­ga, ao con­trá­rio dos ou­tros me­ni­nos. Mas ga­nhei o res­pei­to de­les por cau­sa das mi­nhas arraias. Além de tu­do, em­pi­na­va mui­to bem”, lem­bra-se Cé­sar.

Quem for à Cai­xa Cul­tu­ral vai ver tam­bém ja­ne­las pin­ta­das por Cé­sar, ou­tro tra­ba­lho que ele co­me­çou a fa­zer por aca­so: “Me ofe­re­ci pa­ra pin­tar a ja­ne­la de um co­nhe­ci­do e, quan­do ele co­lo­cou na pa­re­de da ca­sa, fez mui­to su­ces­so en­tre os vi­zi­nhos. E, aí, um mon­te de gen­te vi­nha me pe­dir pa­ra pin­tar. Não aguen­ta­va mais pin­tar ja­ne­la de gra­ça”, ri.

Na ex­po­si­ção que se­rá aber­ta em no­vem­bro es­ta­rão ape­nas tra­ba­lhos que têm o pa­pel co­mo su­por­te, co­mo fo­to­gra­fi­as, li­to­gra­fi­as e se­ri­gra­fi­as.

Da­ta De ama­nhã até 27 de no­vem­bro. Vi­si­ta­ção: ter­ça a do­min­go, das 9h às 18h

In­gres­so grá­tis

Cé­sar Ro­me­ro cer­ca­do pe­las fai­xas em­ble­má­ti­cas, cri­a­das de­pois que o ar­tis­ta viu col­chas de re­ta­lhos ba­lan­çan­do em um va­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.