Pro­con fa­la so­bre di­rei­tos dos pais

Correio da Bahia - - Mais -

Em um ce­ná­rio em que pais e es­co­la pre­ci­sam en­trar em um acor­do, Paulo Tei­xei­ra, di­re­tor de as­sun­tos es­pe­ci­ais da Su­pe­rin­ten­dên­cia de Pro­te­ção e De­fe­sa do Con­su­mi­dor (Pro­con-BA), des­ta­ca quais são os di­rei­tos e de­ve­res de ca­da par­te na ho­ra da re­a­li­za­ção da ma­trí­cu­la dos es­tu­dan­tes.

Para os res­pon­sá­veis pe­los alu­nos, o pri­mei­ro pas­so para sa­ber se os pre­ços di­vul­ga­dos pe­los co­lé­gi­os são abu­si­vos ou não é exi­gir uma pla­ni­lha de cus­tos. “As­sim que fo­rem in­for­ma­dos do re­a­jus­te, eles po­dem pe­dir a pla­ni­lha. Se ela não cor­res­pon­der ao au­men­to que es­tão mos­tran­do, com to­dos os gas­tos dis­cri­mi­na­dos, os pais po­dem re­cor­rer”, fa­la.

Na pla­ni­lha de­vem es­tar pre­sen­tes, por exem­plo, in­for­ma­ções re­fe­ren­tes aos va­lo­res dos ma­te­ri­ais, ali­men­ta­ção, au­men­to no sa­lá­rio dos pro­fes­so­res e des­pe­sas com os fun­ci­o­ná­ri­os.

Ele con­ta tam­bém que não há um ín­di­ce es­pe­cí­fi­co que de­ter­mi­ne quan­to de­ve ser o re­a­jus­te anual. “Não há uma re­gra. En­tre­tan­to, ge­ral­men­te as pes­so­as usam a in­fla­ção co­mo ba­se para is­so. Mas is­so vai de ca­da lu­gar, de­pen­de mui­to dos cus­tos que eles têm para man­ter o seu pa­drão”.

No Pro­con, as prin­ci­pais re­cla­ma­ções so­bre es­co­las são re­la­ci­o­na­das a co­bran­ças in­de­vi­das, res­ci­são de con­tra­to e cláu­su­las abu­si­vas. “O ín­di­ce de re­cla­ma­ções en­tre a pré-ma­trí­cu­la e o iní­cio das au­las é mui­to gran­de. Prin­ci­pal­men­te em re­la­ção às ta­xas de ins­cri­ção e men­sa­li­da­des”, con­ta Paulo Tei­xei­ra.

Para evi­tar pro­ble­mas, o di­re­tor acon­se­lha os pais a pes­qui­sa­rem o má­xi­mo que pu­de­rem. “Às ve­zes uma es­co­la ca­ra não é a me­lhor. Os pais têm que se aten­tar aos pla­nos di­dá­ti­cos e pe­da­gó­gi­co que elas ofe­re­cem para os alu­nos”, afir­ma ele.

Mais uma vez, a ne­go­ci­a­ção apa­re­ce co­mo uma saí­da para ba­ra­te­ar os gas­tos. Ape­sar de não ha­ver dis­po­si­ti­vos le­gais que ga­ran­tam que as es­co­las de­vem ofe­re­cer des­con­tos para o se­gun­do fi­lho, den­tro da dis­po­si­ção de ofer­ta e pro­cu­ra, gran­de par­te de­las dis­pões des­te be­ne­fí­cio.

“É pos­sí­vel con­se­guir des­con­tos. Há uma li­be­ra­li­da­de en­tre os con­tra­tan­tes que per­mi­te is­so. Os pais de­vem ir às es­co­las para dis­cu­tir aba­ti­men­tos e an­te­ci­par va­lo­res. Tu­do é pos­sí­vel, ca­da ca­so é um ca­so”.

Se­gun­do a lei nº 9.870, que re­ge as ques­tões vol­ta­das para as ma­trí­cu­las das es­co­las, o re­a­jus­te fi­xa­do pe­las ins­ti­tui­ções de­ve ser di­vul­ga­do até 45 di­as an­tes da da­ta fi­nal do pe­río­do de ma­trí­cu­la. Ca­ro­na solidária Por que não con­ver­sar com pai de co­le­gui­nhas e vi­zi­nhos que es­tu­dam na mes­ma es­co­la? A ca­ro­na po­de re­du­zir mui­to os gas­tos com o trans­por­te.

Es­por­tes Mui­tos con­do­mí­ni­os ho­je con­tam com es­tru­tu­ras de la­zer e es­por­tes co­mo qua­dras, par­ques e pis­ci­nas. An­tes de pa­gar es­ta ati­vi­da­de ex­tra, ve­ri­fi­que se no pró­prio con­do­mí­nio tem al­gum pro­fis­si­o­nal que re­a­li­za es­tas ati­vi­da­des por lá, ou jun­te-se a ou­tros pais e ten­te mon­tar um gru­po. Com cer­te­za, o va­lor sai­rá mais em con­ta.

La­zer Com a gra­na aper­ta­da, va­le tro­car os R$ 100 gas­tos nos pas­seis no shop­ping por um pi­que­ni­que no par­que ou um dia na praia.

Lan­che na es­co­la Le­var a me­ren­da de ca­sa vai ser sem­pre mais ba­ra­to do que com­prar o lan­che na es­co­la. Di­ver­si­fi­que as op­ções e eco­no­mi­ze com es­ta es­tra­té­gia tam­bém.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.