Ex-mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci é in­di­ci­a­do por cor­rup­ção pas­si­va

Correio da Bahia - - Brasil -

CURITIBA O ex-mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci foi in­di­ci­a­do por cor­rup­ção pas­si­va em meio à in­ves­ti­ga­ção da 35ª fa­se da Ope­ra­ção Lava Jato. A Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) ane­xou no sis­te­ma da Jus­ti­ça Fe­de­ral on­tem o ofí­cio no qual co­mu­ni­ca o in­di­ci­a­men­to ao juiz Sér­gio Mo­ro e ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF). Tam­bém fo­ram in­di­ci­a­dos Jus­ce­li­no An­to­nio Dou­ra­do e Bra­nis­lav Kon­tic, que tra­ba­lha­ram com Pa­loc­ci; João Cer­quei­ra de San­ta­na Fi­lho e Mô­ni­ca Re­gi­na Cu­nha Mou­ra, pu­bli­ci­tá­ri­os; Mar­ce­lo Bahia Ode­bre­cht, ex-pre­si­den­te da Ode­bre­cht. Pre­so em se­tem­bro des­te ano, o ex-mi­nis­tro afir­ma, atra­vés de sua de­fe­sa, que “as­sim co­mo acon­te­ce com a pri­são, o des­pa­cho de in­di­ci­a­men­to não se apoia em fa­tos con­cre­tos”. Jo­sé Ro­ber­to Ba­toc­chio afir­mou tam­bém que se tra­ta de “uma obra re­ple­ta de achis­mos, su­po­si­ções gra­tui­tas, sem qual­quer apoio em in­dí­ci­os idô­ne­os”. Ba­toc­chio dis­se ain­da tra­tar-se de “uma obra-pri­ma de fic­ção li­te­rá­ria”. A de­fe­sa de Bra­nis­lav Kon­tic res­sal­ta que tan­to a pri­são co­mo o in­di­ci­a­men­to de seu cli­en­te não se jus­ti­fi­cam. A de­fe­sa de Mô­ni­ca Mou­ra dis­se que os va­lo­res são re­fe­ren­tes a tra­ba­lhos de mar­ke­ting. O ad­vo­ga­do Cris­ti­a­no Ma­ron­na, que re­pre­sen­ta Jus­ce­li­no Dou­ra­do, dis­se que não vai se ma­ni­fes­tar so­bre o in­di­ci­a­men­to. O ad­vo­ga­do de João San­ta­na, Fá­bio To­fic Si­man­tob, afir­mou que es­te in­di­ci­a­men­to é um “re­quen­ta­men­to de fa­tos”. A Ode­bre­cht in­for­mou que não vai se ma­ni­fes­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.