As­sal­ta­do pe­la 2ª vez, mo­to­ris­ta diz que pe­ri­go o acom­pa­nha

Correio da Bahia - - Mais -

dis­se, aos pran­tos. Si­lei­de afir­mou, ain­da, que Fe­li­pe pas­sou um ano e se­te me­ses pre­so pe­lo mes­mo mo­ti­vo e que ga­nhou a li­ber­da­de no ano pas­sa­do.

“Ele era tu­do pa­ra mim, meu pri­mei­ro ne­to. Lu­tei tan­to pa­ra que saís­se des­sa vi­da, mas não adi­an­tou”, re­la­tou. A fa­mí­lia mo­ra na Ci­da­de No­va mas, des­de que foi sol­to, Fe­li­pe re­si­dia no Are­no­so, pró­xi­mo a uma ir­mã. Se­gun­do a avó, ele dei­xa es­po­sa e uma fi­lha de 5 me­ses.

De acor­do com a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (SSP), Fe­li­pe já acu­mu­la­va pas­sa­gens por rou­bos de veí­cu­lo, a tran­seun­tes, além de ten­tar fu­gir do HGE, quan­do en­con­tra­va-se cus­to­di­a­do. Ain­da ado­les­cen­te, tam­bém foi in­ter­na­do nu­ma Co­mu­ni­da­de de Aten­di­men­to So­ci­o­e­du­ca­ti­vo (Ca­se) por co­me­ter de­li­tos.

NÃO IDEN­TI­FI­CA­DOS

A SSP in­for­mou ain­da que bus­ca in­for­ma­ções so­bre o pas­sa­gei­ro que re­a­giu à ação. Ima­gens das câ­me­ras do ôni­bus já es­tão sen­do ana­li­sa­das pe­la po­lí­cia, que afir­ma já ter pis­tas so­bre o com­par­sa que es­ta­va no co­le­ti­vo e os que de­ram co­ber­tu­ra. Tes­te­mu­nhas pres­ta­ram de­poi­men­to ain­da on­tem.

O ca­so é in­ves­ti­ga­do pe­lo Gru­po Es­pe­ci­al de Re­pres­são a Rou­bos de Co­le­ti­vos (Ger­rc) e acom­pa­nha­do pe­lo Co­mi­tê In­te­gra­do de De­fe­sa do Trans­por­te Ro­do­viá­rio. Ao pre­sen­ci­ar dois as­sal­tos com mor­tes no ôni­bus em que tra­ba­lha, o mo­to­ris­ta Jor­ge Ba­tis­ta, 51 anos, diz que li­da di­a­ri­a­men­te com a in­se­gu­ran­ça ao tra­fe­gar pe­las ru­as de Sal­va­dor. Em ju­lho des­te ano, o ôni­bus que con­du­zia foi as­sal­ta­do por vol­ta das 6h, na Ja­quei­ra do Carneiro, na BR-324. Na oca­sião, uma pes­soa mor­reu e ou­tras cin­co ficaram fe­ri­das. On­tem, o mes­mo ôni­bus ini­ci­a­va o tra­je­to, no mes­mo ho­rá­rio, quan­do foi in­va­di­do por dois as­sal­tan­tes. Um pas­sa­gei­ro re­a­giu e ma­tou um dos sus­pei­tos. Ca­tó­li­co, pai de três fi­lhos, Jor­ge se ape­ga na fé em São Jor­ge pa­ra se­guir tra­ba­lhan­do. Eu ten­to fi­car cal­mo e não re­a­gir. Não ima­gi­na­va pas­sar por is­so pe­la se­gun­da vez, de um jei­to tão pa­re­ci­do, mas é is­so

mes­mo. Eu es­tou bem. Não. Eles sa­bem que é o que eu amo fa­zer e não me ve­jo fa­zen­do ou­tra coi­sa. Cla­ro que se pre­o­cu­pam e tu­do, mas não adi­an­ta, eu só pa­ro se for pa­ra me apo­sen­tar. Já li­guei pa­ra tran­qui­li­zar, an­tes que sou­bes­sem pe­la TV. O dia a dia é bom, gos­to do con­ta­to com as pes­so­as, do Não te­nho is­so co­mi­go, vou con­ti­nu­ar com o mes­mo ôni­bus. Não é coin­ci­dên­cia, é que ca­da pes­soa tem seu des­ti­no já tra­ça­do. Eu sou ro­do­viá­rio. Aon­de vou, o pe­ri­go me acom­pa­nha, en­tão não adi­an­ta mu­dar. O ne­gó­cio é ter fé. Vou che­gar em ca­sa e agra­de­cer a São Jor­ge, co­mo sem­pre fiz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.