A re­mu­ne­ra­ção do atle­ta

Correio da Bahia - - Front Page -

O te­ma da re­mu­ne­ra­ção do atle­ta sem­pre des­per­tou in­te­res­se, se­ja no meio des­por­ti­vo, en­vol­ven­do clu­bes, atle­tas e ope­ra­do­res do di­rei­to des­por­ti­vo, se­ja en­tre os me­ros ad­mi­ra­do­res do es­por­te. As ci­fras de trans­fe­rên­ci­as e sa­lá­ri­os de atle­tas de fu­te­bol são fre­quen­te­men­te di­vul­ga­das e ob­je­to de gran­de aten­ção do público, es­pe­ci­al­men­te quan­do com­pa­ra­das com os sa­lá­ri­os pa­gos às de­mais ca­te­go­ri­as de tra­ba­lha­do­res.

Os prin­ci­pais con­cei­tos en­vol­vi­dos no te­ma são: sa­lá­rio, di­rei­to de are­na e di­rei­to de ima­gem.

O sa­lá­rio é a con­tra­pres­ta­ção de­vi­da pe­lo em­pre­ga­dor (clu­be) pe­lo ser­vi­ço pres­ta­do pe­lo em­pre­ga­do (atle­ta). Além do va­lor men­sal fi­xo pre­vis­to em con­tra­to, o sa­lá­rio in­clui ou­tras ver­bas. Uma de­las, mui­to es­pe­cí­fi­ca, é o cha­ma­do “bi­cho”. Tra­ta-se do va­lor pa­go ao atle­ta em ra­zão de de­ter­mi­na­do re­sul­ta­do des­por­ti­vo. É uma es­pé­cie de “sa­lá­rio-con­di­ção” – o em­pre­ga­do só te­rá di­rei­to se ocor­rer um even­to fu­tu­ro e in­cer­to. No ca­so mais co­mum, uma vi­tó­ria ou em­pa­te, aque­la em va­lor mai­or, de re­gra. Em ou­tras hi­pó­te­ses me­nos co­nhe­ci­das, há o bi­cho por clas­si­fi­ca­ção em fa­se de cam­pe­o­na­to eli­mi­na­tó­rio e o bi­cho por me­ta (“nas pró­xi­mas três ro­da­das do cam­pe­o­na­to, se a equi­pe atin­gir se­te pon­tos, se­rá pa­go um cer­to va­lor”).

In­te­res­san­te

ca­te­go­ria

de bi­cho é o cha­ma­do “bi­cho mo­lha­do”. O va­lor é pa­go em di­nhei­ro após o fim do jo­go, ain­da no ves­tiá­rio. A van­ta­gem para o atle­ta é ver o es­for­ço re­com­pen­sa­do de ime­di­a­to, sem ter que aguar­dar o tér­mi­no do mês.

Quan­to ao di­rei­to de are­na, va­le um es­cla­re­ci­men­to. O di­rei­to de are­na não per­ten­ce ao atle­ta e sim aos clu­bes dis­pu­tan­tes de um even­to des­por­ti­vo. Tra­ta-se de di­rei­to de­fe­ri­do por lei aos clu­bes para au­to­ri­zar ou não a trans­mis­são de ima­gens do even­to des­por­ti­vo. Is­so re­sol­ve a ques­tão a se­guir. Uma re­de de TV pre­ten­de trans­mi­tir cer­to cam­pe­o­na­to de fu­te­bol. A quem de­ve pro­cu­rar? A lei de­fi­ne: não se­rá a fe­de­ra­ção, nem os atle­tas, tam­pou­co ape­nas o clu­be man­dan­te. São am­bos os clu­bes. Se não hou­ver au­to­ri­za­ção de am­bos, não ha­ve­rá trans­mis­são.

