Ma­quei­ro diz que ati­rou em po­li­ci­al após con­fun­di-lo com ban­di­do

Correio da Bahia - - Bahia - GIL SANTOS

MOR­TO NO SÃO GONÇALO O ma­quei­ro e mo­to­ta­xis­ta Ale­xan­dre dos Santos Sil­va, o Xan­de, 29 anos, foi pre­so após con­fes­sar ter ma­ta­do o po­li­ci­al mi­li­tar Da­ni­el San­ta­na de Al­cân­ta­ra, 38, em São Gonçalo do Re­ti­ro, por vol­ta de 23h30 da ter­ça-fei­ra pas­sa­da. À po­lí­cia, ele con­tou que pen­sou que Da­ni­el fos­se, na ver­da­de, um ban­di­do. Xan­de fu­giu lo­go após o cri­me, le­van­do a ar­ma do PM, um re­vól­ver ca­li­bre 38. Se­gun­do a po­lí­cia, Xan­de foi iden­ti­fi­ca­do co­mo o au­tor do dis­pa­ro um dia após o cri­me. Na sex­ta-fei­ra, foi ex­pe­di­do o man­da­do de pri­são tem­po­rá­ria pa­ra o sus­pei­to e, no mes­mo dia, ele se apre­sen­tou na de­le­ga­cia acom­pa­nha­do de um ad­vo­ga­do. On­tem, ele le­vou os in­ves­ti­ga­do­res até um ter­re­no bal­dio on­de ha­via es­con­di­do a ar­ma, que foi en­ter­ra­da per­to da sua ca­sa, no mes­mo bair­ro. Se­gun­do o ti­tu­lar da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os Múl­ti­plos (DHM), Odair Car­nei­ro, in­te­gran­te da for­ça-ta­re­fa que in­ves­ti­ga a mor­te de po­li­ci­ais, Xan­de mos­trou ar­re­pen­di­men­to du­ran­te o de­poi­men­to. Ma­quei­ro do Hos­pi­tal Otá­vio Man­ga­bei­ra e pai de uma me­ni­na de 1 ano, o ho­mi­ci­da foi apre­sen­ta­do on­tem na se­de do De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP) e já foi en­ca­mi­nha­do pa­ra o sis­te­ma pri­si­o­nal. A po­lí­cia des­car­tou a par­ti­ci­pa­ção de ou­tras pes­so­as no cri­me. Se­gun­do o de­le­ga­do, o po­li­ci­al saiu de uma fes­ta na Ma­ta Es­cu­ra por vol­ta das 23h, acom­pa­nha­do por um ami­go. Após dei­xá-lo no Hi­per Bom­pre­ço do Ca­bu­la, o PM se­guiu por mais al­guns me­tros até per­ce­ber que o pneu do car­ro ha­via fu­ra­do. “Ele re­sol­veu en­trar no São Gonçalo pa­ra des­cer por uma la­dei­ra até a BR-324 e che­gar a uma bor­ra­cha­ria que fun­ci­o­na à noi­te. Só que ele pe­gou a la­dei­ra er­ra­da, per­deu o con­tro­le do car­ro e ba­teu em dois veí­cu­los es­ta­ci­o­na­dos na rua. En­tão, des­ceu e ten­tou con­ver­sar com os mo­ra­do­res”, con­tou o de­le­ga­do. Tes­te­mu­nhas con­ta­ram que Da­ni­el não se iden­ti­fi­cou co­mo PM, mas ha­via di­to que pa­ga­ria pe­los pre­juí­zos. O PM ain­da con­ver­sa­va com as pes­so­as quan­do foi sur­pre­en­di­do pe­lo as­sas­si­no. “O aci­den­te acon­te­ceu em fren­te à ca­sa de Xan­de. Ele che­gou, viu a ar­ma do po­li­ci­al, se apro­xi­mou e sa­cou o re­vól­ver do PM. Nes­se mo­men­to, o po­li­ci­al cor­reu, mas foi ba­le­a­do nas ná­de­gas. A ba­la acer­tou a veia fe­mo­ral”, afir­mou Car­nei­ro. O po­li­ci­al foi so­cor­ri­do por uma vi­a­tu­ra da 23ª CIPM (Tan­cre­do Ne­ves) pa­ra o Hos­pi­tal Ge­ral Ro­ber­to Santos, on­de mor­reu. Da­ni­el era lo­ta­do no 18º Ba­ta­lhão da Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM/Cen­tro His­tó­ri­co). Ele foi o 18º PM mor­to na Bahia es­te ano.

Ale­xan­dre: to­mou ar­ma e ma­tou

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.