Ru­mo cer­to na re­ta fi­nal

Correio da Bahia - - Mais - Hil­za.cor­dei­ro@re­de­bahia.com.br

A me­nos de du­as se­ma­nas pa­ra o Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio (Enem), mui­tos candidatos ain­da bus­cam es­tra­té­gi­as de pre­pa­ra­ção pa­ra ga­ran­tir pon­tos ex­tras na pro­va. Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos pe­lo CORREIO, uma das apos­tas que po­dem dar cer­to é con­cen­trar es­for­ços nas dis­ci­pli­nas que mais com­pli­cam a vi­da dos es­tu­dan­tes. Ca­so vo­cê es­te­ja en­tre os candidatos que não se dão bem em Fí­si­ca, Ma­te­má­ti­ca e Quí­mi­ca, as três dis­ci­pli­nas – na or­dem – com me­no­res ta­xas de acer­to no exa­me en­tre 2009 e 2014, uma di­ca: pri­o­ri­zar os as­sun­tos mais re­cor­ren­tes so­bre elas po­de ga­ran­tir a so­nha­da va­ga na uni­ver­si­da­de.

O es­tu­dan­te Ri­chard Ru­an Bar­rei­ro, 17 anos, é um dos que con­si­de­ram ma­té­ri­as de exa­ta co­mo bi­chos-pa­pões. “Te­nho mui­ta di­fi­cul­da­de. Mi­nhas no­tas são mai­o­res em hu­ma­nas”, con­ta ele, que pre­ten­de dar mais aten­ção aos seus pon­tos fra­cos. O de­sem­pe­nho dos es­tu­dan­tes, se­gun­do da­dos di­vul­ga­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas (Inep) e ana­li­sa­dos pe­lo apli­ca­ti­vo AppP­ro­va, mos­tra que as ta­xas de acer­to em Fí­si­ca, 26%, Ma­te­má­ti­ca, 29%, e Quí­mi­ca, 26%, é mes­mo bai­xo na mé­dia en­tre 2009 e 2014. Se ana­li­sar ape­nas 2014, as mé­di­as ca­em ain­da mais: 25%, 25% e 27%, res­pec­ti­va­men­te.

MINIMAMENTE

Pa­ra o pro­fes­sor de Fí­si­ca e Ma­te­má­ti­ca do Ofi­ci­na Pré-Ves­ti­bu­lar Mateus Lor­de­lo, os candidatos têm que sa­ber os as­sun­tos que cos­tu­mam cair, mes­mo que com pou­co apro­fun­da­men­to. “Co­mo eles não sa­bem quais as­sun­tos se­rão co­bra­dos, têm que es­tu­dar pa­ra con­se­guir res­pon­der minimamente por­que os as­sun­tos ti­dos co­mo mais di­fí­ceis po­dem apa­re­cer nas ques­tões mais fá­ceis tam­bém”, ci­ta. Co­mo pro­fes­sor das du­as dis­ci­pli­nas, ele re­co­nhe­ce que Fí­si­ca é a mais te­mi­da no en­si­no mé­dio. “O es­tu­dan­te não con­se­gue in­ter­pre­tá-la no dia a dia e é is­so que a pro­va co­bra”, co­men­ta.

O pro­fes­sor faz re­la­ção se­me­lhan­te à re­jei­ção de mui­tos com a Ma­te­má­ti­ca. “Tra­di­ci­o­nal­men­te, o con­teú­do apre­sen­ta­do é mui­to afas­ta­do do co­ti­di­a­no, à ba­se de fór­mu­las. O alu­no cri­ou re­sis­tên­cia”.

DI­FI­CUL­DA­DES

A es­tu­dan­te The­re­za Mut­ti, 17, fez qua­tro si­mu­la­dos pa­ra o Enem des­te ano, no Co­lé­gio Vi­tó­ria Ré­gia, on­de cur­sa o 3º ano. Se­gun­do ela, em to­dos eles su­as mé­di­as nas áre­as de Ci­ên­ci­as da Na­tu­re­za e Ma­te­má­ti­ca fo­ram mai­o­res do que nas de­mais.

Em­bo­ra gos­te des­sas áre­as, The­re­za tam­bém sen­te di­fi­cul­da­des em al­guns as­sun­tos de Ma­te­má­ti­ca co­mo ge­o­me­tria pla­na e es­pa­ci­al. “Além dis­so, te­nho pro­ble­mas com tri­go­no­me­tria por­que tem vá­ri­as fór­mu­las e a ne­ces­si­da­de de in­ter­pre­ta­ção é mai­or”, ex­pli­ca ela. Já Ri­chard con­ta que “tra­va” em ques­tões en­vol­ven­do lo­ga­rit­mo, fun­ção ex­po­nen­ci­al e de 2º grau.

