As­sim, aca­bam ab­sol­ven­do Lu­la

Correio da Bahia - - Mais -

O con­jun­to de in­ves­ti­ga­ções que é as­so­ci­a­do ge­né­ri­ca e im­pro­pri­a­men­te à Operação La­va-Ja­to es­tá se trans­for­man­do num parque de di­ver­sões. Há um ma­gis­tra­do que já ape­li­da­ram de Walt Dis­ney, as­sim há pro­cu­ra­do­res e po­li­ci­ais que ca­çam ho­lo­fo­tes. É com­pre­en­sí­vel que is­so acon­te­ça, so­bre­tu­do quan­do, de uma ho­ra pa­ra ou­tra, apa­re­ce um em­prei­tei­ro pre­sen­te­an­do a mu­lher de um go­ver­na­dor com bri­lhan­tes da Van Cle­ef. O de­le­ga­do fe­de­ral Filipe Hil­le Pa­ce, que in­ves­ti­ga tra­fi­cân­ci­as do ex-mi­nis­tro Antonio Pa­loc­ci com a em­prei­tei­ra Ode­bre­cht, re­ve­lou sua sus­pei­ta de que Lu­la se­ja o “ami­go” que re­ce­bia di­nhei­ro da em­prei­tei­ra. Fez is­so na lin­gua­gem con­tor­ci­da de quem diz, mas não afir­ma. A ele:

“Mui­to em­bo­ra ha­ja res­pal­do pro­ba­tó­rio e co­e­rên­cia in­ves­ti­ga­ti­va em se con­si­de­rar que o ‘ami­go’ das pla­ni­lhas (...) fa­ça re­fe­rên­cia a Luiz Iná­cio Lu­la da Silva, a apu­ra­ção de res­pon­sa­bi­li­da­de cri­mi­nal do ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não com­pe­te ao nú­cleo in­ves­ti­ga­ti­vo do GT La­va-Ja­to do qual es­ta Au­to­ri­da­de Po­li­ci­al faz par­te.”

O “res­pal­do pro­ba­tó­rio” co­nhe­ci­do es­tá em vá­ri­as re­fe­rên­ci­as a Lu­la, sem­pre men­ci­o­na­do co­mo ami­go de Emí­lio Ode­bre­cht. Sen­do ele ami­go do do­no da em­pre­sa, se­ria ele o “ami­go” que re­ce­beu R$ 8 mi­lhões. Lu­la e a Ode­bre­cht têm mui­tos ami­gos, mas es­sa co­va é cur­ta. O pró­prio de­le­ga­do res­sal­vou que “a apu­ra­ção da res­pon­sa­bi­li­da­de cri­mi­nal do ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não com­pe­te ao nú­cleo in­ves­ti­ga­ti­vo” do qual faz par­te. Sen­do as­sim, foi des­pro­po­si­ta­da a ine­xo­rá­vel e de­li­be­ra­da pu­bli­ci­da­de ob­ti­da pe­la divulgação de sua sus­pei­ta. Se o as­sun­to não é da sua al­ça­da, te­ria fei­to me­lhor se man­ti­ves­se o ca­so nos ca­nais in­ves­ti­ga­ti­vos da cor­po­ra­ção. Co­mo Lu­la afir­ma que nun­ca sou­be de na­da, não é do­no do apar­ta­men­to do Gu­a­ru­já e na­da tem a ver com o sí­tio de Ati­baia, se ama­nhã al­guém dis­ser que ele es­ta­va no de­pó­si­to de li­vros de Dal­las na ma­nhã na ma­nhã de 22 de no­vem­bro de 1963, ha­ve­rá quem acre­di­te que, fi­nal­men­te, se des­co­briu quem ma­tou John Ken­nedy.

Con­tam-se em mui­tos mi­lha­res as pes­so­as que de­se­jam ver Lu­la pre­so. Ta­ma­nha é es­sa es­pe­ran­ça que na se­ma­na pas­sa­da, quan­do a Po­lí­cia Fe­de­ral va­gou três ce­las na car­ce­ra­gem de Cu­ri­ti­ba e ocu­pou uma com Edu­ar­do Cu­nha, mui­ta gen­te boa acre­di­tou que as ou­tras du­as es­ta­vam re­ser­va­das pa­ra Lu­la e seu es­cu­dei­ro Pau­lo Oka­mo­to. In­for­ma­dos de que o car­ro da Fe­de­ral vi­ria bus­cá-lo, pe­tis­tas já ma­dru­ga­ram na por­ta de seu edi­fí­cio. Ad­mi­ta-se que re­sol­vam pren­der Lu­la por­que, de acor­do com os do­cu­men­tos co­nhe­ci­dos, ele se­ria o “ami­go” que re­ce­beu R$ 8 mi­lhões da Ode­bre­cht. Nes­se ca­so, os tra­ba­lhos se­ri­am dois: pri­mei­ro, pren­dê-lo, em se­gui­da, sol­tá-lo. Em mar­ço, o ex-pre­si­den­te foi con­du­zi­do co­er­ci­ti­va­men­te a uma de­le­ga­cia. O ba­lan­ço do epi­só­dio foi a sua mar­ti­ri­za­ção, pa­pel em que há 40 anos ele se sen­te bem.

Re­pe­tiu-se a do­se em se­tem­bro, quan­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fez um te­a­tri­nho in­fan­til, apre­sen­tan­do-o co­mo ca­be­ça da hi­dra da rou­ba­lhei­ra. Num grá­fi­co de Power­Point, nem do por­tu­guês cui­da­ram, men­ci­o­nan­do uma “pro­pi­no­cra­cia”. Es­sa es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção foi cri­ti­ca­da pe­lo pró­prio mi­nis­tro Te­o­ri Za­vasc­ki. Na oca­sião, o re­la­tor da La­va-Ja­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral co­brou res­pei­to à “se­ri­e­da­de que se exi­ge na apu­ra­ção des­ses fa­tos”.

Não cus­ta ou­vi-lo.

Em mar­ço, o ex-pre­si­den­te

foi con­du­zi­do co­er­ci­ti­va­men­te a uma de­le­ga­cia. O ba­lan­ço do

epi­só­dio foi a sua mar­ti­ri­za­ção, pa­pel em que

há 40 anos ele se sen­te bem. Re­pe­tiu-se a do­se em se­tem­bro, quan­do o MP fez

um te­a­tri­nho in­fan­til, apre­sen­tan­do-o co­mo ca­be­ça da hi­dra da

rou­ba­lhei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.