Ain­da há vi­da

Correio da Bahia - - Esporte - Fer­nan­da Va­re­la fer­nan­da.va­re­la@re­de­bahia.com.br

Quan­do o ti­me de­cep­ci­o­na ou tro­pe­ça, o tor­ce­dor fi­ca cha­te­a­do a se­ma­na in­tei­ra, até o pró­xi­mo con­fron­to. Chei­os de es­pe­ran­ça que o Bahia ven­ce­ria o Oes­te com fa­ci­li­da­de, os tricolores fi­ca­ram frus­tra­dos com o re­sul­ta­do, mas ain­da é ce­do pa­ra jo­gar a to­a­lha.

Fal­tam seis ro­da­das pa­ra o fim da Sé­rie B e, no sá­ba­do, às 16h, o Bahia en­fren­ta o Ce­a­rá na Fon­te No­va e po­de vol­tar ao G4 ca­so ven­ça seu jo­go e con­te com der­ro­ta ou em­pa­te de Náu­ti­co e Lon­dri­na.

É se ape­gan­do nis­so que o la­te­ral Edu­ar­do não se dei­xa con­ta­mi­nar com o de­sâ­ni­mo. “São seis fi­nais on­de de­ve­mos bus­car o al­go a mais. E não há mo­ti­va­ção mai­or do que es­tar vi­vo. Fu­te­bol é vi­da. Que­re­mos ven­cer e é es­se o nos­so ob­je­ti­vo. To­do jo­ga­dor fa­la que to­do jo­go é de­ci­si­vo por­que re­al­men­te é. Es­se jo­go é a pri­mei­ra fi­nal. Um di­vi­sor de águas. Pa­ra ser cla­ro e re­to, ago­ra é ma­tar ou mor­rer. Não tem mais es­pa­ço pa­ra la­men­ta­ções, tro­pe­ços ou er­ros”.

Pa­ra le­van­tar o as­tral até do mais des­cren­te tor­ce­dor, o Bahia tem a seu fa­vor o bom de­sem­pe­nho na Fon­te No­va. Me­lhor man­dan­te da Sé­rie B, o tri­co­lor so­ma com 12 triun­fos, dois em­pa­tes e du­as der­ro­tas nos 16 jo­gos em ca­sa (79%). O úl­ti­mo re­vés di­an­te do tor­ce­dor foi dia 5 de ju­lho, quan­do o ti­me, já sob co­man­do de Gu­to Fer­rei­ra, per­deu do Vi­la No­va por 1x0. O ou­tro foi di­an­te do Lon­dri­na, 2x1, no dia 18 ju­nho, quan­do Do­ri­va foi de­mi­ti­do.

Po­de pa­re­cer cli­chê cha­mar o tor­ce­dor de 12º jo­ga­dor, mas se­gun­do Edu­ar­do, ter mi­lha­res de vo­zes em­pur­ran­do o ti­me faz di­fe­ren­ça. “Não é que só ven­ce­mos em ca­sa. Em ca­sa te­mos o apoio do tor­ce­dor. Fo­ra de ca­sa os ad­ver­sá­ri­os têm nos res­pei­ta­do mui­to e di­fi­cul­ta­do nos­so tra­ba­lho. Aqui, es­ta­mos acos­tu­ma­dos com o ter­re­no e os ad­ver­sá­ri­os só pen­sam em se de­fen­der. Te­mos que por o pé no chão e sa­ber da nos­sa li­mi­ta­ção”, ad­mi­te ele ao lem­brar da fra­gi­li­da­de do Bahia co­mo vi­si­tan­te: fo­ram 16 jo­gos, com ape­nas dois triun­fos, seis em­pa­tes e oi­to der­ro­tas (25%).

A dois pon­tos do G4, Edu­ar­do pe­de fim dos er­ros: ‘É ma­tar ou mor­rer’

Após mais um tro­pe­ço, Edu­ar­do le­van­ta a ca­be­ça e co­bra efi­ci­ên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.