Re­for­ma da Previdência se­rá en­vi­a­da após ‘am­plo diá­lo­go’

Correio da Bahia - - Mais -

os mi­nis­tros Di­as Tof­fo­li, Te­o­ri Za­vasc­ki, Ed­son Fa­chin, Luiz Fux, Gil­mar Men­des, Cel­so de Mel­lo e a pre­si­den­te da Cor­te, Cár­men Lú­cia. Vo­ta­ram a fa­vor Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Ro­sa We­ber e Ri­car­do Lewan­dows­ki. “Não me pa­re­ce que a per­mis­são da ma­jo­ra­ção de be­ne­fí­cio no ca­so da de­sa­po­sen­ta­ção es­te­ja em li­nha com os prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais e mui­to me­nos con­di­zen­te com a re­a­li­da­de econô­mi­ca que nos im­põe”, dis­se Gil­mar Men­des.

POU­PAN­ÇA

Na ava­li­a­ção de Fux, a de­sa­po­sen­ta­ção cria uma es­pé­cie de “pré-apo­sen­ta­do­ria”, que fun­ci­o­na­ria co­mo uma pou­pan­ça, le­van­do a um des­vir­tu­a­men­to do sis­te­ma de apo­sen­ta­do­ria pro­por­ci­o­nal.

“Ad­mi­tir a de­sa­po­sen­ta­ção sig­ni­fi­ca, na ver­da­de, ad­mi­tir uma apo­sen­ta­do­ria em du­as eta­pas. Se­ria ao fim e ao ca­bo a Previdência So­ci­al fi­nan­ci­an­do a pró­pria ma­jo­ra­ção dos pro­ven­tos, com evi­den­te da­no ao equi­lí­brio fi­nan­cei­ro do re­gi­me da Previdência So­ci­al”, dis­se o mi­nis­tro Fux.

Já pa­ra Lewan­dows­ki, o se­gu­ra­do tem o di­rei­to de re­nun­ci­ar ao be­ne­fí­cio da apo­sen­ta­do­ria pa­ra ob­ter uma no­va apo­sen­ta­do­ria com a con­ta­gem de tem­po que ser­viu de ba­se pa­ra o pri­mei­ro be­ne­fí­cio, mais o tem­po pos­te­ri­or.

“É o pró­prio be­ne­fi­ci­a­do que quer abrir mão do be­ne­fí­cio pa­ra ter um in­cre­men­to no va­lor que re­ce­be, pa­ra ter con­di­ções mais dig­nas”, fri­sou Lewan­dows­ki. A Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Apo­sen­ta­dos e Pen­si­o­nis­tas (Co­bap) che­gou a pe­dir o adi­a­men­to do jul­ga­men­to, o que foi ne­ga­do pe­la mi­nis­tra Cár­men Lú­cia.

TRÂMITES

Ini­ci­a­do em 2010, o jul­ga­men­to foi in­ter­rom­pi­do em ou­tu­bro de 2014 de­pois do pe­di­do de vis­ta da mi­nis­tra Ro­sa We­ber. Após a de­ci­são dos mi­nis­tros, o por­ta-voz da Pre­si­dên­cia, Ale­xan­dre Pa­ro­la, afir­mou que a de­ci­são do STF pe­la re­jei­ção da de­sa­po­sen­ta­ção foi fa­vo­rá­vel ao go­ver­no.

“O im­pac­to or­ça­men­tá­rio, po­si­ti­vo, da de­ci­são to­ma­da pe­lo STF, es­tá sen­do to­ma­do pe­las uni­da­des téc­ni­cas com­pe­ten­tes do go­ver­no fe­de­ral. O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer res­sal­ta, con­tu­do, que foi fa­vo­rá­vel ao go­ver­no”, afir­mou. De­pen­de do es­ta­do do pro­ces­so. Se ele já ter­mi­nou, que não ca­be mais re­cur­so, foi ar­qui­va­do e o INSS per­deu, e o apo­sen­ta­do vai con­ti­nu­ar ten­do aque­le ga­nho. Mas se o pro­ces­so ain­da es­ti­ver em cur­so e sem es­tar ter­mi­na­do, ele se­rá afe­ta­do pe­lo jul­ga­men­to do Su­pre­mo. Ca­so o apo­sen­ta­do es­ti­ves­se re­ce­ben­do com o pro­ces­so ain­da em cur­so, a de­vo­lu­ção ou não do va­lor só vai ser de­ci­di­da após a fi­xa­ção da te­se pe­lo STF. Não mu­da na­da. Por exem­plo, se um apo­sen­ta­do vol­ta a tra­ba­lhar, aque­le FGTS que é re­co­lhi­do, es­te mes­mo apo­sen­ta­do po­de sa­cá-lo men­sal­men­te, in­de­pen­den­te de acon­te­cer uma de­mis­são, por exem­plo. Não mu­da na­da. A de­ci­são do STF é fo­ca­da em quem já es­ta­va apo­sen­ta­do e re­cor­reu à de­sa­po­sen­ta­ção na Jus­ti­ça. Além da de­sa­po­sen­ta­ção, ou­tro te­ma re­la­ci­o­na­do à apo­sen­ta­do­ria es­tá em dis­cus­são pe­lo go­ver­no: a re­for­ma da Previdência. On­tem, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer dis­se,se­gun­do o por­ta-voz da Pre­si­dên­cia, Ale­xan­dre Pa­ro­la, que ain­da vai con­ver­sar com re­pre­sen­tan­tes dos tra­ba­lha­do­res, de em­pre­sá­ri­os e com ou­tros mem­bros da so­ci­e­da­de ci­vil an­tes de en­vi­ar o pro­je­to da re­for­ma da Previdência ao Con­gres­so Na­ci­o­nal.

A pro­pos­ta es­tá sen­do ela­bo­ra­da pe­lo go­ver­no fe­de­ral há al­guns me­ses, mas a ver­são atu­a­li­za­da ain­da não foi apre­sen­ta­da às cen­trais sin­di­cais. Em en­tre­vis­ta co­le­ti­va, Pa­ro­la afir­mou que “o pre­si­den­te pre­ten­de, opor­tu­na­men­te, apro­fun­dar um diá­lo­go am­plo com tra­ba­lha­do­res, em­pre­sá­ri­os, cen­trais sin­di­cais, so­ci­e­da­de ci­vil, bem co­mo com as li­de­ran­ças po­lí­ti­cas, em tor­no da re­for­ma da Previdência e de sua ne­ces­si­da­de in­dis­pen­sá­vel”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.