Pre­o­cu­pan­te

Correio da Bahia - - Vida - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

A Jus­ti­ça do Rio mar­cou pa­ra ho­je a au­di­ên­cia de cus­tó­dia de 31 co­rin­ti­a­nos que fo­ram au­tu­a­dos pe­los tu­mul­tos no Ma­ra­ca­nã, do­min­go, quan­do o ti­me pau­lis­ta en­fren­tou o Fla­men­go. Eles fo­ram in­di­ci­a­dos pe­la Po­lí­cia Ci­vil por cri­mes de le­são cor­po­ral, da­no qua­li­fi­ca­do, re­sis­tên­cia qua­li­fi­ca­da, pro­mo­ver tu­mul­to e as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa, es­se úl­ti­mo pas­sí­vel de pri­são tem­po­rá­ria.

A in­ten­ção da de­fe­sa é re­ti­rar a acu­sa­ção de as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa, o que per­mi­ti­ria que to­dos os en­vol­vi­dos fos­sem li­be­ra­dos após a au­di­ên­cia pa­ra res­pon­der o pro­ces­so em li­ber­da­de. Se con­se­guir re­ti­rar a acu­sa­ção de as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa, a ten­dên­cia é que ape­nas os que es­ti­ve­rem en­vol­vi­dos nas agres­sões aos PMs res­pon­dam por le­são cor­po­ral. Nes­ta re­ta fi­nal do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, a ma­te­má­ti­ca não é a me­lhor ami­ga do Vi­tó­ria. Res­tan­do seis jo­gos pa­ra o fi­nal da com­pe­ti­ção, o Leão tem 53% de chan­ce de ter­mi­nar o ano re­bai­xa­do, se­gun­do os ma­te­má­ti­cos da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais.

Pa­ra os pro­fis­si­o­nais da UFMG, o clu­be que che­gar aos 45 pon­tos tem ape­nas 8% de chan­ce de cair pa­ra a Sé­rie B. Um nú­me­ro que o téc­ni­co do Vi­tó­ria, Ar­gel Fucks, tam­bém pro­je­ta. Sen­do as­sim, o Leão pre­ci­sa so­mar 10 dos 18 pon­tos ain­da em dis­pu­ta.

Com a der­ro­ta pa­ra o Cru­zei­ro, a quar­ta se­gui­da, o Leão não de­pen­de mais dos jo­gos em ca­sa pa­ra al­can­çar a me­ta. Na prá­ti­ca o lo­cal não im­por­ta, mas, pa­ra fa­ci­li­tar o en­ten­di­men­to, é pre­ci­so ven­cer Atlé­ti­co-PR, Fi­guei­ren­se e Pal­mei­ras no Bar­ra­dão e ar­ran­car pe­lo me­nos um em­pa­te con­tra Flu­mi­nen­se, Santos ou Co­ri­ti­ba fo­ra. Na mes­ma sequên­cia res­tan­te, mas no pri­mei­ro tur­no, o Vi­tó­ria fez cin­co pon­tos.

Atu­al­men­te com 36% de apro­vei­ta­men­to nas 32 ro­da­das re­a­li­za­das, o Leão te­rá que fa­zer um ren­di­men­to de 55% nos úl­ti­mos seis jo­gos pa­ra che­gar aos 45 pon­tos. Se­ria co­mo fa­zer o mes­mo de­sem­pe­nho do Bo­ta­fo­go, quin­to co­lo­ca­do e na zo­na de clas­si­fi­ca­ção pa­ra a Li­ber­ta­do­res.

“Vo­cês têm acom­pa­nha­do, es­ta­mos fazendo o pos­sí­vel e o im­pos­sí­vel. Sa­bía­mos que o de­sa­fio era gran­de. Ma­te­ma­ti­ca­men­te te­mos chan­ce. Exis­te uma bri­ga mui­to gran­de. Ain­da de­pen­de­mos das nos­sas for­ças. Pre­ci­sa­mos o qu­an­to an­tes de uma vi­tó­ria por uma ques­tão de con­fi­an­ça, até por­que es­se gru­po já deu uma res­pos­ta boa an­te­ri­or­men­te”, ex­pli­ca Ar­gel.

Ven­cer o Flu­mi­nen­se, ad­ver­sá­rio de sex­ta-fei­ra, no Rio, po­de não só dar con­fi­an­ça co­mo ti­rar o ru­bro-ne­gro da zo­na na pró­xi­ma ro­da­da. Pa­ra is­so acon­te­cer é pre­ci­so tam­bém que o Co­ri­ti­ba per­ca do Bo­ta­fo­go, fo­ra, ou que o Sport não ga­nhe da Pon­te Pre­ta ou que o In­ter­na­ci­o­nal não ga­nhe do San­ta Cruz. O Sport e o In­ter­na­ci­o­nal jo­gam em ca­sa.

Pa­ra não amar­gar o quar­to re­bai­xa­men­to nos pon­tos cor­ri­dos, o Vi­tó­ria pre­ci­sa ga­nhar três dos seis jo­gos res­tan­tes e em­pa­tar um ou dois. Is­so sig­ni­fi­ca que pon­tu­ar ape­nas em ca­sa não é mais su­fi­ci­en­te pa­ra o Leão.

Leão pre­ci­sa ter de­sem­pe­nho de ti­me do G6 pa­ra es­ca­par da de­go­la

Evi­tar o re­bai­xa­men­to é o de­sa­fio do téc­ni­co Ar­gel Fucks: ‘Es­ta­mos fazendo o pos­sí­vel e o im­pos­sí­vel’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.