PF diz que ‘Ami­go’ em pla­ni­lhas de pro­pi­nas é o ex-pre­si­den­te Lu­la

Correio da Bahia - - Brasil -

LAVA JATO Re­la­tó­rio da Po­lí­cia Fe­de­ral que in­di­ci­ou cri­mi­nal­men­te o ex-mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci (Fa­zen­da e Ca­sa Ci­vil/Go­ver­nos Lu­la e Dil­ma) afir­ma que o co­di­no­me “ami­go”, em pla­ni­lhas de pro­pi­nas da Ode­bre­cht, é o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. Em um do­cu­men­to do Se­tor de Ope­ra­ções Es­tru­tu­ra­das da em­pre­sa, “Ami­go” é des­ti­na­tá­rio de R$ 23 mi­lhões. O Se­tor de Ope­ra­ções Es­tru­tu­ra­das da em­prei­tei­ra era res­pon­sá­vel pe­lo pa­ga­men­to de pro­pi­na a po­lí­ti­cos, agen­tes pú­bli­cos, ex-di­ri­gen­tes da Pe­tro­bras, se­gun­do a Lava Jato.

A PF afir­ma que a sus­pei­ta so­bre Lu­la tem “res­pal­do pro­ba­tó­rio e co­e­rên­cia in­ves­ti­ga­ti­va”. “Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va era co­nhe­ci­do pe­las al­cu­nhas de ‘Ami­go de meu pai’ e ‘Ami­go de EO’, quan­do usa­da por Mar­ce­lo Bahia Ode­bre­cht e, tam­bém, por ‘Ami­go de seu pai’ e ‘Ami­go de EO’, quan­do uti­li­za­da por in­ter­lo­cu­to­res em con­ver­sas com Mar­ce­lo Bahia Ode­bre­cht’, diz o re­la­tó­rio subs­cri­to pe­lo de­le­ga­do fe­de­ral Fi­li­pe Hil­le Pa­ce. O de­le­ga­do diz que es­sa par­te da in­ves­ti­ga­ção es­tá sob res­pon­sa­bi­li­da­de de um co­le­ga de­le, o de­le­ga­do Már­cio Adri­a­no An­sel­mo. As pla­ni­lhas da Ode­bre­cht tra­zem, ain­da, o co­di­no­me “Ita­li­a­no”, se­gun­do a PF, uma re­fe­rên­cia a An­to­nio Pa­loc­ci. O ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da foi in­di­ci­a­do por cor­rup­ção pas­si­va. Se­gun­do a Lava Jato, en­tre 2008 e o fi­nal de 2013, fo­ram pa­gos pe­la Ode­bre­cht mais de R$ 128 mi­lhões ao PT e seus agen­tes, in­cluin­do o ex-mi­nis­tro.

Por meio de no­ta, o ad­vo­ga­do de Lu­la, Cris­ti­a­no Za­nin Martins, afir­ma: “A Lava Jato não apre­sen­tou qual­quer pro­va que pos­sa dar sus­ten­ta­ção às acu­sa­ções for­mu­la­das con­tra o ex-pre­si­den­te Lu­la. São, por is­so, sem ex­ce­ção, acu­sa­ções frí­vo­las, tí­pi­cas do law­fa­re. Na fal­ta de pro­vas, usa-se da ‘con­vic­ção’ e de achis­mos”. O cri­mi­na­lis­ta Jo­sé Ro­ber­to Ba­to­chio de­cla­rou. “Es­te é um no­vo pro­du­to oní­ro­co dos fun­da­men­ta­lis­tas que não apre­sen­tam pro­vas, mas só ‘con­vic­ções fer­vo­ro­sas’, ins­pi­ra­das por for­ças di­vi­nas”, afir­ma.

De­fe­sa de Lu­la afir­ma que fal­tam pro­vas às acu­sa­ções con­tra ele

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.