Ti­mes de se­gun­da

Correio da Bahia - - Esporte -

Vag­ner Man­ci­ni di­ri­giu o Vi­tó­ria nas pri­mei­ras 24 ro­da­das. Ar­gel, nas úl­ti­mas oi­to. Man­ci­ni saiu em 18º, a um pon­to de dei­xar a zo­na de re­bai­xa­men­to. Com Ar­gel o ti­me su­biu uma ca­sa. Es­tá em 17º, mas a dis­tân­cia pra sal­va­ção é de dois pon­tos. A di­fe­ren­ça no apro­vei­ta­men­to? Com o pri­mei­ro téc­ni­co foi de 33%. Com o atu­al, 37%. Adi­an­tou mu­dar?

Até en­ten­do os mo­ti­vos que le­va­ram a di­re­to­ria a me­xer. E, pa­ra o mo­men­to, Ar­gel foi mes­mo uma boa es­co­lha. Não con­cor­do com qu­em acha­va que o mai­or cul­pa­do pe­la pés­si­ma cam­pa­nha era Man­ci­ni, e que a de­mis­são de­le fa­ria o ti­me de­co­lar. Pois não de­co­lou e nem vai. Nem com Ar­gel, nem com Ti­te. O pro­ble­ma mai­or do Vi­tó­ria não es­tá em qu­em es­ca­la. Mas sim em qu­em é es­ca­la­do. Fal­ta qua­li­da­de é pra qu­em en­tra em cam­po.

Nos úl­ti­mos qua­tro pê­nal­tis mar­ca­dos a fa­vor, to­dos fo­ram des­per­di­ça­dos, por qua­tro co­bra­do­res di­fe­ren­tes. Fos­sem to­dos con­ver­ti­dos o Vi­tó­ria te­ria mais cin­co pon­tos e es­ta­ria fo­ra da zo­na. O ru­bro-ne­gro es­ta­ria qua­tro po­si­ções aci­ma da atu­al – se­ria o 13º. Em vez de per­der pra Bo­ta­fo­go, Sport e Cru­zei­ro, te­ria em­pa­ta­do com ca­ri­o­cas e mi­nei­ros no Bar­ra­dão e ven­ci­do os per­nam­bu­ca­nos na Ilha.

Trei­na­dor não ba­te pê­nal­ti. Nem vai fa­zer jo­ga­do­res re­pro­va­dos há mui­to tem­po na To­ca, co­mo Van­der e Eul­ler, vi­ra­rem gran­des jo­ga­do­res num pas­se de má­gi­ca. A cul­pa é de qu­em con­ti­nu­ou in­sis­tin­do ne­les. E trou­xe gen­te do mes­mo ní­vel ou pi­or pa­ra dis­pu­tar po­si­ção. Ci­to al­guns exemplos. Ti­a­go Re­al não se fir­mou na­que­le Bahia me­do­nho que fi­cou em no­no na se­gun­do­na do ano pas­sa­do. Cár­de­nas não mos­trou bo­la se­quer pa­ra fi­car no ban­co de seu úl­ti­mo clu­be, o Atlé­ti­co Mi­nei­ro. Ou­tro grin­go, o bo­li­vi­a­no Ro­dri­go Ra­mal­lo não con­se­gue se­quer ser re­la­ci­o­na­do. Di­o­go Ma­teus era o quin­to re­ser­va da Pon­te Pre­ta. O za­guei­ro Hen­ri­que se­quer es­tre­ou. Um clu­be com or­ça­men­to mais mo­des­to que os ri­vais da eli­te não po­dia se dar ao lu­xo de er­rar tan­to.

Na der­ro­ta pa­ra o Sport na Ilha, o Vi­tó­ria ter­mi­nou com 10 jo­ga­do­res que es­ti­ve­ram na Sé­rie B no ano pas­sa­do. Uma amos­tra de que a atu­al di­re­to­ria pa­re­ce ter uma fi­xa­ção por aque­la di­vi­são. Di­re­to­ria de se­gun­da. Ti­me de se­gun­da. Pa­re­ce um des­ti­no ine­vi­tá­vel vol­tar pa­ra lá. A não ser que os deu­ses do fu­te­bol aju­dem o Vi­tó­ria. Boa re­za, tor­ce­dor.

INÚTEIS

Com o elen­co que tem, em re­la­ção aos ad­ver­sá­ri­os, e com o bom fu­te­bol jo­ga­do na Fon­te No­va, é inad­mis­sí­vel a bo­li­nha que o Bahia tem apre­sen­ta­do fo­ra de ca­sa. Con­tra o Oes­te, 16º co­lo­ca­do, o tri­co­lor to­mou o pri­mei­ro gol nu­ma fa­lha feia do go­lei­ro Mu­ri­el, eter­no re­ser­va do In­ter­na­ci­o­nal, e pre­ci­sou de um gol con­tra pa­ra em­pa­tar. Pi­or que ver o de­sem­pe­nho so­frí­vel foi ou­vir Gu­to Fer­rei­ra di­zer que o ti­me foi bem.

Gu­to não se aju­da. Já são seis ro­da­das sem ga­nhar fo­ra. Mes­mo as­sim ele não me­xe na for­ma de atu­ar lon­ge de Sal­va­dor. O Bahia não vai pa­ra o aba­fa, co­mo aqui. E Gu­to in­sis­te no mes­mo es­que­ma, sem­pre com Re­na­to Ca­já. Se­rá que o ve­te­ra­no não po­dia ter um des­can­so pe­lo me­nos nes­sas par­ti­das? Não po­de­ria dar lu­gar a Ré­gis ou a um jo­ga­dor com ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes, que me­xes­se na di­nâ­mi­ca no ti­me?

Se­ma­na pas­sa­da, o clu­be fez uma ação in­te­res­san­te. Co­lo­cou jo­ga­do­res e o pró­prio Gu­to pra li­gar pa­ra tor­ce­do­res, con­vo­can­do-os pa­ra a par­ti­da com o Oes­te. Se con­ti­nu­ar in­sis­tin­do em con­vic­ções inúteis, além de mor­rer abra­ça­do com elas, Gu­to vai ter que vol­tar a li­gar pa­ra tor­ci­da ao fi­nal do cam­pe­o­na­to. Pra pe­dir des­cul­pas.

VERGONHA

In­de­pen­den­te­men­te do des­fe­cho des­ta Sé­rie B, e eu ain­da acre­di­to que, ape­sar de tu­do, o Bahia tem bo­as chan­ces de su­bir, a cam­pa­nha é uma vergonha. É hu­mi­lhan­te ver o Bahia bri­gar, ro­da­da a ro­da­da, pon­to a pon­to, com Avaí, Bra­sil de Pe­lo­tas, Lon­dri­na, CRB... ti­mes com mui­to me­nos gra­na e tra­di­ção. Num cam­pe­o­na­to co­mo es­te, o tri­co­lor ti­nha que con­ju­gar os ver­bos “pas­se­ar” e “atro­pe­lar”. E não o ver­bo “so­frer”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.