Vi­a­gem às ori­gens atra­vés da mú­si­ca

Correio da Bahia - - Vida - Roberto Mi­dlej roberto.mi­dlej@re­de­bahia.com.br

Pra­ti­ca­men­te se­te anos se pas­sa­ram des­de o pri­mei­ro ál­bum da Or­kes­tra Rum­pi­lezz, cri­a­da por Le­ti­e­res Lei­te. Aque­le tra­ba­lho, que era uma es­pé­cie de “car­ta de apre­sen­ta­ção” da big band, con­quis­tou prê­mi­os im­por­tan­tes co­mo os de me­lhor gru­po instrumental do 21º Prê­mio da Mú­si­ca Bra­si­lei­ra e me­lhor CD po­pu­lar se­gun­do a re­vis­ta Bra­vo!.

“Nes­se pe­río­do, a ques­tão es­té­ti­ca e a nos­sa pro­pos­ta mu­si­cal mu­da­ram. Aque­le era o nos­so pri­mei­ro ál­bum, en­tão era meio ‘di­dá­ti­co’. No se­gun­do dis­co, as in­for­ma­ções mu­si­cais que te­nho, das ru­as de Sal­va­dor, es­sa in­for­ma­ção já tem no­vos re­cor­tes, a par­tir da mú­si­ca an­ces­tral, cri­ar am­bi­en­tes rít­mi­cos mais pes­so­ais. Mas a es­sên­cia da Rum­pi­lezz con­ti­nua sen­do a mú­si­ca da Bahia, que con­ti­nua me in­te­res­san­do mui­to”, afir­ma Le­ti­e­res, que as­si­na as oi­to com­po­si­ções do ál­bum A Sa­ga da Tra­ves­sia.

TRILOGIA

O tí­tu­lo, que é tam­bém o no­me da pri­mei­ra fai­xa, faz re­fe­rên­cia à trans­fe­rên­cia dos ne­gros da Áfri­ca pa­ra o Bra­sil du­ran­te a es­cra­vi­dão. “As pes­so­as não po­dem es­que­cer aqui­lo e foi por is­so que com­pus es­sa mú­si­ca, que é uma trilogia. Ima­gi­nei co­mo foi a vi­a­gem dos ne­gros e me ins­pi­rei nis­so pa­ra com­por”, ex­pli­ca Le­ti­e­res. A trilogia a que ele se re­fe­re é um épi­co de mais de 20 mi­nu­tos.

Mas Le­ti­e­res faz um aler­ta: “Es­sa tra­ves­sia não mos­tra só o la­do ne­ga­ti­vo, que é o so­fri­men­to pe­lo qual os ne­gros pas­sa­ram. A tra­ves­sia é tam­bém uma re­cons­tru­ção, um re­nas­ci­men­to, afi­nal os ne­gros cons­truí­ram aqui uma cul­tu­ra mui­to só­li­da. Ste­vie Won­der, Mi­les Da­vis, Gil­ber­to Gil, Pi­xin­gui­nha... To­dos são he­ran­ça des­sa tra­di­ção afri­ca­na”.

O ex-mi­nis­tro da Cul­tu­ra ga­nha uma ho­me­na­gem em uma das fai­xas, Pro­fes­sor Lu­mi­no­so. “Um fa­tor que me mo­ti­vou a com­por es­sa mú­si­ca pa­ra ele foi a tur­nê em que a Rum­pi­lezz o acom­pa­nhou. Fi­ze­mos qua­tro con­cer­tos com ele, em São Pau­lo, no Sesc Pom­peia, mas, in­fe­liz­men­te, não es­ti­ve­mos em Sal­va­dor”, la­men­ta Le­ti­e­res.

Em re­la­ção ao tí­tu­lo de ma­es­tro, que cos­tu­mam lhe atri­buir, Le­ti­e­res pon­de­ra: “Não me sin­to ma­es­tro. Co­me­ço as com­po­si­ções de­fi­nin­do o que ca­da per­cus­si­o­nis­ta vai to­car, mas fa­ço ques­tão que o mú­si­co to­que den­tro de sua pró­pria ma­nei­ra de as­si­mi­lar. Fa­ço uma cer­ta re­gên­cia, mas não in­ter­fi­ro da ma­nei­ra tra­di­ci­o­nal”.

Di­re­ção Ge­ral

Gravadora Sesc

Pre­ço R$ 20

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.