Uma fes­ta sem his­tó­ria

Correio da Bahia - - Mais - Nel­son Ca­de­na

Em tem­pos re­mo­tos, nes­ta épo­ca do ano, de­vo­ta­dos mes­tres e ma­ri­nhei­ros dos sa­vei­ros bai­a­nos cos­tu­ra­vam ve­las, re­to­ca­vam com tin­ta o cas­co e o mas­tro, in­tro­du­zi­am pe­da­ços de es­to­fa nos bu­ra­cos, ou fen­das da em­bar­ca­ção, pre­pa­ra­vam com es­me­ro os bar­cos pa­ra a gran­de pro­cis­são ma­rí­ti­ma de 1° de no­vem­bro, e da qual não há me­mó­ria es­cri­ta, ne­nhu­ma re­fe­rên­cia na li­te­ra­tu­ra. Sa­be­mos de sua exis­tên­cia em fun­ção de do­cu­men­tos que en­con­tra­mos no Arquivo Pú­bli­co da Bahia, ofí­ci­os en­de­re­ça­dos às au­to­ri­da­des co­mo era a pra­xe en­tre os or­ga­ni­za­do­res de fes­te­jos pú­bli­cos.

A fes­ta dos sa­vei­ris­tas foi re­a­li­za­da pe­la pri­mei­ra vez em 1850, e o mo­ti­vo não foi co­mo vo­cê de­ve ter ima­gi­na­do em ho­me­na­gem à des­co­ber­ta da Baia de To­dos os San­tos, por Amé­ri­co Ves­pú­cio, em­bo­ra ava­li­e­mos uma re­la­ção sim­bó­li­ca no sen­ti­do de re­tri­buir à bên­ção dos san­tos da ter­ra. Nas­ceu pa­ra ce­le­brar a as­si­na­tu­ra da Lei Eu­sé­bio de Qu­ei­roz, pro­mul­ga­da em 4 de se­tem­bro da­que­le ano e que co­lo­cou um pon­to fi­nal no trá­fi­co de es­cra­vos, es­pe­ci­fi­ca­men­te no trans­por­te de ca­ti­vos da Áfri­ca pa­ra o ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro. Nos ofí­ci­os en­de­re­ça­dos às au­to­ri­da­des, os sa­vei­ris­tas sem­pre evo­ca­vam o “ani­ver­sá­rio de sua eman­ci­pa­ção do trá­fi­co li­vre do por­to”.

Era um even­to or­ga­ni­za­do por mes­tres e ma­ri­nhei­ros de sa­vei­ros e bar­cos de pro­pri­e­da­de de ho­mens nas­ci­dos no Bra­sil. Nos ofí­ci­os en­de­re­ça­dos às au­to­ri­da­des fa­zi­am ques­tão de exal­tar es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca da na­ci­o­na­li­da­de. Na­que­le tem­po, o mer­ca­do ma­rí­ti­mo era de­no­mi­na­do pe­los es­tran­gei­ros, in­gle­ses e por­tu­gue­ses, e es­ses úl­ti­mos pri­vi­le­gi­a­vam a mão de obra afri­ca­na. Al­guns afri­ca­nos tor­na­ram-se pro­pri­e­tá­ri­os das em­bar­ca­ções. A lu­ta por um es­pa­ço so­ci­al en­tre os ne­gros e mu­la­tos bai­a­nos e os ne­gros afri­ca­nos ti­nha no seg­men­to ma­rí­ti­mo um cam­po pa­ra con­tí­nu­as ten­sões. Es­se pon­to das ten­sões en­tre bai­a­nos li­ber­tos e afri­ca­nos in­fe­liz­men­te não tem si­do abor­da­do pe­la his­to­ri­o­gra­fia bai­a­na, há um cer­to re­ceio de en­fren­tar a ques­tão ra­ci­al, evi­den­te en­tre os ne­gros de lá e os ne­gros de cá. Ur­ge abor­dar es­te te­ma por mais es­pi­nho­so que pa­re­ça pa­ra uma me­lhor com­pre­en­são da sociedade bai­a­na no sé­cu­lo XIX. Uma das rei­vin­di­ca­ções dos na­ci­o­na­lis­tas jun­to aos po­lí­ti­cos era jus­ta­men­te a de que­brar o mo­no­pó­lio de mão de obra afri­ca­na nas em­bar­ca­ções. Bai­a­nos e afri­ca­nos não se re­la­ci­o­na­vam, tam­bém, em al­gu­mas ir­man­da­des das igre­jas, ir­man­da­des ex­clu­si­vas de mu­la­tos não acei­ta­vam ne­gros.

Re­to­man­do o fio da fes­ta dos sa­vei­ris­tas, sa­be­mos que os fes­te­jos se pro­lon­ga­vam por três di­as. No 1° de no­vem­bro ocor­ria a pro­cis­são ma­rí­ti­ma, no se­gun­do e no ter­cei­ro, a fes­ta ocor­ria em ter­ra, no es­pa­ço do Cais, on­de era mon­ta­do um co­re­to ou pa­lan­que pa­ra apre­sen­ta­ção das ban­das mi­li­ta­res e ou­tras atra­ções. Era um fes­te­jo com as for­ma­li­da­des de ou­tras fes­tas po­pu­la­res, in­clu­si­ve a exi­bi­ção no co­re­to de um re­tra­to do im­pe­ra­dor D. Pe­dro II, co­mo ocor­ria na fes­ta cí­vi­ca de 2 de ju­lho, em Sal­va­dor, 7 de ja­nei­ro em Ita­pa­ri­ca e 25 de ju­nho em Ca­cho­ei­ra. Quan­do aca­bou e por que aca­bou o even­to de 1° de no­vem­bro? Uma das hi­pó­te­ses a con­si­de­rar é a re­for­ma e am­pli­a­ção do Por­to de Sal­va­dor, com a cons­tru­ção de dois que­bra-ma­res, que du­rou mui­tos anos e de al­gu­ma ma­nei­ra in­ter­fe­riu no es­pa­ço da fes­ta, trans­for­ma­do-o em can­tei­ro de obras. Ou­tra hi­pó­te­se é que te­nha dei­xa­do de exis­tir após a as­si­na­tu­ra da Lei Áu­rea em 1888. Ila­ções ape­nas, en­quan­to não sur­gi­rem no­vas evi­dên­ci­as.

Sa­be­mos de sua exis­tên­cia em fun­ção de do­cu­men­tos

que en­con­tra­mos no Arquivo Pú­bli­co da Bahia, ofí­ci­os en­de­re­ça­dos às au­to­ri­da­des co­mo era a

pra­xe en­tre os or­ga­ni­za­do­res de fes­te­jos

pú­bli­cos. A fes­ta dos sa­vei­ris­tas foi re­a­li­za­da pe­la pri­mei­ra vez em 1850, e o

mo­ti­vo não foi em ho­me­na­gem à des­co­ber­ta da Baía de To­dos os San­tos

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.