Mer­ca­do de TI dri­blan­do a cri­se

Correio da Bahia - - Mais -

Em meio à re­ces­são bra­si­lei­ra, a área de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção é uma das pou­cas com al­gum nú­me­ro pa­ra co­me­mo­rar. Se­gun­do da­dos le­van­ta­dos pe­la Associação Bra­si­lei­ra de Em­pre­sas de Softwa­res (Abes), em con­jun­to com a con­sul­to­ria In­ter­na­ti­o­nal Da­ta Cor­po­ra­ti­on (IDC), os in­ves­ti­men­tos em hard­ware, soft­ware e ser­vi­ços de TI de­vem cres­cer em 2016 cer­ca de 3% no país, nú­me­ro aci­ma da ex­pec­ta­ti­va mun­di­al pa­ra o ra­mo, que é de 2,4%. Nes­sa mes­ma li­nha, o es­tu­do apon­ta que dos 133 bi­lhões de dó­la­res pro­je­ta­dos pa­ra apli­ca­ção no se­tor de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção na Amé­ri­ca La­ti­na, o Bra­sil ocu­pa o pri­mei­ro lu­gar de des­ti­no pa­ra es­ses re­cur­sos. Apro­xi­ma­da­men­te 45% des­se di­nhei­ro, al­go em tor­no de 59,9 bi­lhões de dó­la­res, de­vem ser gas­tos aqui até o fi­nal des­te ano. O se­gun­do lu­gar que mais re­ce­be in­ves­ti­men­tos é o Mé­xi­co, com 20%, se­gui­do pe­la Colôm­bia, com 8% dos re­cur­sos. A mai­or par­te do di­nhei­ro vai pa­ra in­fra­es­tru­tu­ra de te­le­fo­nia ce­lu­lar.

E O PRO­FIS­SI­O­NAL DE TI?

Tan­to quem ain­da vai en­trar no mer­ca­do de tra­ba­lho co­mo quem já es­tá atu­an­do pro­fis­si­o­nal­men­te na cha­ma­da Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção e Te­le­co­mu­ni­ca­ções – TIC – pre­ci­sa es­tar em cons­tan­te de­sen­vol­vi­men­to. Uma ma­nei­ra de fa­zer is­so é usan­do a pró­pria tec­no­lo­gia com cur­sos on-li­ne. Pau­lo Sil­vei­ra, só­cio-fun­da­dor e di­re­tor de pro­du­tos da Alu­ra, pla­ta­for­ma de cur­sos des­se ti­po es­pe­cí­fi­cos pa­ra a área, des­ta­ca que, pa­ra apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des des­se que é um dos pou­cos mer­ca­dos em cres­ci­men­to no Bra­sil, além de ca­pa­ci­ta­ção, o fo­co é mui­to im­por­tan­te, ali­a­do a uma boa do­se de in­qui­e­ta­ção pa­ra pes­qui­sar de for­ma autô­no­ma so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas téc­ni­cos que apa­re­cem to­dos os di­as. Is­so por­que, mes­mo com to­do o apro­fun­da­men­to e co­nhe­ci­men­to das no­vas tec­no­lo­gi­as, um pon­to de­ci­si­vo pa­ra que o pro­fis­si­o­nal te­nha su­ces­so é en­ten­der a em­pre­sa em que tra­ba­lha e o mer­ca­do no qual ele atua, pa­ra po­der cri­ar pro­pos­tas que tra­gam ga­nhos nos pro­ces­sos e, cla­ro, lu­cros pa­ra a em­pre­sa.

Os in­ves­ti­men­tos em hard­ware, soft­ware e ser­vi­ços de TI de­vem cres­cer em 2016 cer­ca de 3% no país, nú­me­ro aci­ma

da ex­pec­ta­ti­va mun­di­al

APROXIMAÇÃO DO BEM

A tec­no­lo­gia NFC – Ne­ar Fi­eld Con­nec­ti­on – per­mi­te que um dis­po­si­ti­vo re­ce­ba uma iden­ti­fi­ca­ção úni­ca, al­go co­mo uma im­pres­são di­gi­tal ele­trô­ni­ca, que po­de ser li­da por ou­tro ape­nas com a aproximação dos dois apa­re­lhos. Ela já vem sen­do usa­da pe­la Ap­ple no seu sis­te­ma de pa­ga­men­to ele­trô­ni­co, o Ap­ple Pay, e no úl­ti­mo lan­ça­men­to – o iPho­ne 7, tam­bém pa­ra o Fe­liCa, sis­te­ma de pa­ga­men­to am­pla­men­te usa­do no Ja­pão. Mas ou­tros fa­bri­can­tes já dis­po­ni­bi­li­zam a tec­no­lo­gia de for­ma mais ge­ne­ra­li­za­da que a cau­te­lo­sa Ap­ple. Apa­re­lhos das li­nhas mais no­vas da LG e Sam­sung, por exem­plo, tra­zem a NFC em­bar­ca­da e li­be­ra­da pa­ra qu­al­quer de­sen­vol­ve­dor cri­ar no­vas for­mas de uso. É o ca­so da ame­ri­ca­na HID, es­pe­ci­a­li­za­da em sis­te­mas de iden­ti­fi­ca­ção ele­trô­ni­ca que, pa­ra pro­var que a se­gu­ran­ça to­tal é pos­sí­vel fo­ra da Ap­ple, lan­çou uma cam­pa­nha na qual vi­a­jan­tes usuá­ri­os de te­le­fo­nes com sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal An­droid, e com a tec­no­lo­gia de iden­ti­fi­ca­ção ele­trô­ni­ca por aproximação, po­dem aju­dar ins­ti­tui­ções de ca­ri­da­de. Ini­ci­al­men­te dois lu­ga­res, a Ilha de Pás­coa, no Chi­le, e a ci­da­de de No­va York, nos Es­ta­dos Uni­dos, re­ce­be­ram pon­tos de iden­ti­fi­ca­ção on­de, ao apro­xi­mar o te­le­fo­ne, um dó­lar é do­a­do a cau­sas so­ci­ais lo­cais. A em­pre­sa ga­ran­te que o sen­sor é im­pos­sí­vel de ser clo­na­do ou des­truí­do e pro­me­te es­pa­lhar ou­tros por vá­ri­os lu­ga­res do mun­do em bre­ve. Se vo­cê vai pa­ra al­gum des­ses lu­ga­res e tem um te­le­fo­ne com An­droid com a tec­no­lo­gia NFC va­le a pe­na aju­dar. Ca­da apa­re­lho só po­de fa­zer a do­a­ção uma vez e ela é fei­ta pe­la em­pre­sa ame­ri­ca­na sem cus­to al­gum pa­ra o usuá­rio. Um ví­deo ex­pli­can­do co­mo tu­do acon­te­ce es­tá no en­de­re­ço hid­glo­bal.com/ta­pa­roundtheworld.

hu­go.bri­to@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.