24h Mo­ra­do­res pro­tes­tam con­tra mor­te de pe­drei­ro

Correio da Bahia - - Bahia - TAILANE MUNIZ, COM COLABORAÇÃO DE GABRIEL SOARES, PARTICIPANTE DA 11ª TURMA DO PROGRAMA CORREIO DE FUTURO

VALÉRIA Um pro­tes­to con­tra a mor­te do aju­dan­te de pe­drei­ro Adil­ton Sou­za de San­ta­na, 28 anos, ter­mi­nou com du­as pes­so­as fe­ri­das e a sus­pen­são da cir­cu­la­ção dos ôni­bus, na ma­nhã de on­tem, em Valéria. Cer­ca de 40 pes­so­as fe­cha­ram a via prin­ci­pal do bair­ro, no sen­ti­do da BR-324, por vol­ta das 7h30, quei­ma­ram ob­je­tos e pe­di­ram jus­ti­ça pe­la mor­te de Adil­ton, atri­buí­da pe­los mo­ra­do­res à po­lí­cia. Se­gun­do eles, o aju­dan­te de pe­drei­ro foi ba­le­a­do pe­la PM e mor­reu na fren­te da mu­lher e da fi­lha de 1 ano, por vol­ta das 16h30 de an­te­on­tem, após sair de uma igre­ja evan­gé­li­ca. Em no­ta, a cor­po­ra­ção in­for­mou que Adil­ton es­ta­va jun­to com oi­to ho­mens ar­ma­dos, que ati­ra­ram con­tra uma vi­a­tu­ra da 31ª Com­pa­nhia In­de­pen­den­te de Po­lí­cia Mi­li­tar (CIPM/Valéria). Por cau­sa do pro­tes­to on­tem, vi­a­tu­ras da Ron­desp e da 31ª CIPM fo­ram até o bair­ro. Ma­ni­fes­tan­tes acu­sa­ram os po­li­ci­ais de usar ba­las de bor­ra­cha e agre­dir a po­pu­la­ção e ten­ta­ram se es­con­der em lo­jas do co­mér­cio lo­cal. A UPA de Valéria con­fir­mou que du­as mu­lhe­res, mãe e fi­lha, de­ram en­tra­da, na ma­nhã de on­tem, com fe­ri­men­tos cau­sa­dos por ba­las de bor­ra­cha.

De acor­do com a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Saúde (SMS), as mu­lhe­res têm 39 e 20 anos, ti­ve­ram fe­ri­men­tos le­ves e fo­ram li­be­ra­das após o aten­di­men­to. A fi­lha te­ve um fe­ri­men­to na co­xa e cal­ca­nhar di­rei­to, e a mãe, no bra­ço es­quer­do. Co­mer­ci­an­tes de­nun­ci­a­ram ao CORREIO que a po­lí­cia in­va­diu di­ver­sos es­ta­be­le­ci­men­tos na ten­ta­ti­va de pren­der os ma­ni­fes­tan­tes. O fun­ci­o­ná­rio de um dos mer­ca­dos mos­trou à re­por­ta­gem si­nais de de­gra­da­ção. “Aqui eles en­tra­ram des­truin­do as coi­sas e agre­din­do a po­pu­la­ção”, afir­mou, apon­tan­do pa­ra uma fre­e­zer que te­ve a por­ta ar­ran­ca­da. No mer­ca­do, al­guns pro­du­tos es­ta­vam es­pa­lha­dos pe­lo chão. O co­man­dan­te da 31ª CIPM, ma­jor El­son, ne­gou ex­ces­so du­ran­te a atu­a­ção da po­lí­cia e dis­se que os po­li­ci­ais não usa­ram ba­las de bor­ra­cha: “Usa­mos a for­ça ne­ces­sá­ria pa­ra de­sobs­tru­ção das vi­as e a pró­pria se­gu­ran­ça de­les”, afir­mou. No fi­nal da ma­nhã, os ôni­bus dei­xa­ram de cir­cu­lar no fi­nal de li­nha do bair­ro. Os ro­do­viá­ri­os ale­ga­ram que o cli­ma era de in­se­gu­ran­ça, de­pois de os mo­ra­do­res te­rem ate­a­do fo­go em ob­je­tos du­ran­te a ma­ni­fes­ta­ção. Se­gun­do Da­ni­el Mo­ta, di­re­tor do Sin­di­ca­to dos Ro­do­viá­ri­os, os co­le­ti­vos es­ta­vam in­do ape­nas até a Es­tra­da do Der­ba e não se­gui­am mais pa­ra o fi­nal de li­nha, na No­va Bra­sí­lia de Valéria. A si­tu­a­ção per­ma­ne­cia a mes­ma no fi­nal da tar­de de on­tem. Ain­da de acor­do com Mo­ta, a Po­lí­cia Mi­li­tar foi in­for­ma­da so­bre a sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça dos tra­ba­lha­do­res e o sin­di­ca­to es­ta­va mo­ni­to­ran­do a si­tu­a­ção.

A mor­te de Adil­ton acon­te­ceu na lo­ca­li­da­de de Rio Ver­de, em No­va Bra­sí­lia de Valéria. De acor­do com o pas­tor Mo­a­cir, que con­gre­ga na igre­ja que Adil­ton fre­quen­ta­va, o mo­ra­dor saiu do cul­to pou­co an­tes da ce­le­bra­ção aca­bar. “A gen­te es­ta­va fi­na­li­zan­do o cul­to, quan­do Adil­ton pe­diu pra ir em­bo­ra. Ele en­con­trou a po­lí­cia, que já foi ati­ran­do ne­le. Ele ten­tou re­a­gir di­zen­do que não era en­vol­vi­do, mas não deu”, re­la­tou. “Tro­ca­ram a Bí­blia por uma ar­ma nas mãos de­le”, dis­se uma das ir­mãs de Adil­ton, se re­fe­rin­do ao re­vól­ver ca­li­bre 38 que a po­lí­cia diz ter en­con­tra­do com a ví­ti­ma. Em no­ta, a PM dis­se que Adil­ton era um dos oi­to ho­mens que tro­ca­ram ti­ros com a guar­ni­ção. A ir­mã con­tou, po­rém, que Adil­ton fre­quen­ta­va a igre­ja há três anos e fa­zia tra­ba­lhos tem­po­rá­ri­os co­mo aju­dan­te de pe­drei­ro. O en­ter­ro se­rá ho­je. “A po­lí­cia que de­ve­ria es­tar pra pro­te­ger, es­ta­va pra ma­tar a gen­te”, afir­mou ela. O ca­so foi re­gis­tra­do na Cor­re­ge­do­ria da PM.

Ma­ni­fes­tan­tes quei­ma­ram ob­je­tos, e

ôni­bus dei­xa­ram de

cir­cu­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.