Ar­ti­go Lí­via Qu­ei­roz Cas­te­lo Bran­co Mou­rão Trans­tor­nos men­tais e se­xu­a­li­da­de

Correio da Bahia - - Front Page -

Vi­ve­mos em um mun­do em que o se­xo é bas­tan­te en­fa­ti­za­do, e a prá­ti­ca da se­xu­a­li­da­de pa­ra al­guns in­di­ví­du­os é tão vi­tal pa­ra a saú­de quan­to co­mer, dor­mir e fa­zer exer­cí­ci­os.

Al­guns com­po­nen­tes en­vol­vi­dos na se­xu­a­li­da­de nor­mal tam­bém es­tão im­pli­ca­dos na cau­sa e tra­ta­men­to dos trans­tor­nos men­tais, o que tor­na os in­di­ví­du­os em acom­pa­nha­men­to psi­quiá­tri­co mais pro­pen­sos a ter di­fi­cul­da­des ou al­te­ra­ções no com­por­ta­men­to se­xu­al.

Até 80% dos pa­ci­en­tes com trans­tor­nos men­tais têm di­fi­cul­da­des se­xu­ais em con­sequên­cia da pró­pria do­en­ça ou dos me­di­ca­men­tos uti­li­za­dos pa­ra tra­tá-la, o que po­de le­var a pro­ble­mas no re­la­ci­o­na­men­to com o par­cei­ro e uso de subs­tân­ci­as sem pres­cri­ção mé­di­ca. Es­tas con­sequên­ci­as po­dem pro­vo­car um des­fe­cho ain­da mais ar­ris­ca­do, que é o aban­do­no do tra­ta­men­to psi­quiá­tri­co.

Sin­to­mas co­mo re­du­ção da au­to­es­ti­ma, di­fi­cul­da­des de re­la­ci­o­na­men­to, re­du­ção do in­te­res­se, can­sa­ço, en­tre ou­tros, cos­tu­mam es­tar pre­sen­tes em di­ver­sos trans­tor­nos men­tais e po­dem cau­sar re­du­ção da frequên­cia e da qua­li­da­de das re­la­ções se­xu­ais. Os an­ti­de­pres­si­vos, an­tip­si­có­ti­cos e an­si­o­lí­ti­cos uti­li­za­dos no tra­ta­men­to es­tão as­so­ci­a­dos a au­men­to de ris­co de so­no­lên­cia, di­mi­nui­ção do de­se­jo se­xu­al, dis­fun­ção eré­til e re­du­ção do or­gas­mo.

En­tre­tan­to, a

in­ter­rup­ção do tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so sem ori­en­ta­ção mé­di­ca, na mai­o­ria dos ca­sos, po­de le­var a pi­o­ra dos sin­to­mas, pre­juí­zo so­ci­al, re­du­ção do ren­di­men­to e da qua­li­da­de de vi­da. A en­tre­vis­ta fo­ca­da no con­tex­to só­cio-se­xu­al e a ava­li­a­ção mé­di­ca, por­tan­to, são es­sen­ci­ais pa­ra es­cla­re­cer a im­por­tân­cia da se­xu­a­li­da­de na vi­da do in­di­ví­duo e as mu­dan­ças que ocor­re­ram após o seu ado­e­ci­men­to.

O acom­pa­nha­men­to mé­di­co e psi­co­ló­gi­co per­mi­te am­pli­ar o en­ten­di­men­to da se­xu­a­li­da­de e iden­ti­fi­car ou­tras for­mas de sa­tis­fa­ção se­xu­al, ana­li­san­do as ne­ces­si­da­des de ca­da in­di­ví­duo sem pre­ju­di­car o tra­ta­men­to de ba­se. A ava­li­a­ção gi­ne­co­ló­gi­ca/uro­ló­gi­ca, jun­to ao aten­di­men­to em saú­de men­tal, é im­por­tan­te pa­ra ex­cluir cau­sas clí­ni­cas pas­sí­veis de in­ter­ven­ções es­pe­cí­fi­cas. Em al­guns ca­sos po­de ser con­si­de­ra­do o ajus­te dos re­mé­di­os que o pa­ci­en­te es­tá usan­do ou a in­tro­du­ção de no­vas me­di­ca­ções que aju­dem a ate­nu­ar os sin­to­mas.

A saú­de se­xu­al en­vol­ve não so­men­te a au­sên­cia de do­en­ça, mas tam­bém a ca­pa­ci­da­de de se en­vol­ver em re­la­ções se­xu­ais con­sen­su­ais, se­gu­ras, res­pei­to­sas e pra­ze­ro­sas. To­car no as­sun­to é o pri­mei­ro pas­so pa­ra o alí­vio do des­con­for­to. Que­brar a bar­rei­ra da ver­go­nha e dis­cu­tir o te­ma com os pro­fis­si­o­nais en­vol­vi­dos no tra­ta­men­to per­mi­tem a in­di­vi­du­a­li­za­ção da te­ra­pêu­ti­ca e a me­lho­ra da qua­li­da­de de vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.