Iba­ma aler­ta so­bre o ris­co de uma no­va on­da de la­ma no Rio Do­ce

Correio da Bahia - - Brasil -

SA­MAR­CO O cro­no­gra­ma de obras pa­ra con­ten­ção de re­jei­tos da bar­ra­gem da Sa­mar­co em Ma­ri­a­na, Mi­nas Ge­rais, es­tá atra­sa­do e, por cau­sa das chu­vas, uma no­va on­da de la­ma po­de atin­gir o Rio Do­ce, vol­tan­do a cau­sar da­nos am­bi­en­tais e a pre­ju­di­car o abas­te­ci­men­to de água de 40 mu­ni­cí­pi­os da ba­cia. É o que diz o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Meio Am­bi­en­te e Re­cur­sos Na­tu­rais Re­no­vá­veis (Iba­ma) em ba­lan­ço di­vul­ga­do on­tem em Be­lo Ho­ri­zon­te.

Com as chu­vas e o con­se­quen­te car­re­a­men­to de re­jei­tos, o ins­ti­tu­to não des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de a la­ma, ao atin­gir o Rio Do­ce, rom­per a hi­dre­lé­tri­ca de Can­don­ga, que fi­ca no cur­so d’água, a cer­ca de cem quilô­me­tros do lo­cal do acidente. Ela fun­ci­o­nou co­mo um di­que quan­do hou­ve o rom­pi­men­to da bar­ra­gem da mi­ne­ra­do­ra, tra­gé­dia que com­ple­ta­rá um ano no pró­xi­mo dia 5, dei­xan­do 18 pes­so­as mor­tas e uma de­sa­pa­re­ci­da. Em ou­tro ce­ná­rio, o Iba­ma acre­di­ta que a la­ma po­de pas­sar so­bre a hi­dre­lé­tri­ca. Em am­bos os ca­sos, ela po­de­rá vol­tar a atin­gir o li­to­ral do Es­pí­ri­to San­to, na foz do Rio Do­ce.

Se­gun­do da­dos do Iba­ma, en­tre o lo­cal do acidente em Ma­ri­a­na e a hi­dre­lé­tri­ca exis­tem 43,5 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de re­jei­tos, o equi­va­len­te a 17,4 mil pis­ci­nas olím­pi­cas. O ma­te­ri­al es­tá dis­pos­to nas bar­ra­gens da Sa­mar­co de Fun­dão (a que se rom­peu em no­vem­bro do ano pas­sa­do), San­ta­rém, di­ques, na área de Ben­to Rodrigues (o dis­tri­to de Ma­ri­a­na des­truí­do na tra­gé­dia) e às mar­gens de aflu­en­tes e do Rio Do­ce. Há ain­da, con­for­me o le­van­ta­men­to, gra­ves pro­ble­mas de ero­são em to­da a área. A pre­si­den­te do Iba­ma, Su­e­li Araú­jo, afir­ma que as obras se­rão su­fi­ci­en­tes, mas que o atra­so e o iní­cio das chu­vas tra­zem um “de­sa­fio” pa­ra o mo­men­to.

“Com a chu­va, vo­cê não sa­be o que vai ocor­rer en­tre Fun­dão (a bar­ra­gem da Sa­mar­co que ruiu) e Can­don­ga”. “Re­co­nhe­ce­mos o atra­so. Não es­ta­mos fa­lan­do que es­tá bem. Fa­la­mos que es­tá mo­ni­to­ra­do”, diz Su­e­li. Há três es­tru­tu­ras de con­ten­ção com obras em an­da­men­to na re­gião do de­sas­tre: o di­que S4, o ei­xo um de Fun­dão e a bar­ra­gem de No­va San­ta­rém. Se­gun­do a pre­si­den­te do Iba­ma, há pro­ble­mas tam­bém quan­to ao re­pas­se de re­cur­sos pre­vis­tos pa­ra obras de sa­ne­a­men­to. Em no­ta, a Sa­mar­co afir­mou que “as obras de re­for­ço de se­gu­ran­ça das es­tru­tu­ras re­ma­nes­cen­tes es­tão 100% con­cluí­das”. Se­gun­do ela, a cons­tru­ção da bar­ra­gem de No­va San­ta­rém no Com­ple­xo de Ger­ma­no ter­mi­na­rá em de­zem­bro. A em­pre­sa diz que as “es­tru­tu­ras pla­ne­ja­das e em cons­tru­ção te­rão ca­pa­ci­da­de de re­ter o re­jei­to re­ma­nes­cen­te da bar­ra­gem de Fun­dão”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.