Es­se me­do im­pe­de de mui­tas pes­so­as pas­sa­rem em exa­mes prá­ti­cos do De­tran, quais as me­di­das que po­dem ser to­ma­das pa­ra se tran­qui­li­zar nes­se mo­men­to?

Correio da Bahia - - Mais -

Os tes­tes no De­tran fo­ram por mui­to tem­po vis­tos co­mo al­go ater­ro­ri­zan­te. Vá­ri­as len­das ur­ba­nas fo­ram ge­ra­das em ci­ma de fan­ta­sia da di­fi­cul­da­de de apro­va­ção nes­tes tes­tes, mui­to em­bo­ra, quem pos­sui ha­bi­li­da­de, ou mes­mo quem fez a au­to­es­co­la e sa­be o que apren­deu nas aulas e ins­tru­ções, di­fi­cil­men­te é re­pro­va­do nes­ta ava­li­a­ção. O que é ob­ser­va­do é o básico pa­ra que o con­du­tor pos­sa pra­ti­car a di­re­ção de for­ma de­fen­si­va ao se de­pa­rar com a si­tu­a­ção de rua. En­tre­tan­to, o me­do po­de ser pa­ra­li­san­te pa­ra mui­tos con­du­to­res. Nes­te ca­so, o ide­al é que o con­du­tor se sin­ta pre­pa­ra­do pa­ra a si­tu­a­ção de rua. Se o fi­zer co­mo apren­deu, não há mo­ti­vo pa­ra re­pro­va­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.