Já hou­ve uma si­tu­a­ção des­sas em 1997 na TV fe­cha­da, quan­do a Re­de Glo­bo ha­via fir­ma­do con­tra­to com os clu­bes in­te­gran­tes do co­nhe­ci­do “Clu­be dos Tre­ze” en­quan­to a ope­ra­do­ra TVA ha­via ce­le­bra­do con­tra­to com o “Clu­be dos On­ze” – os de­mais on­ze dis­pu­tan­tes do Bra­si­lei­rão. Quan­do os clu­bes in­te­gran­tes do “Clu­be dos Tre­ze” jo­ga­vam en­tre si, o jo­go era trans­mi­ti­do pe­los ca­nais da Glo­bo. O mes­mo ocor­ria com os in­te­gran­tes do “Clu­bes dos On­ze”, com jo­gos trans­mi­ti­dos pe­la TVA. E quan­do um in­te­gran­te de um gru­po en­fren­ta­va um in­te­gran­te do ou­tro, a par­ti­da não era trans­mi­ti­da. Tal­vez is­so ve­nha a ocor­rer a par­tir de 2019 na TV fe­cha­da, pois o ca­nal Es­por­te In­te­ra­ti­vo fe­chou con­tra­to com um gru­po de clu­bes, en­quan­to a Re­de Glo­bo fe­chou com ou­tros. Se não hou­ver um acerto en­tre os ca­nais, não ha­ve­rá a trans­mis­são de jo­gos de clu­bes vin­cu­la­dos a ca­nais dis­tin­tos.

Já quan­to à re­mu­ne­ra­ção, a lei de­fi­ne que os atle­tas te­rão di­rei­to a uma “par­ti­ci­pa­ção” em di­rei­to de are­na. Do va­lor pa­go pe­lo ca­nal de TV, fra­ção de cin­co por cen­to se­rá de­du­zi­da e en­tre­gue ao res­pec­ti­vo sin­di­ca­to de atle­tas, que dis­tri­bui­rá aos jo­ga­do­res da­que­le clu­be par­ti­ci­pan­tes do es­pe­tá­cu­lo, co­mo par­ce­la de na­tu­re­za ci­vil. De pra­xe, o to­tal re­la­ti­vo a um cam­pe­o­na­to é di­vi­di­do pe­lo nú­me­ro de jo­gos dis­pu­ta­dos pe­lo clu­be e, em se­gui­da, di­vi­di­do por ca­tor­ze – os on­ze ti­tu­la­res e os três jo­ga­do­res subs­ti­tu­tos que en­tram em cam­po. E não in­ci­di­rá qual­quer en­car­go so­bre o va­lor, que não se­rá in­te­gra­do ao sa­lá­rio. Des­sa for­ma, res­pei­ta-se a uti­li­za­ção re­mu­ne­ra­da da ima­gem dos atle­tas pe­los clu­bes du­ran­te a dis­pu­ta des­por­ti­va.

Por fim, o cha­ma­do “di­rei­to de ima­gem”, me­lhor de­no­mi­na­do de li­cen­ça de uso de ima­gem, con­sis­te na au­to­ri­za­ção, con­ce­di­da pe­lo atle­ta ou por pes­soa ju­rí­di­ca por es­te cons­ti­tuí­da, para que um ter­cei­ro uti­li­ze a ima­gem com fins co­mer­ci­ais. Tem a mes­ma na­tu­re­za da li­cen­ça de ima­gem de uma mo­de­lo fo­to­grá­fi­ca, para apa­re­cer em uma cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria. Es­se ne­gó­cio po­de ser fir­ma­do di­re­ta­men­te en­tre o atle­ta e um pa­tro­ci­na­dor, co­mo po­de ser fe­cha­do en­tre o atle­ta e o pró­prio clu­be que re­mu­ne­ra­rá o atle­ta e, em con­tra­par­ti­da, po­de­rá uti­li­zar a ima­gem di­re­ta­men­te (em su­as cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as) ou su­bli­cen­ci­ar a ter­cei­ros – seus pró­pri­os pa­tro­ci­na­do­res, por exem­plo.

In­fe­liz­men­te, o que ocor­re com frequên­cia é o uso si­mu­la­do des­se ins­ti­tu­to para pa­ga­men­to de sa­lá­rio “por fo­ra”, com a re­du­ção ilí­ci­ta de di­rei­tos tra­ba­lhis­tas e tri­bu­tos. Para ve­ri­fi­car se o con­tra­to é frau­du­len­to, bas­ta con­fe­rir se a ima­gem do jo­ga­dor pos­sui va­lor co­mer­ci­al com­pa­tí­vel com a re­tri­bui­ção pa­ga e, além dis­so, se es­tá sen­do efe­ti­va­men­te uti­li­za­da a ima­gem pe­lo clu­be ou por um su­bli­cen­ci­a­do, de for­ma com­pa­tí­vel com a re­mu­ne­ra­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.