Qual ‘R’

Correio da Bahia - - Vida - Bru­no Qu­ei­roz bru­no.qu­ei­roz@re­de­bahia.com.br

Meio-cam­po clás­si­co, ca­mi­sa 10, ca­nho­to, ha­bi­li­do­so, boa bo­la pa­ra­da, boa téc­ni­ca. As ca­rac­te­rís­ti­cas apre­sen­ta­das se re­fe­rem a uma pe­ça ra­ra no fu­te­bol. Pri­vi­le­gi­a­do, o Bahia tem dois jo­ga­do­res des­se ti­po, se­me­lhan­tes em mui­tos as­pec­tos, mas com al­gu­mas di­fe­ren­ças de­ter­mi­nan­tes.

“Ca­já é um gran­de jo­ga­dor. É um jo­ga­dor que ca­den­cia mais o jo­go, pro­cu­ra mais o pas­se. Te­nho es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca tam­bém, mas sou mais agres­si­vo. Não que ele não se­ja. Eu pe­go a bo­la e par­to para ci­ma e pro­cu­ro a in­di­vi­du­a­li­da­de. Eu gos­to mais de ir pra ci­ma e fa­zer a jo­ga­da”, com­pa­ra-se Ré­gis.

Po­de-se di­zer que Ré­gis e Re­na­to Ca­já dis­pu­tam uma úni­ca po­si­ção no es­que­ma tá­ti­co pa­drão de Gu­to Fer­rei­ra, que, des­de que che­gou, de­mons­trou pre­fe­rên­cia pe­lo pri­mei­ro en­quan­to ti­tu­lar. Ca­já par­ti­ci­pou de 28 jo­gos pe­lo tri­co­lor na Sé­rie B e em to­dos eles co­me­çou jo­gan­do. Fez três gols e deu três as­sis­tên­ci­as.

Já Ré­gis é li­te­ral­men­te o 12º jo­ga­dor do ti­me. Das 22 par­ti­das em que atu­ou, em 19 ele saiu do ban­co de re­ser­vas e é jus­ta­men­te as­sim que tem con­se­gui­do aju­dar o Bahia. Já são qua­tro gols e qua­tro as­sis­tên­ci­as, to­dos en­tran­do no de­cor­rer dos jo­gos. Nas úni­cas três ve­zes em que foi ti­tu­lar, fo­ram du­as der­ro­tas para Brasil de Pe­lo­tas (2x1) e Lon­dri­na (2x1) e um em­pa­te com o Náu­ti­co (0x0).

Ou se­ja: o re­ser­va fez mais gols e deu mais as­sis­tên­ci­as que o ti­tu­lar, mes­mo ten­do jo­ga­do qua­se três ve­zes me­nos. Fo­ram 724 mi­nu­tos de Ré­gis em cam­po e 2.078 de Ca­já. Mas não ren­deu o es­pe­ra­do qu­an­do te­ve a chan­ce des­de o iní­cio.

Ape­sar do que os nú­me­ros mos­tram, Ré­gis afir­ma que, para ele, ser ti­tu­lar ou re­ser­va é in­di­fe­ren­te. “Dei­xo is­so a cri­té­rio do pro­fes­sor, que sa­be di­zer me­lhor do que eu. Mi­nha fun­ção é tra­ba­lhar e pro­cu­rar de­sen­vol­ver meu me­lhor fu­te­bol, sem­pre em prol da equi­pe. In­de­pen­den­te de en­trar jo­gan­do ou no de­cor­rer, para mim é a mes­ma coi­sa. Tem que es­tar pre­pa­ra­do”, dis­se.

Ape­sar de es­tar sen­do con­si­de­ra­do o ta­lis­mã da equi­pe, Ré­gis sa­be que jun­to com os elo­gi­os e pe­di­dos do tor­ce­dor para que ele en­tre em cam­po du­ran­te as par­ti­das na Fon­te No­va, vem a res­pon­sa­bi­li­da­de de não po­der de­cep­ci­o­nar. “Fi­co fe­liz por acre­di­tar no meu fu­te­bol. Da­li para fo­ra, eles fa­zem a par­te de­les. A gen­te tem que es­tar bem con­cen­tra­do no que o pro­fes­sor nos ori­en­ta e en­trar com fo­co to­tal no jo­go para de­sem­pe­nhar o me­lhor fu­te­bol e aju­dar a equi­pe a con­quis­tar o re­sul­ta­do po­si­ti­vo”, afir­mou.

NO SPORT FOI AS­SIM

O cu­ri­o­so é que não é so­men­te no Bahia que Ré­gis se no­ta­bi­li­za co­mo “re­ser­va de lu­xo”. Ano pas­sa­do, qu­an­do dis­pu­ta­va a Sé­rie A pe­lo Sport, en­tão co­man­da­do por Edu­ar­do Bap­tis­ta, Ré­gis tam­bém cos­tu­ma­va mu­dar a his­tó­ria dos jo­gos sain­do do ban­co.

Ele dis­pu­tou 26 jo­gos pe­lo ru­bro-ne­gro per­nam­bu­ca­no no Bra­si­lei­rão de 2015, sen­do ape­nas cin­co co­mo ti­tu­lar e 21 en­tran­do no de­cor­rer das par­ti­das. Ano­tou três gols e deu du­as as­sis­tên­ci­as, ne­nhum qu­an­do co­me­çou jo­gan­do.

Im­por­tan­te lem­brar que tan­to Ré­gis e Re­na­to Ca­já têm con­tra­to com o tri­co­lor até o fi­nal de 2017, o que sig­ni­fi­ca di­zer que a dor de ca­be­ça do téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra, ca­so ele si­ga no car­go, po­de­rá per­ma­ne­cer ain­da por um lon­go pe­río­do.

Re­na­to Ca­já nun­ca foi re­ser­va e Ré­gis só ren­deu qu­an­do saiu do ban­co

Gu­to Fer­rei­ra pas­sa ins­tru­ções para Ré­gis e Re­na­to Ca­já du­ran­te um trei­no do Bahia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.