Fa­mí­lia de jo­vem mor­to em San­ta Cruz con­tra­diz ver­são da po­lí­cia

Correio da Bahia - - Bahia - JU­LI­A­NA MONTANHA

OPE­RA­ÇÃO VIOLENTA Os fa­mi­li­a­res de Wil­li­am Alex­san­dro Fiu­za Con­cei­ção, de 18 anos, mor­to du­ran­te a ope­ra­ção po­li­ci­al no fi­nal da tar­de des­te sá­ba­do em San­ta Cruz re­ba­tem a ver­são da po­lí­cia de que as vi­a­tu­ras da Ron­desp fo­ram re­ce­bi­das a ti­ros na lo­ca­li­da­de. Se­gun­do uma das ti­as da ví­ti­ma que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car por ques­tões de se­gu­ran­ça pes­so­al, Wil­li­am es­ta­va tra­ba­lhan­do no la­va ja­to na fren­te de ca­sa e pa­rou para al­mo­çar com os ami­gos quan­do os po­li­ci­ais da Ron­desp apa­re­ce­ram. “Eles vi­e­ram do Al­to da San­ta Cruz já cer­can­do os me­ni­nos. Não ti­nha ne­nhum tra­fi­can­te ali e os po­li­ci­ais che­ga­ram ati­ran­do, o que fez os me­ni­nos des­ce­rem cor­ren­do dos ti­ros no sen­ti­do da in­va­são No­va Re­pú­bli­ca”, dis­se. Se­gun­do ela, lá ha­via um ou­tro gru­po de po­li­ci­ais. “Um ti­ro pegou no tó­rax de meu so­bri­nho e de­pois que ele já es­ta­va caí­do de­ram ou­tro na ca­be­ça de­le”. Se­gun­do a fa­mí­lia de Wil­li­am, ou­tro jo­vem tam­bém ba­le­a­do na ope­ra­ção só não foi mor­to por­que te­ria se agar­ra­do com uma vi­zi­nha pe­din­do para não mor­rer. Ele foi so­cor­ri­do para o Hos­pi­tal Ge­ral do Es­ta­do, on­de per­ma­ne­ce in­ter­na­do. Após a ope­ra­ção, mo­ra­do­res do bair­ro to­ca­ram fo­go em ob­je­tos e ame­a­ça­rem in­cen­di­ar um co­le­ti­vo o que le­vou os ro­do­viá­ri­os a sus­pen­der cir­cu­la­ção de ôni­bus no bair­ro. O fi­nal de li­nha es­tá fun­ci­o­nan­do pro­vi­so­ri­a­men­te na Ave­ni­da Ju­racy Magalhães, pou­co an­tes do Par­que da Ci­da­de. On­tem, a Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pública (SSP) in­for­mou que o po­li­ci­a­men­to con­ti­nua re­for­ça­do no bair­ro, sem pre­vi­são de mu­dan­ças. “Ele nun­ca rou­bou, não ti­nha en­vol­vi­men­to com dro­ga. Era um bom me­ni­no. Os mo­ra­do­res es­tão re­vol­ta­dos por­que os po­li­ci­ais ti­ra­ram a vi­da de­le de for­ma tão bru­ta”, dis­se a mãe de Wil­li­am, tam­bém sem que­rer se iden­ti­fi­car. “Ten­ta­mos des­cer para a in­va­são para ver meu fi­lho, mas um po­li­ci­al que es­ta­va en­ca­pu­za­do apon­tou o fu­zil na nos­sa di­re­ção. Um pou­co de­pois, um de­les veio ar­ras­tan­do meu fi­lho pe­la per­na”. Se­gun­do ela, ao per­ce­ber que os mo­ra­do­res os ob­ser­va­vam, os po­li­ci­ais car­re­ga­ram o cor­po de Wil­li­am para co­lo­cá-lo na vi­a­tu­ra. “Eles cha­ma­ram is­so de pres­tar so­cor­ro, mas meu fi­lho já en­trou no car­ro sem vi­da”, de­nun­ci­ou a mãe do ra­paz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.