Cha­pa quen­te

Correio da Bahia - - Front Page - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

In­di­re­ta­men­te im­pre­vi­sí­vel. A pro­mes­sa de um es­ta­tu­to mais de­mo­crá­ti­co, com elei­ção di­re­ta, não acon­te­ceu. Po­rém, não sig­ni­fi­ca que as elei­ções ru­bro-ne­gras de de­zem­bro não se­rão fer­re­nha­men­te dis­pu­ta­das. E uma cai­xi­nha de sur­pre­sas. Ao con­trá­rio das úl­ti­mas três es­co­lhas para pre­si­dên­cia do Vi­tó­ria, o plei­to para o tri­ê­nio 2017-2019 não se­rá de­cre­ta­da por acla­ma­ção. Des­ta vez, o atu­al pre­si­den­te Rai­mun­do Vi­a­na te­rá que dis­pu­tar a re­e­lei­ção com ou­tras du­as cha­pas que já anun­ci­a­ram a pré-can­di­da­tu­ra.

Vi­a­na te­rá que en­fren­tar du­as ver­ten­tes. A cha­pa “Vi­tó­ria de To­dos Nós” é com­pos­ta, em sua mai­o­ria, de de­ser­to­res da atu­al ges­tão. A ou­tra, in­ti­tu­la­da “Vi­tó­ria do Tor­ce­dor”, é uma união en­tre gru­pos in­de­pen­den­tes de tor­ce­do­res, que até en­tão es­ta­vam frag­men­ta­dos. Gru­pos co­mo Vi­tó­ria Li­vre, que bri­ga es­pe­ci­fi­ca­men­te pe­la de­mo­cra­ti­za­ção do clu­be, além da Fren­te 1899 e Vi­tó­ria de Pri­mei­ra fazem par­te des­ta em­prei­ta­da.

Com as opo­si­ções ar­ti­cu­la­das, a si­tu­a­ção ain­da não se pro­nun­ci­ou so­bre a elei­ção. Com o ti­me na zo­na do re­bai­xa­men­to do Bra­si­lei­rão, Rai­mun­do Vi­a­na es­ca­pa do as­sun­to. “Não de­fi­ni ain­da so­bre a pos­si­bi­li­da­de de re­e­lei­ção. A úni­ca coi­sa que pre­ten­do ga­nhar ago­ra são pon­tos su­fi­ci­en­tes para não ser­mos re­bai­xa­dos. Não pen­so em elei­ção ago­ra, pos­so te adi­an­tar is­to”, afir­mou Vi­a­na. O seu vi­ce, Ma­no­el Ma­tos, já pon­tu­ou que não pre­ten­de mais con­cor­rer a na­da no Vi­tó­ria.

O pré-can­di­da­to a pre­si­dên­cia do “Vi­tó­ria de To­dos Nós”, Ri­car­do Da­vid, acre­di­ta que o ra­cha no Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo se de­ve ao que en­xer­ga co­mo po­der ili­mi­ta­do de Ma­no­el Ma­tos no Vi­tó­ria. Ri­car­do foi di­re­tor de mar­ke­ting de Vi­a­na até ou­tu­bro do ano pas­sa­do, quan­do saiu sem jus­ti­fi­car pu­bli­ca­men­te na épo­ca.

Ago­ra, co­mo no­va opo­si­ção, re­la­ta que já não se en­ten­dia mais com Ma­no­el Ma­tos. “Na épo­ca es­tá­va­mos bem, bri­gan­do pe­lo aces­so. Por ética, pre­fe­ri sair sem pro­vo­car es­tar­da­lha­ço. Sai por in­com­pa­ti­bi­li­da­de com o vi­ce-pre­si­den­te (Ma­no­el Ma­tos). Ele é par­ti­dá­rio de mo­de­los ge­ren­ci­ais au­to­ri­tá­ri­os e eu ve­nho de uma es­co­la mais par­ti­ci­pa­ti­va e de­mo­crá­ti­ca”, afir­ma o pré-can­di­da­to. O pré-can­di­da­to a pre­si­dên­cia do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo da cha­pa é o atu­al pre­si­den­te do Con­se­lho Fis­cal, Cristóvão Ri­os, com o con­se­lhei­ro Nil­ton Al­mei­da co­mo seu vi­ce.

