Es­co­las pú­bli­cas po­dem ser al­ter­na­ti­va para eco­no­mi­zar

Correio da Bahia - - Mais -

Os va­lo­res ca­da vez mai­o­res das men­sa­li­da­des, ali­a­das às di­fi­cul­da­des da cri­se, atin­gi­ram em cheio o bolso dos pais, até mes­mo os que co­lo­cam es­te in­ves­ti­men­to em pri­mei­ro lu­gar. O nú­me­ro de alu­nos que mi­gra­ram de ins­ti­tui­ções pri­va­das para a re­de es­ta­du­al de en­si­no em 2016 te­ve um au­men­to de 30% com­pa­ra­do ao ano an­te­ri­or.

Para a psi­co­pe­da­go­ga Íris de Sá, uma mudança co­mo es­ta traz tan­to per­das quan­to ga­nhos. “Para o fi­lho, es­ta é uma opor­tu­ni­da­de para apren­der que exis­tem si­tu­a­ções na vi­da em que mu­dan­ças são ine­vi­tá­veis. Eles não vão dei­xar de es­tu­dar por cau­sa dis­so. Es­co­la par­ti­cu­lar é um lu­xo”, diz.

Em uma si­tu­a­ção em que a trans­fe­rên­cia se faz ne­ces­sá­ria, a psi­co­pe­da­go­ga acon­se­lha que ha­ja um acom­pa­nha­men­to dos pais. “É pre­ci­so tam­bém acom­pa­nhar os es­tu­dos den­tro de ca­sa. Só as­sim você vai sa­ber quais são as ne­ces­si­da­des de­les”.

Ela com­ple­men­ta di­zen­do que os pais de­vem es­trei­tar a re­la­ção com a ins­ti­tui­ção de en­si­no, bus­can­do co­nhe­cer o lo­cal em que seus fi­lhos es­tão es­tu­dan­do. “É im­por­tan­te ver qual é a es­co­la, quem são os ges­to­res e pro­fes­so­res, e o con­teú­do pro­gra­má­ti­co”.

Se­guin­do uma boa ro­ti­na de es­tu­dos, não tem por que o alu­no re­gre­dir. “Quem faz a es­co­la é o pró­prio es­tu­dan­te. Se não se re­du­zir so­men­te ao que es­tá sen­do en­si­na­do em sa­la de aula, ele po­de ser bem-su­ce­di­do. Afi­nal, não adi­an­ta na­da tam­bém es­tar na es­co­la par­ti­cu­lar e não mos­trar re­sul­ta­dos”, diz.

É cla­ro que a adap­ta­ção po­de não ser tão fá­cil. “Quem es­tá acos­tu­ma­do com lu­xos ofe­re­ci­dos pe­los co­lé­gi­os pri­va­dos po­de sen­tir a di­fe­ren­ça e de­mo­rar mais para se adap­tar à no­va re­a­li­da­de. Mas dei­xar os es­tig­mas e pre­con­cei­tos de la­do é mais do que es­sen­ci­al”, con­clui.

Me­sa­da A gen­te sa­be que é bom e to­do mun­do gos­ta.

Mas é im­por­tan­te usar is­so para es­ti­mu­lar a edu­ca­ção fi­nan­cei­ra nas cri­an­ças. En­si­ne à me­ni­na­da a ad­mi­nis­trar es­te re­cur­so. O “por­qui­nho” de mo­e­das é ou­tra boa ideia para des­per­tar es­te equi­lí­brio fi­nan­cei­ro des­de ce­do.

Con­ver­sa É pre­ci­so con­ver­sar aber­ta­men­te so­bre di­nhei­ro e or­ça­men­to com a fa­mí­lia, in­clu­si­ve as cri­an­ças. To­do mun­do pre­ci­sa sa­ber até on­de vai a ca­pa­ci­da­de de gas­to, pla­ne­jar jun­to on­de é pre­ci­so eco­no­mi­zar, e o que po­de ser fei­to por to­dos.

Re­a­pro­vei­ta­men­to Exis­tem ma­te­ri­ais es­co­la­res, co­mo a mo­chi­la, por exem­plo, em que a vi­da útil não ter­mi­na com um ano de uso. Con­ver­se sem­pre com os fi­lhos so­bre a re­al ne­ces­si­da­de de se ad­qui­rir um ma­te­ri­al no­vo quan­do o atu­al ain­da es­tá em bo­as con­di­ções.

Li­vros Com o fim do ano le­ti­vo e aber­tu­ra da tem­po­ra­da de ma­trí­cu­las para o ano que vem, fi­que aten­to às fei­ras e en­con­tros de tro­cas de li­vros. O cus­to com es­te ma­te­ri­al po­de tam­bém re­du­zir bas­tan­te des­ta for­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.