Quem não ga­nha fo­ra de ca­sa...

Correio da Bahia - - Esporte -

Pres­te bem aten­ção, tor­ce­dor tri­co­lor. Quem quer su­bir pa­ra Sé­rie A ven­ce fo­ra de ca­sa. Não é lou­cu­ra da mi­nha ca­be­ça, mas sim ma­te­má­ti­ca. Deu tra­ba­lho, mas, de­vi­do à atu­al si­tu­a­ção do Bahia na Sé­rie B, fui bus­car al­guns nú­me­ros in­te­res­san­tes pa­ra com­pro­var a te­se. E o re­sul­ta­do é cru­el... Des­de que o cam­pe­o­na­to pas­sou a ser dis­pu­ta­do por 20 clu­bes e na fór­mu­la de pon­tos cor­ri­dos, na tem­po­ra­da 2006, a mé­dia de um clu­be co­mo vi­si­tan­te que con­se­guiu o aces­so é de se­te vi­tó­ri­as.

O que is­so sig­ni­fi­ca? O ti­me do téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra, mes­mo ven­cen­do os três jo­gos res­tan­tes lon­ge de Sal­va­dor, não al­can­ça­rá es­sa me­ta. É de­ses­pe­ra­dor, mas, ao mes­mo tem­po, ser­ve de aler­ta. Ca­da cam­pe­o­na­to tem a sua par­ti­cu­la­ri­da­de e, por is­so, a tor­ci­da ain­da po­de ter es­pe­ran­ça. Num ce­ná­rio oti­mis­ta, com três triun­fos na Fon­te No­va, o Bahia che­ga­ria a 59 pon­tos na ta­be­la. Com es­sa pon­tu­a­ção, se­gun­do os ma­te­má­ti­cos da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG), es­pe­ci­a­lis­tas em ana­li­sar os nú­me­ros no fu­te­bol, um ti­me tem ape­nas 17% de chan­ces de su­bir.

Com 63 pon­tos, uma equi­pe pas­sa a ter 95%. Com 64, so­be pa­ra 99%. E por aí vai. O mais in­te­res­san­te ho­je é mos­trar aos jo­ga­do­res que, pa­ra co­me­mo­rar ao fim das 38 ro­da­das, o Bahia pre­ci­sa mu­dar a pos­tu­ra den­tro de cam­po quan­do atua fo­ra de ca­sa. É inad­mis­sí­vel ver uma per­for­man­ce tão di­fe­ren­te quan­do o man­do de cam­po se in­ver­te. A mar­ca­ção pres­são é tro­ca­da pe­la cau­te­la, en­quan­to a ve­lo­ci­da­de e agres­si­vi­da­de com a pos­se de bo­la se trans­for­mam nu­ma apa­tia ge­ral, ali­a­da a to­ques pa­ra o la­do, sem ob­je­ti­vi­da­de.

O elen­co é mui­to li­mi­ta­do e is­so fi­cou mais evi­den­te no em­pa­te por 1x1 com o Oes­te, ro­da­da pas­sa­da, na Are­na Ba­ru­e­ri. De­ses­pe­ra­do na bus­ca pe­los três pon­tos, o Bahia te­ve as en­tra­das de no­mes co­mo Re­nê Jú­ni­or e Mi­sa­el no se­gun­do tem­po com o ob­je­ti­vo de mu­dar a his­tó­ria do jo­go. Com to­do res­pei­to aos pro­fis­si­o­nais, não dá, né? Ne­nhum dos dois é ca­paz de de­ci­dir uma par­ti­da e é jus­ta­men­te is­so que fal­ta ao tri­co­lor nos con­fron­tos dis­pu­ta­dos em cam­pos ri­vais. Nin­guém cha­ma a res­pon­sa­bi­li­da­de.

Ne­nhum de­les é ca­paz de en­ten­der o que é o Bahia na sua es­sên­cia. Os tor­ce­do­res, aci­ma de tu­do, que­rem ver um ti­me aguer­ri­do, que te­nha ga­na e von­ta­de de su­bir, as­sim co­mo acon­te­ceu em 2010. Na­que­le ano, a sin­to­nia era per­fei­ta. A ba­se se fa­zia pre­sen­te com no­mes co­mo Ávi­ne e Ana­ni­as, que pas­sa­vam aos ou­tros o re­al sen­ti­do de ves­tir a ca­mi­sa do Es­qua­drão. Mo­rais, Ro­dri­go Grahl, Ja­el e Adri­a­no Mi­cha­el Jack­son en­ten­de­ram o re­ca­do na épo­ca. Fo­ram de­ci­si­vos, ver­da­dei­ros lí­de­res e con­se­gui­ram no­ve triun­fos fo­ra de ca­sa.

Res­tam seis ro­da­das pa­ra o clu­be de­ci­dir o que re­al­men­te quer da vi­da. Vol­tar a ser grande um dia ou se con­ten­tar pa­ra sem­pre em cair pa­ra Sé­rie B, per­ma­ne­cer e tra­tar os jo­gos co­mo se fos­sem “ba­ta­lhas”. Ce­a­rá, Sampaio Corrêa e Bra­gan­ti­no na Fon­te No­va. Vi­la No­va, Lu­ver­den­se e Atlé­ti­co-GO fo­ra de ca­sa. Ne­nhum des­ses seis ti­mes tem a his­tó­ria, tor­ci­da ou ca­mi­sa do Bahia. Se o tri­co­lor não é ca­paz de fa­zer a pon­tu­a­ção ne­ces­sá­ria com es­sa sequên­cia, re­al­men­te me­re­ce se­guir nes­sa la­ma.

Os tor­ce­do­res, aci­ma de tu­do, que­rem ver um ti­me

aguer­ri­do, que te­nha ga­na e von­ta­de de su­bir, as­sim co­mo acon­te­ceu em 2010. Na­que­le ano,

a sin­to­nia era per­fei­ta

PER­DI­DOS

No ano pas­sa­do, a fi­lo­so­fia do Bahia era de apro­vei­tar as ca­te­go­ri­as de ba­se. Jo­ga­do­res co­mo Gus­ta­vo Blan­co, Yu­ri, Zé Roberto e Rô­mu­lo apa­re­ci­am com frequên­cia no ti­me. Fal­ta equi­lí­brio no mo­do co­mo a di­re­to­ria, co­man­da­da por Mar­ce­lo Sant’Ana e Pe­dro Hen­ri­ques, pen­sa o fu­te­bol. Bas­tou o ti­me fra­cas­sar pa­ra to­dos os ga­ro­tos re­ve­la­dos no Fa­zen­dão se­rem dei­xa­dos de la­do. Ho­je, es­po­ra­di­ca­men­te, Fei­jão con­se­gue um es­pa­ço na equi­pe prin­ci­pal. Is­so não é pla­ne­ja­men­to.

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.