Co­man­do Ver­me­lho na bri­ga com o PCC

Correio da Bahia - - Esporte - Bru­no Wen­del bru­no.car­do­so@re­de­bahia.com.br

A pre­sen­ça da se­gun­da mai­or or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa do país já é uma re­a­li­da­de na Bahia. A fac­ção ca­ri­o­ca Co­man­do Ver­me­lho (CV) vem apos­tan­do no for­ne­ci­men­to de ar­mas e dro­gas no mer­ca­do bai­a­no, até en­tão do­mi­na­do pe­la mai­or fac­ção do país, o Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal (PCC), de ori­gem pau­lis­ta. E a re­gião Sul do es­ta­do é a por­ta de en­tra­da pa­ra a qua­dri­lha ca­ri­o­ca.

“His­to­ri­ca­men­te, exis­te sem­pre uma ten­ta­ti­va de en­tra­da do CV, mas ain­da não há uma con­so­li­da­ção, por­que não há se­gui­do­res, di­fe­ren­te do PPC, que é mais or­ga­ni­za­do”, de­cla­rou o pro­mo­tor Lu­ci­a­no Ta­ques Ghig­no­ne, co­or­de­na­dor do Gru­po de Atu­a­ção Es­pe­ci­al de Com­ba­te às Or­ga­ni­za­ções Cri­mi­no­sas (Ga­e­co) do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP-BA).

O fim do acor­do de paz en­tre CV e PCC, re­fle­ti­do na mor­te de 22 pes­so­as em pre­sí­di­os pe­lo país na se­ma­na pas­sa­da (ver ao la­do), li­gou o aler­ta na po­lí­cia bai­a­na, que mo­ni­to­ra os gru­pos. Se­gun­do o pro­mo­tor, que diz acom­pa­nhar a si­tu­a­ção com cau­te­la, “o monitoramento es­pe­cí­fi­co é re­a­li­za­do den­tro das uni­da­des pri­si­o­nais pe­la Se­cre­ta­ria da Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria (Se­ap) e, fo­ra de­las, pe­la Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca atra­vés da Su­pe­rin­ten­dên­cia de In­te­li­gên­cia (SI)”.

“Quan­do a Se­ap per­ce­be den­tro dos pre­sí­di­os um cli­ma di­fe­ren­te, co­me­ça a sur­gir al­gu­ma li­de­ran­ça, pa­ra­le­lo a is­so, a SSP de­tec­ta o au­men­to de ho­mi­cí­di­os nu­ma de­ter­mi­na­da área, es­sas in­for­ma­ções são pas­sa­das ao MP-BA e a gen­te bus­ca trans­fe­rên­ci­as de de­ten­tos”, de­ta­lhou o pro­mo­tor.

O di­re­tor do De­par­ta­men­to de Re­pres­são e Com­ba­te ao Cri­me Or­ga­ni­za­do (Dra­co), de­le­ga­do Jor­ge Fi­guei­re­do, afir­ma que a Bahia nun­ca foi mar­ca­da pe­la ri­va­li­da­de en­tre CV e PCC, mas con­fir­ma que a po­lí­cia tem acom­pa­nha­do a mo­vi­men­ta­ção dos gru­pos. “Aqui, ve­ri­fi­ca­mos a pre­sen­ça do PCC ape­nas co­mo dis­tri­bui­dor (de dro­gas e ar­mas), in­de­pen­den­te de qual se­ja o in­te­res­sa­do. Os gru­pos lo­cais têm mais for­ça, fir­man­do o PCC ape­nas co­mo ali­a­do no que se re­fe­re a for­ne­ci­men­to”, dis­se o di­re­tor do Dra­co, ao ga­ran­tir tam­bém que “a re­pres­são vem sen­do re­a­li­za­da de for­ma qua­li­fi­ca­da, atra­vés de aná­li­se cri­mi­nal e da­dos de in­te­li­gên­cia”.

PCC é o prin­ci­pal for­ne­ce­dor de fac­ções bai­a­nas. CV bus­ca es­pa­ço

HE­GE­MO­NIA EM XEQUE

O po­de­rio fi­nan­cei­ro do CV re­ver­be­ra na sua ex­pan­são ge­o­grá­fi­ca. À me­di­da que as re­cei­tas da fac­ção cres­cem, ex­pan­dem-se tam­bém seus li­mi­tes ter­ri­to­ri­ais. Além do con­tro­le de par­te das fa­ve­las ca­ri­o­cas, o CV es­tá pre­sen­te em se­te es­ta­dos – em to­dos di­vi­de com o PPC o con­tro­le do trá­fi­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.