FIAC BAHIA 2016

Correio da Bahia - - Vida -

Mam­ba Ne­gra: o Co­vil da Im­pe­ra­triz Ma­vam­bo (Di­e­go Al­cân­ta­ra), O Bo­bo (Te­a­tro Ter­cei­ra Mar­gem), O Ga­lo (OCO Te­a­troLa­bo­ra­tó­rio)eOb­ses­si­va Dan­tes­ca (Laís Ma­cha­do).

Nes­sa se­le­ção, ex­pli­ca Fe­li­pe, há uma pre­do­mi­nân­cia de so­los de uma ge­ra­ção mais jo­vem do te­a­tro bai­a­no, que as­su­me uma pos­tu­ra de per­for­mer e cu­jos per­so­na­gens se con­fun­dem com o pró­prio ar­tis­ta. “To­dos es­ses so­los tra­zem um dis­cur­so po­lí­ti­co, rei­vin­di­ca­tó­rio, que dá des­ta­que às mi­no­ri­as. E a gen­te tem tam­bém den­tre os es­pe­tá­cu­los bai­a­nos uma adap­ta­ção de um tex­to de Gabriel Gar­cía Már­quez, que é uma me­tá­fo­ra da Amé­ri­ca La­ti­na e re­fle­te so­bre es­sa es­pe­ra do Bra­sil, mas tam­bém de ou­tros paí­ses vi­zi­nhos, por um tem­po de abun­dân­cia”, sin­te­ti­za.

OCUPAÇÕES

De­pois de pas­sar por di­ver­sos te­a­tros da ca­pi­tal bai­a­na, a atriz Mô­ni­ca San­ta­na vai le­var seu Is­to Não É Uma Mu­la­ta pa­ra um am­bi­en­te do­més­ti­co, ama­nhã: o Ca­sa­rão Ba­ra­ba­dá, es­pa­ço de ocu­pa­ção ar­tís­ti­ca co­le­ti­va, cen­tra­do no fe­mi­ni­no, que fi­ca no San­to Antô­nio Além do Car­mo. “A co­no­ta­ção po­lí­ti­ca do meu tra­ba­lho con­ver­ge com a co­no­ta­ção po­lí­ti­ca do lo­cal, que por ser uma ca­sa tem uma co­zi­nha, vis­to co­mo fre­quen­te lu­gar da mu­lher ne­gra”, com­ple­men­ta.

O Ca­sa­rão Ba­ra­ba­dá tam­bém se­rá um lo­cal de con­fra­ter­ni­za­ção. Após a apre­sen­ta­ção de Is­to Não É Uma Mu­la­ta, acon­te­ce pro­gra­ma­ção mu­si­cal gra­tui­ta com dis­co­te­ca­gem do DJ An­dré Oli­vei­ra.

Ou­tros três es­pa­ços cul­tu­rais de Sal­va­dor (Co­aty, Ca­sa Pre­ta e Oli­vei­ras) vão re­ce­ber fes­tas gra­tui­tas pa­ra en­cer­rar ca­da noi­te do Fiac. “Nos­sa ideia es­te ano era vi­si­bi­li­zar es­pa­ços que fun­ci­o­nam den­tro da ci­da­de de ma­nei­ra per­ma­nen­te e que te­nham a mis­são de di­fun­dir o tra­ba­lho ar­tís­ti­co de­sen­vol­vi­do na ci­da­de. São lu­ga­res po­lí­ti­cos, que bus­cam al­ter­na­ti­vas pa­ra con­ti­nu­ar exis­tin­do. E a pro­gra­ma­ção, que a gen­te deu o no­me de Fes­tas em Ca­sa, foi cri­a­da jun­to com ca­da um de­les”, ex­pli­ca As­sis. Pa­ra ele, a par­ce­ria po­de ser de­fi­ni­da co­mo um gol tan­to pa­ra a ci­da­de qu­an­to pa­ra o fes­ti­val. “Não é so­men­te uma ga­le­ria de es­pe­tá­cu­los, um cor­re­dor de ati­vi­da­des. A gen­te en­tra em ou­tro tem­po, o do en­con­tro, do ba­te-pa­po”, com­ple­men­ta.

FAZENDO JUN­TO

A pro­gra­ma­ção do Fiac in­clui tam­bém di­ver­sos en­con­tros, ofi­ci­nas e ações, nos quais o con­vi­te pa­ra o co­le­ti­vo, o en­ga­ja­men­to fí­si­co e a pre­sen­ça tam­bém es­ta­rá aber­to. Uma des­sas ações são as três ex­pe­ri­ên­ci­as de es­cri­ta crí­ti­ca co­man­da­da pe­lo jor­na­lis­ta Ruy Fi­lho. Ele des­ta­ca que há um pen­sa­men­to da crí­ti­ca li­ga­do ao que é bom ou ruim, mas há ou­tra crí­ti­ca que es­tá sen­do es­cri­ta jun­to com os ar­tis­tas e com os es­pec­ta­do­res. “Uma crí­ti­ca que tem si­do en­ca­ra­da mui­to mais co­mo ati­vi­da­de per­for­ma­ti­va, per­meá­vel, que po­de so­frer al­te­ra­ções, do que uma ver­da­de fi­xa”, re­su­me.

E aí, acei­ta o con­vi­te de me­ter a mão?

QUAN­DO De ho­je a do­min­go

ON­DE Go­ethe-Ins­ti­tut, Te­a­tro Vi­la Ve­lha, Te­a­tro Cas­tro Al­ves, Te­a­tro Mar­tim Gon­çal­ves, Es­pa­ço Cul­tu­ral Bar­ro­qui­nha, Te­a­tro Ex­pe­ri­men­tal, Te­a­tro Gre­gó­rio de Mat­tos, Ca­sa­rão Ba­ra­ba­dá, Ca­sa Pre­ta, Co­aty e Oli­vei­ras

IN­GRES­SOS R$ 20 | R$ 10 pa­ra os es­pe­tá­cu­los. In­gres­sos à ven­da na bi­lhe­te­ria do Go­ethe-Ins­ti­tut e no si­te sym­pla.com.br/fi­ac­bahia

PROGRAMAÇÃOCon­fi­ra no si­te www.fi­ac­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.