Com­pos­ta em sua es­sên­cia por tor­ce­do­res de ar­qui­ban­ca­da, co­mo pre­gam seus lí­de­res, a cha­pa “Vi­tó­ria do Tor­ce­dor” lan­ça sua can­di­da­tu­ra nes­ta se­ma­na, com da­ta ain­da in­de­fi­ni­da. Apoi­a­do por al­guns con­se­lhei­ros que fazem opo­si­ção à di­re­to­ria, a cha­pa acre­di­ta que se­rá a úni­ca com ver­da­dei­ra ca­rac­te­rís­ti­ca de opo­si­ção aos ges­to­res atu­ais. “So­mos fei­tos ge­nui­na­men­te com tor­ce­do­res que que­rem mu­dan­ças no clu­be. A ou­tra cha­pa não é opo­si­ção. É ape­nas uma dis­si­dên­cia da si­tu­a­ção. Te­mos a re­la­ção dos só­ci­os para con­cor­rer ao Con­se­lho pron­ta. Não de­fi­ni­mos ain­da nos­so can­di­da­to para pre­si­dên­cia, pois es­ta­mos ago­ra cen­tra­dos na for­ma­ção do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo. No vo­to in­di­re­to, o que mais im­por­ta ago­ra é a for­ma­ção do Con­se­lho, que es­co­lhe quem se­rá o pre­si­den­te”, ex­pli­ca o só­cio Fe­li­pe Ven­tin, um dos ide­a­li­za­do­res do Vi­tó­ria Li­vre, que pre­ga a de­mo­cra­ti­za­ção do clu­be. A cha­pa con­ta com apoio de con­se­lhei­ros co­mo o ex-pre­si­den­te Ade­mar Le­mos, Fá­bio Mota e Antô­nio Car­los Ro­dri­gues, mais co­nhe­ci­do co­mo Ca­cau, ex-di­re­tor ju­rí­di­co do clu­be.

Nas du­as cha­pas for­ma­das, o que mais cha­ma aten­ção é a pro­mes­sa de cam­pa­nha se­me­lhan­te. Am­bos pre­gam a re­for­mu­la­ção do es­ta­tu­to co­mo pri­o­ri­da­de, abra­çan­do o vo­to di­re­to. A cha­pa “Vi­tó­ria do Tor­ce­dor” ain­da as­se­gu­ra que, ca­so elei­ta, se­rá con­vo­ca­da uma as­sem­bleia ge­ral para a es­co­lha do no­vo es­ta­tu­to no pra­zo má­xi­mo de três me­ses após a pos­se. Am­bos cri­ti­cam o pro­je­to da Are­na Bar­ra­dão, mas tam­bém pro­me­tem mo­der­ni­za­ção do es­tá­dio, além de re­for­mu­la­ção das ca­te­go­ri­as de ba­se, Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo pro­por­ci­o­nal e trans­pa­rên­cia fi­nan­cei­ra.

A co­mis­são elei­to­ral tem até o dia 10 de no­vem­bro para abrir o pe­río­do de ho­mo­lo­ga­ção das cha­pas que pre­ten­dem con­cor­rer ao plei­to. No sis­te­ma de vo­to in­di­re­to, a de­ci­são na es­co­lha do pre­si­den­te do Vi­tó­ria é se­cun­dá­ria em re­la­ção à es­co­lha da cha­pa com­pos­ta por 270 con­se­lhei­ros. Os

Com Con­se­lho ra­cha­do, elei­ção do Vi­tó­ria te­rá três can­di­da­tos

só­ci­os vo­tam na cha­pa, que se­rá es­co­lhi­da in­te­gral­men­te, sem pro­por­ci­o­na­li­da­de de vo­to. Em se­gui­da, os con­se­lhei­ros elei­tos vo­tam no can­di­da­to à pre­si­dên­cia. Ob­vi­a­men­te, eles es­co­lhe­rão o can­di­da­to pró­prio. Ou se­ja: o con­se­lho cam­peão le­va, de brin­de, o pre­si­den­te do Vi­tó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.