In­cu­ba­do­ras aju­dam a tes­tar pro­je­tos

Correio da Bahia - - Mais -

Gas­tos Se­pa­re as fi­nan­ças pes­so­ais das des­ti­na­das pa­ra o pro­je­to. Es­ti­pu­le o lu­cro de ca­da pes­soa en­vol­vi­da, sem ex­ce­der o que es­tá sen­do pro­du­zi­do até en­tão. Is­so é im­pres­cin­dí­vel se vo­cê ti­ver mui­tas con­tas pa­ra pa­gar e es­ta for a sua prin­ci­pal fon­te de ren­da no mo­men­to. As­sim co­mo as in­cu­ba­do­ras dos re­cém-nas­ci­dos, que pro­por­ci­o­nam aos be­bês as con­di­ções ide­ais pa­ra se adap­tar ao meio ex­ter­no, as in­cu­ba­do­ras de em­pre­sas ofe­re­cem su­por­te pa­ra mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas em sur­gi­men­to ou em ope­ra­ção.

“As in­cu­ba­do­ras dis­põem de um es­pa­ço fí­si­co que ofe­re­ce o su­por­te ne­ces­sá­rio pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da ideia - for­ta­le­cen­do o po­ten­ci­al de cap­tar in­ves­ti­do­res, a es­tru­tu­ra, e a re­de de networ­king. É co­mo se fos­se uma gra­du­a­ção”, ex­pli­ca Le­an­dro Bar­re­to, ge­ren­te de Aces­so a Ino­va­ção e Tec­no­lo­gia do Se­brae.

Elas ofe­re­cem su­por­te téc­ni­co, ge­ren­ci­al e for­ma­ção com­ple­men­tar ao em­pre­en­de­dor e fa­ci­li­tam o pro­ces­so de ino­va­ção e aces­so a no­vas tec­no­lo­gi­as nos ne­gó­ci­os que es­tão dan­do os pri­mei­ros pas­sos.

Co­or­de­na­do­ra da In­cu­ba­do­ra de Ne­gó­ci­os da Uni­facs, Evelyn Es­te­ves con­ta que o pro­ces­so é di­vi­di­do em três fa­ses. No mo­men­to da pré-in­cu­ba­ção, são de­sen­vol­vi­dos, por exem­plo, o pro­tó­ti­po e a iden­ti­da­de vi­su­al. Na in­cu­ba­ção é quan­do a pes­soa tem o pri­mei­ro con­ta­to com o em­pre­en­de­do­ris­mo, apren­den­do téc­ni­cas de tec­no­lo­gia, mar­ke­ting e fi­nan­ças. Já a gra­du­a­ção é quan­do o pro­je­to sai de den­tro da sa­la e é co­lo­ca­do em prá­ti­ca.

“A gen­te ofe­re­ce ca­pa­ci­ta­ção so­bre pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, pa­ten­tes e pla­no de ne­gó­ci­os. Aju­da­mos tam­bém na for­mu­la­ção dos pro­je­tos pa­ra se­rem es­co­lhi­das por edi­tais”, diz.

Por ter ti­do um acom­pa­nha­men­to du­ran­te o pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to, os es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam que as em­pre­sas que são in­cu­ba­das têm um ín­di­ce de mor­ta­li­da­de me­nor. “O pro­ces­so é in­te­res­san­te por­que os pro­fis­si­o­nais já tra­zem a ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da an­te­ri­or­men­te. Eles sa­bem co­mo as coi­sas fun­ci­o­nam”, diz Le­an­dro Bar­re­to.

Foi exa­ta­men­te a aju­da pa­ra des­lan­char o pro­je­to que fez com que o es­tu­dan­te de En­ge­nha­ria de Pro­du­ção Pe­dro Pe­rei­ra, e ou­tros qua­tro ami­gos, ins­cre­ves­sem sua ideia na in­cu­ba­do­ra da uni­ver­si­da­de. Ho­je, eles tra­ba­lham no de­sen­vol­vi­men­to da Om­niSen­sor, star­tup da área de ges­tão efi­ci­en­te de ener­gia elé­tri­ca.

“Acho que apren­de­mos mais a ca­da dia, com no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as, e sem­pre com a aju­da de pro­fis­si­o­nais. Ho­je já es­ta­mos em fa­se de tes­tes”, afir­ma ele. A ideia do pro­je­to é que, a par­tir de sen­so­res in­te­li­gen­tes co­lo­ca­dos em má­qui­nas in­dus­tri­ais, os cli­en­tes pos­sam ter o con­tro­le da quan­ti­da­de de ener­gia con­su­mi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.