Quem tam­bém sen­te di­fi­cul­da­des nes­ta dis­ci­pli­na é a es­tu­dan­te Maria Cla­ra Fur­ta­do, do 2º ano no Co­lé­gio In­te­gral. “É o meu bi­cho-pa­pão, me de­ses­ta­bi­li­za. Sou de uma ci­da­de do in­te­ri­or e te­nho al­gu­mas di­fi­cul­da­des em Ma­te­má­ti­ca bá­si­ca”, con­ta ela, que mo­rou em Morro do Cha­péu, no Cen­tro-Nor­te do es­ta­do, on­de não te­ve uma boa pre­pa­ra­ção nos pri­mei­ros anos de es­tu­do. O QUE PRI­O­RI­ZAR

Ain­da con­for­me o le­van­ta­men­to, os con­teú­dos com me­nos acer­tos em Ma­te­má­ti­ca fo­ram es­ca­las, com ape­nas 18,7% de acer­to, fun­ção do 2º grau, com 19,4%, e sis­te­ma de equa­ções, com 20,7%. Em Fí­si­ca, os alu­nos acer­ta­ram so­men­te 19,7% das ques­tões de di­nâ­mi­ca e em Quí­mi­ca, os as­sun­tos com me­nos acer­tos fo­ram equi­lí­brio quí­mi­co (21,1%) e es­te­qui­o­me­tria (21,6%).

Além dis­so, o es­tu­do tam­bém elen­ca as dez ques­tões mais er­ra­das no exa­me, sen­do no­ve de­las de exa­tas. Em 2014, en­tre os con­teú­dos das ques­tões mais er­ra­das de Ma­te­má­ti­ca es­ta­vam ain­da ra­zão e pro­por­ção (item en­vol­ven­do es­ca­las), só­li­dos de re­vo­lu­ção e es­ta­tís­ti­ca. Di­an­te dis­so, sur­ge a pergunta: o que pri­o­ri­zar pa­ra con­se­guir uma boa no­ta no exa­me?

Por cau­sa da Te­o­ria de Res­pos­ta ao Item (TRI), as ques­tões mais fá­ceis são as que os alu­nos pre­ci­sam se de­di­car ao res­pon­der a pro­va. “Se o alu­no acer­ta as mais di­fí­ceis e er­ra as mais fá­ceis, a te­o­ria en­ten­de que foi chu­te. É pre­ci­so pri­o­ri­zar as ques­tões que tem chan­ces de acer­tar por­que se ele fi­ca mui­to tem­po fa­zen­do as di­fí­ceis e dei­xa de fa­zer as fá­ceis, que acer­ta­ria, se­rá pe­na­li­za­do na no­ta”, de­ta­lha Pau­lo Ri­bei­ro, di­re­tor pe­da­gó­gi­co do Gru­po Ber­noul­li.

Er­ros mais co­muns na pro­va são pis­tas pa­ra as­sun­tos a ser pri­o­ri­za­dos

RE­TA FI­NAL

The­re­za tem o cos­tu­me de co­me­çar a pro­va pe­las ques­tões que sa­be res­pon­der com mais tran­qui­li­da­de. “Dei­xo as mais di­fí­ceis por último por­que se eu não con­se­guir fa­zer, eu chu­to”, ex­pli­ca. Mes­mo as­sim, is­so não sig­ni­fi­ca que o alu­no de­ve aban­do­nar o con­teú­do que não sa­be. Se­gun­do Ri­bei­ro, de­ve ha­ver um pre­pa­ro an­tes da pro­va nos as­sun­tos em que se tem me­nos co­nhe­ci­men­to, es­pe­ci­al­men­te nes­sa re­ta fi­nal de pre­pa­ra­ção.

Ain­da se­gun­do Ri­bei­ro, a es­tra­té­gia da alu­na de dar des­ta­que à Ma­te­má­ti­ca é uma ex­ce­len­te for­ma de au­men­tar a no­ta de­vi­do ao des­vio pa­drão da TRI, que re­la­ci­o­na a chan­ce de acer­to com a pro­fi­ci­ên­cia do alu­no. “A mé­dia de acer­tos des­sa ma­té­ria no Bra­sil é mui­to bai­xa, en­tão quem acer­ta mais ne­la con­se­gue al­can­çar uma no­ta mais al­ta. Em Por­tu­guês, não é tão fá­cil se des­ta­car. Quan­do o alu­no acer­ta 90% de Ma­te­má­ti­ca, ele vai su­bir mui­to a no­ta. Já quem ti­ra o mes­mo per­cen­tu­al em Por­tu­guês não se dis­tan­cia tan­to da mé­dia ge­ral”, con­clui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.