Pre­sen­ça de bac­té­ri­as no Rio Jo­a­nes pre­o­cu­pa Vi­gi­lân­cia Am­bi­en­tal

Correio da Bahia - - Bahia - CLA­RIS­SA PA­CHE­CO

INS­PE­ÇÃO Uma ins­pe­ção da Vi­gi­lân­cia em Saú­de Am­bi­en­tal (Vi­samb) da Pre­fei­tu­ra de Sal­va­dor de­tec­tou a pre­sen­ça de ci­a­no­bac­té­ri­as na ba­cia do Rio Jo­a­nes I, que ser­ve ao Par­que da Bo­lan­dei­ra, na Bo­ca do Rio, on­de fi­cam as es­ta­ções de tra­ta­men­to de água Vi­ei­ra de Mel­lo e The­o­do­ro Sam­paio. Não fo­ram di­vul­ga­das ain­da in­for­ma­ções so­bre o ní­vel de mi­cro­or­ga­nis­mos en­con­tra­do. De acor­do com a Por­ta­ria 2.914/2011, do Mi­nis­té­rio da Saú­de, nem to­das as ci­a­no­bac­té­ri­as pro­du­zem to­xi­nas - o ní­vel má­xi­mo acei­tá­vel na água é de 1 mi­cro­gra­ma por li­tro. Mas se­gun­do o sub­co­or­de­na­dor da Vi­samb, Ri­car­do Lou­ren­ço, o que foi de­tec­ta­do foi um ní­vel aci­ma dis­so no ma­nan­ci­al, an­tes de che­gar à es­ta­ção. “No ma­nan­ci­al, o ní­vel é bem mai­or, o que im­pac­ta o tra­ta­men­to da água”, dis­se ele. “Para evi­tar que a ci­a­no­to­xi­na che­gue à re­de de abas­te­ci­men­to, on­de ela pra­ti­ca­men­te não de­ve exis­tir, sig­ni­fi­ca que vão ter que gas­tar mui­tos pro­du­tos quí­mi­cos e es­se gas­to de ma­te­ri­al ge­ra uma per­da de qua­li­da­de da água. Quan­to mais adi­ti­vos quí­mi­cos vo­cê co­lo­ca, mais vo­cê im­pac­ta nu­ma água que po­de­ria ser mais pu­ra”, aler­tou Lou­ren­ço. A de­pen­der da quan­ti­da­de de ci­a­no­to­xi­nas even­tu­al­men­te en­con­tra­das na água, é pos­sí­vel que elas afe­tem o fí­ga­do e até o sis­te­ma ner­vo­so, des­de que te­nham con­ta­to di­re­to com a cor­ren­te san­guí­nea. Além dis­so, as to­xi­nas li­be­ra­das por al­guns ti­pos de ci­a­no­bac­té­ri­as po­dem dei­xar a água com chei­ro e pa­la­dar de­sa­gra­dá­vel. Por tu­do is­so, a pre­sen­ça das ci­a­no­bac­té­ri­as pre­o­cu­pa a Vi­gi­lân­cia em Saú­de Am­bi­en­tal. “O que a gen­te no­tou é que nos re­ser­va­tó­ri­os, prin­ci­pal­men­te a Ba­cia do Jo­a­nes, há uma ocu­pa­ção de­sor­de­na­da no en­tor­no, o que po­de le­var a um ris­co mai­or de con­ta­mi­na­ção. Is­so le­va à acu­mu­la­ção de se­di­men­to e pro­du­ção de ci­a­no­bac­té­ri­as”, dis­se o sub­co­or­de­na­dor da Vi­samb. O ór­gão fa­rá uma reu­nião com a Em­ba­sa para tra­tar das ações no in­tui­to de so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma. A Em­ba­sa ex­pli­cou que a pre­sen­ça de ci­a­no­bac­té­ri­as em ma­nan­ci­ais de abas­te­ci­men­to pú­bli­co é nor­mal e que o sis­te­ma Jo­a­nes I apre­sen­ta den­si­da­de es­pe­ra­da. A em­pre­sa ex­pli­cou que a por­ta­ria do Mi­nis­té­rio da Saú­de não es­ta­be­le­ce va­lor li­mi­te para a con­cen­tra­ção de ci­a­no­to­xi­nas na água bru­ta do ma­nan­ci­al, ape­nas na água tra­ta­da dis­tri­buí­da à po­pu­la­ção. A Vi­samb in­for­mou que uma aná­li­se se­rá fei­ta, para de­tec­tar se há to­xi­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.