Co­var­dia e pre­con­cei­to

Correio da Bahia - - Esporte -

Já pre­sen­ci­ei, al­gu­mas ve­zes, cri­an­ças na ar­qui­ban­ca­da cha­man­do jo­ga­dor de “pre­to bur­ro” de­pois de al­gu­ma jo­ga­da in­fe­liz. Qua­se em to­dos es­ses epi­só­di­os, os ga­ro­tos fo­ram du­ra­men­te re­pre­en­di­dos pe­los pais ou res­pon­sá­veis. Ati­tu­de lou­vá­vel! Es­tá­dio tam­bém é lu­gar para edu­car.

Não ve­jo o mes­mo com­por­ta­men­to, po­rém, qu­an­do um gu­ri vi­ra pro cam­po e cha­ma um jo­ga­dor de “vi­a­do”. Es­se é ape­nas um tra­ço da com­pla­cên­cia à ho­mo­fo­bia no nos­so fu­te­bol. Os pais não se po­si­ci­o­nam. Os clu­bes, CBF e fe­de­ra­ções tam­bém não. Sá­ba­do, o Flamengo en­trou em cam­po com uma ca­mi­sa ro­sa, em alu­são ao Ou­tu­bro Ro­sa, a cam­pa­nha na­ci­o­nal de pre­ven­ção ao cân­cer de ma­ma. Há al­guns anos, o Bahia fez o mes­mo. Jo­ga­do­res en­tra­ram de ro­sa, mas os ti­mes não atu­a­ram com a cor. Ou­vi­ram o hi­no e mu­da­ram de rou­pa. Num fu­te­bol ca­da vez mais per­mis­si­vo com ca­mi­sas de co­res al­ter­na­ti­vas (o Flamengo já jo­gou de azul, o Bahia de cin­za, o Vi­tó­ria de ama­re­lo, o Flu­mi­nen­se de la­ran­ja), por que não jo­gar de ro­sa? Pre­con­cei­to? Tal­vez.

Há dois anos, o Rayo Val­le­ca­no, da Es­pa­nha, lan­çou uma ca­mi­sa com lis­tras di­a­go­nais nas co­res do ar­co-íris, em prol da de­fe­sa do ca­sa­men­to gay. E atu­ou em par­ti­das do Cam­pe­o­na­to Es­pa­nhol com ela.

Por aqui, a CBF já fez cam­pa­nha con­tra o pre­con­cei­to ra­ci­al. Os ti­mes en­tra­ram em cam­po com fai­xas em al­gu­mas ro­da­das do Bra­si­lei­rão. Nu­ma ação bem cri­a­ti­va, o Bo­ta­fo­go che­gou a jo­gar com a or­dem das lis­tras pre­tas e bran­cas de seu uni­for­me in­ver­ti­das. Só o mais fa­ná­ti­co bo­ta­fo­guen­se é que per­ce­beu a mu­dan­ça. O si­te ofi­ci­al do clu­be es­tam­pou o ob­je­ti­vo: “mos­trar para o pú­bli­co que no fu­te­bol as co­res pre­ta e bran­ca são uma só, não fa­zem di­fe­ren­ça”. O Grê­mio che­gou a ser eli­mi­na­do de uma Co­pa do Brasil de­pois que tor­ce­do­res fo­ram fil­ma­dos em seu es­tá­dio gri­tan­do ofen­sas ra­cis­tas con­tra o go­lei­ro Ara­nha, en­tão na Pon­te Pre­ta.

In­fe­liz­men­te, o ra­cis­mo no fu­te­bol não aca­bou, mas tais ati­tu­des, en­tre ou­tras, aju­da­ram a di­mi­nuir dras­ti­ca­men­te a in­ci­dên­cia des­sa pra­ga den­tro e fo­ra dos nos­sos cam­pos.

Mas em de­fe­sa dos ho­mos­se­xu­ais, o fu­te­bol bra­si­lei­ro não faz na­da. Jo­ga­do­res su­pos­ta­men­te gays são hos­ti­li­za­dos pe­la tor­ci­da do pró­prio clu­be. Vi­de o exem­plo de Ri­charly­son, que não ti­nha o no­me sau­da­do pe­los são-pau­li­nos qu­an­do do anún­cio da es­ca­la­ção do ti­me no Mo­rum­bi. Den­tro dos ves­tiá­ri­os, o te­ma tam­bém é ta­bu. Quem é gay faz tu­do para es­con­der a op­ção te­men­do re­pre­sá­li­as internas e ex­ter­nas. Nin­guém se as­su­me. E to­do mun­do fin­ge que não exis­tem gays no fu­te­bol.

Um si­lên­cio que “ecoa” tam­bém na im­pren­sa. Qu­an­do sur­ge nas me­sas-re­don­das, o as­sun­to ser­ve ape­nas co­mo cha­co­ta e de­bo­che. Sim, nós jor­na­lis­tas, as­sim co­mo as en­ti­da­des es­por­ti­vas, tam­bém con­tri­buí­mos para o fu­te­bol con­ti­nu­ar sen­do um am­bi­en­te ex­tre­ma­men­te hos­til e cru­el para os gays. Quem te­rá co­ra­gem de re­mar con­tra es­sa cor­ren­te de pre­con­cei­to?

Mas em de­fe­sa dos

ho­mos­se­xu­ais, o fu­te­bol bra­si­lei­ro não faz na­da. Jo­ga­do­res su­pos­ta­men­te gays

são hos­ti­li­za­dos

CHATO MES­TRE

Tur­rão, mal-hu­mo­ra­do, man­dão e ex­tre­ma­men­te exi­gen­te. As­sim era Eva­ris­to de Ma­ce­do no iní­cio dos anos 2000, em sua pe­núl­ti­ma pas­sa­gem pe­lo Bahia. O mes­tre se me­tia até na es­ca­la­ção dos fun­ci­o­ná­ri­os da co­zi­nha do Fa­zen­dão. Eva­ris­to era mui­to chato, mas ti­nha mo­ral para is­so. Além do vas­to cur­rí­cu­lo co­mo jo­ga­dor e téc­ni­co, o Bahia de­le es­ta­va vo­an­do na­que­la épo­ca – cam­peão bai­a­no e do Nor­des­te e qua­dri­fi­na­lis­ta do Bra­si­lei­rão. Eva­ris­to só ama­ci­a­va qu­an­do ou­via um elo­gio. Ou vá­ri­os. Foi a es­tra­té­gia que usei para apren­der. Bas­ta­va che­gar per­to de­le com a lem­bran­ça de quem ti­nha si­do o re­cor­dis­ta de gols em uma par­ti­da pe­la Se­le­ção Bra­si­lei­ra ou do pri­mei­ro bra­si­lei­ro a bri­lhar pe­lo Bar­ce­lo­na e pron­to. Co­me­ça­vam as li­ções de fu­te­bol e de vi­da. Se por ge­ne­ro­si­da­de ou vai­da­de de­le, eu não sei. Fa­to é que apren­di mui­to com o mes­tre. Meu sen­ti­men­to por ele sem­pre se­rá de gra­ti­dão.

da­ri­no.se­na@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.