Re­cor­dar é vi­ver

Correio da Bahia - - Mais -

Por fal­ta de as­sun­to, de can­di­da­tos e de pa­ci­ên­cia com os po­lí­ti­cos, aqui e ali pi­po­ca uma es­pe­cu­la­ção em dois tem­pos: O Ju­di­ciá­rio cas­sa a cha­pa Dil­ma-Te­mer, va­gan­do a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Is­so acon­te­ce de­pois de 1º de ja­nei­ro, e o no­vo pre­si­den­te de­ve­rá ser elei­to pe­los par­la­men­ta­res que es­ti­ve­rem em li­ber­da­de. Ele go­ver­na­rá até 1º de ja­nei­ro de 2019. A can­di­da­tu­ra ro­la pa­ra a ca­dei­ra da pre­si­dên­cia do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, e, as­sim, a mi­nis­tra Cár­men Lú­cia as­su­me.

Re­pe­tir-se-ia, par­ci­al­men­te, o mo­de­lo de 1945, quan­do o pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Jo­sé Li­nha­res, foi co­lo­ca­do no Pa­lá­cio do Ca­te­te. Ele as­su­miu num mo­men­to de anar­quia mi­li­tar e, ao ser con­vo­ca­do, per­gun­tou on­de es­ta­va Aga­me­non Magalhães, seu pa­dri­nho e res­pon­sá­vel pe­la sua ida pa­ra o Tri­bu­nal. Pre­so, in­for­ma­ram. Sol­tem-no, pois do con­trá­rio não as­su­mo.

Li­nha­res ga­nhou o ape­li­do de Jo­sé Mi­lha­res, pe­la quan­ti­da­de de pa­ren­tes que em­pre­gou. Ele go­ver­nou de ou­tu­bro de 1945 a 31 de ja­nei­ro de 1946.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.