Vi­da

Correio da Bahia - - Mais - Ma­rí­lia Mo­rei­ra ma­ri­lia.sil­va@re­de­bahia.com.br

Aos do­ze anos, can­to­ra en­fren­ta ra­cis­mo com mú­si­ca e es­ti­lo

Co­mo qual­quer cri­an­ça de 12 anos, MC Soffia ado­ra jo­gar fu­te­bol, brin­car de bo­ne­ca, an­dar de ska­te e pe­da­lar. Mas, des­de o ano pas­sa­do, ela tem cha­ma­do aten­ção de to­do o Brasil por um mo­ti­vo me­nos ób­vio: can­tar con­tra o pre­con­cei­to ra­ci­al so­fri­do por mui­tas me­ni­nas e me­ni­nos co­mo ela.

Ne­gra, nas­ci­da na pe­ri­fe­ria de São Pau­lo, Soffia co­me­çou a can­tar aos 6 anos. Para ela, o rap sem­pre foi sinô­ni­mo de for­ça e re­sis­tên­cia. Por is­so, na­da mais na­tu­ral que usá-lo a fa­vor de sua cau­sa e de­fen­der em mú­si­cas co­mo Me­ni­na Pre­ti­nha, uma das mais co­nhe­ci­das do seu re­per­tó­rio, que tem or­gu­lho da sua cor. “Foi aos 10 anos que eu co­me­cei a es­cre­ver, a fa­lar nas mi­nhas mú­si­cas so­bre al­gu­mas coi­sas que eu pen­sa­va e me in­co­mo­da­va”, diz a rap­per mi­rim.

Tu­do co­me­çou por in­fluên­cia da mãe, a pro­du­to­ra cul­tu­ral Ka­mi­lah Pi­men­tel. Foi ela quem apre­sen­tou à fi­lha mui­tos dos ar­tis­tas que hoje são re­fe­rên­ci­as para Soffia e tam­bém quem a ori­en­tou a não ce­der di­an­te do ra­cis­mo, re­a­li­da­de que a ga­ro­ta co­nhe­ceu bem ce­do. “Hoje eu não ou­ço mais coi­sas so­bre o meu ca­be­lo ou so­bre eu mo­rar na pe­ri­fe­ria, mas eu ain­da so­fro com o ra­cis­mo por­que não ve­jo cri­an­ças ne­gras na TV, não ve­jo o po­vo ne­gro re­pre­sen­ta­do, só co­mo em­pre­ga­do ou es­cra­vo”, cri­ti­ca Soffia.

GA­NHAN­DO O MUN­DO

O som de pro­tes­to de MC Soffia já es­tá al­can­çan­do di­ver­sos can­tos do país. Além de São Pau­lo, a ga­ro­ta, que ain­da não lan­çou seu pri­mei­ro dis­co, já se apre­sen­tou em ci­da­des co­mo Rio de Ja­nei­ro, Ma­ceió, Be­lo Ho­ri­zon­te e Bra­sí­lia. E a lis­ta só cres­ce: hoje, Soffia che­ga pe­la pri­mei­ra vez a Sal­va­dor, ci­da­de que ela sem­pre so­nhou co­nhe­cer. “Se­rá mi­nha pri­mei­ra vez aí e eu es­tou mui­to an­si­o­sa. Só co­nhe­ço Sal­va­dor pe­la TV e pe­lo que mi­nhas avós di­zem. As du­as já fo­ram pas­se­ar aí e fa­lam mui­to bem da ci­da­de”, con­ta.

O show da can­to­ra acon­te­ce no Pe­lou­ri­nho, um dos car­tões-pos­tais da ci­da­de, in­ti­ma­men­te li­ga­do à his­tó­ria do po­vo ne­gro. “Eu já ou­vi di­zer que os ne­gros es­cra­vos eram cas­ti­ga­dos no Pe­lou­ri­nho, mas não sei mui­to so­bre o lu­gar, que­ro co­nhe­cer. E tam­bém que­ro ver o mar”, con­fes­sa.

Para a mãe de Soffia, as vi­a­gens são um apren­di­za­do. “Sem­pre ori­en­to ela a fa­zer

Se­ja com black power e la­ci­nho ou com lon­gas tran­ças co­lo­ri­das, MC Soffia tem con­quis­ta­do o país ao can­tar rap con­tra o pre­con­cei­to ra­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.