Alu­nos in­di­cam pon­tos crí­ti­cos

Correio da Bahia - - Mais -

Ape­sar de al­gu­mas me­lho­ras, es­tu­dan­tes, pro­fes­so­res e ser­vi­do­res da Uf­ba ain­da se sen­tem in­se­gu­ros nos cam­pi. Na Es­co­la Po­li­téc­ni­ca, as pes­so­as apon­ta­ram al­guns pon­tos crí­ti­cos e lo­cais on­de a se­gu­ran­ça é fa­lha.

“De­pois que es­cu­re­ce, não tem mais ilu­mi­na­ção. É mui­to in­se­gu­ro”, re­cla­ma a es­tu­dan­te de En­ge­nha­ria Quí­mi­ca Isa­be­la Hei­ne, 22 anos. “Já sou­be de vá­ri­os as­sal­tos, às ve­zes tem al­guém de mo­to ron­dan­do pe­lo es­ta­ci­o­na­men­to”, dis­se. Se­gun­do ela, os es­tu­dan­tes já pe­di­ram uma can­ce­la para o es­ta­ci­o­na­men­to, mas até ago­ra o equi­pa­men­to es­tá dis­po­ní­vel ape­nas no es­ta­ci­o­na­men­to de pro­fes­so­res e ser­vi­do­res.

Co­le­ga de cur­so de Isa­be­la, Jés­si­ca Ri­os, 26, tam­bém se sen­te in­se­gu­ra. “Fi­nais de se­ma­na ou épo­ca de fé­ri­as tem pou­ca gen­te, que é qu­an­do fi­ca mais pe­ri­go­so e ocor­rem mais as­sal­tos. A es­ca­da tem mui­to as­sal­to”. Jés­si­ca se re­fe­re à es­ca­da­ria que li­ga a Po­li­téc­ni­ca a On­di­na. “Mui­ta gen­te que co­nhe­ço já foi as­sal­ta­da lá”, con­fir­mou o es­tu­dan­te de En­ge­nha­ria Ci­vil Fred Ra­mos, 22.

Há pos­tos de vi­gi­lân­cia nos ex­tre­mos da es­ca­da­ria, mas a ilu­mi­na­ção é fa­lha: al­guns pos­tes es­ta­vam que­bra­dos. A ve­ge­ta­ção tam­bém não é sem­pre cui­da­da, em­bo­ra on­tem es­ti­ves­se po­da­da. É jus­ta­men­te por ela que pas­sa di­a­ri­a­men­te a es­tu­dan­te do mes­tra­do de Bi­o­lo­gia Ju­li­a­na Lu­ca­tel­li, 25. “Saio de Bi­o­lo­gia e su­bo a es­ca­da para ir para ca­sa. Mas só me atre­vo se ain­da não es­ti­ver es­cu­ro. De­pois dis­so, pre­fi­ro pe­gar o Bu­zuf­ba”, con­tou. Ela se lem­brou de um co­le­ga as­sal­ta­do às 9h, no lo­cal.

Ou­tros lu­ga­res apon­ta­dos co­mo crí­ti­cos são a la­dei­ra ao la­do dos es­ta­ci­o­na­men­tos, que le­va à es­ca­da, on­de a ve­ge­ta­ção foi re­cen­te­men­te po­da­da; e o mu­ro que dá para a Rua Ca­e­ta­no Mou­ra, que é bas­tan­te bai­xo em um pon­to, fa­ci­li­tan­do o aces­so.

“A sen­sa­ção é de que es­ta­mos na rua. A ci­da­de es­tá es­se ab­sur­do. Se eu pu­des­se, pe­ga­va mi­nha mu­lher e meus dois fi­lhos e iria em­bo­ra”, afir­mou o es­tu­dan­te de En­ge­nha­ria Ci­vil Edu­ar­do Vi­las Bo­as, 50. Uma fun­ci­o­ná­ria que não quis se iden­ti­fi­car apon­tou a fal­ta de po­li­ci­a­men­to no en­tor­no da uni­ver­si­da­de. “Aqui é com­pli­ca­do mes­mo, co­me­çan­do pe­lo pon­to de ôni­bus. É uma área que tem pou­co ou ne­nhum po­li­ci­a­men­to, is­so de­ve fa­ci­li­tar (a ação dos ban­di­dos)”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.