Sau­da­des, sim. Tris­te­za, não

Correio da Bahia - - Front Page -

Em no­vem­bro, lem­bra­mos, de ma­nei­ra es­pe­ci­al, dos en­tes que­ri­dos que já par­ti­ram. É nor­mal cho­rar o va­zio da sau­da­de. Mas, re­vi­ver as vir­tu­des, os bons exem­plos e o ca­ris­ma de quem par­tiu é um gran­de es­tí­mu­lo pa­ra vi­ver­mos me­lhor, na cer­te­za de que, com nos­sas al­mas pu­ri­fi­ca­das, es­ta­re­mos um dia jun­tos no­va­men­te. É es­sa cer­te­za que de­ve so­bre­por-se à tris­te­za e à dor da se­pa­ra­ção, acom­pa­nha­da da cons­ci­ên­cia de que a vi­da nes­te mun­do é fi­ni­ta.

Em ge­ral, na me­di­da em que va­mos en­ve­lhe­cen­do, ad­qui­ri­mos cons­ci­ên­cia de que de­ve­mos es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra um dia en­cer­rar nos­sa ca­mi­nha­da nes­te mun­do. En­vol­tos em so­nhos de con­quis­tas e re­a­li­za­ções, os mais jo­vens, co­mo é na­tu­ral, ten­dem a fu­gir des­sa cer­te­za de fi­ni­tu­de, da qual so­men­te se apro­xi­mam em mo­men­tos de per­das – do pai, da mãe, de um ir­mão, de ami­gos. E as se­pa­ra­ções são sempre mais trau­má­ti­cas em ca­so de um aci­den­te ou de do­en­ças gra­ves pre­ma­tu­ras.

Jo­vens ou ido­sos, to­dos de­ve­mos ter a cons­ci­ên­cia de que nin­guém vi­ve pa­ra sempre – ex­ce­to nos­sas al­mas. Co­mo o nascimento de uma cri­an­ça é sempre fon­te de gran­de fe­li­ci­da­de pa­ra uma fa­mí­lia, de­ve­mos es­tar cer­tos de que a mor­te é o re­nas­ci­men­to pa­ra a eter­ni­da­de. É es­sa cer­te­za, pre­ga­da por to­das as re­li­giões, que dá sen­ti­do à nos­sa vi­da aqui na Ter­ra e ali­men­ta nos­sa lu­ta em bus­ca da Ver­da­de.

O gran­de au­tor e lí­der es­pi­ri­tu­al ja­po­nês Ryuho Okawa nos lem­bra, em Men­sa­gens do Céu (IRH Press do Bra­sil), que “tanto Bu­da quan­to Jesus en­si­na­ram que a al­ma é nos­sa ver­da­dei­ra na­tu­re­za e que es­ta­mos vi­ven­do nes­te mun­do ape­nas tem­po­ra­ri­a­men­te. Es­sas ver­da­des nun­ca irão mu­dar” e ape­nas pre­ci­sam ser trans­mi­ti­das em lin­gua­gem atu­al às pes­so­as de nos­so mun­do ma­te­ri­a­lis­ta e con­su­mis­ta.

“O mun­do pre­ci­sa de co­nhe­ci­men­to es­pi­ri­tu­al, is­to é, sa­ber de on­de vêm as al­mas e pa­ra on­de irão após a mor­te. É es­sen­ci­al pa­ra a nos­sa fe­li­ci­da­de sa­ber­mos que so­mos se­res es­pi­ri­tu­ais”, diz Okawa. “Não im­por­ta o quan­to acu­mu­le­mos de co­nhe­ci­men­to, não te­re­mos sa­be­do­ria de fa­to e não en­con­tra­re­mos o ca­mi­nho de ca­sa se não sou­ber­mos de on­de vi­e­mos e pa­ra on­de va­mos”.

So­men­te com es­sa fé na eter­ni­da­de con­se­gui­re­mos acei­tar as mar­cas do tem­po e nos­so pró­prio fim. Wil­li­am Sha­kes­pe­a­re, em seu So­ne­to 19, des­cre­ve de for­ma ma­gis­tral o en­ve­lhe­ci­men­to. Re­fe­re-se ao tem­po co­mo vo­raz, que “cor­ta as gar­ras do leão” e “ar­ran­ca os den­tes afi­a­dos da fe­roz man­dí­bu­la do ti­gre”, não evi­tan­do nem o “cri­me he­di­on­do” de mar­car “com as ho­ras” a be­la fron­te de um amor. Mais lí­ri­co, o edu­ca­dor e po­e­ta Ru­bens Al­ves diz que “Deus exis­te pa­ra tran­qui­li­zar a sau­da­de. Quem é ri­co em so­nhos não en­ve­lhe­ce nun­ca. Po­de até ser que mor­ra de re­pen­te. Mas mor­re­rá em ple­no voo...”

Que es­te mês de no­vem­bro re­a­vi­ve em ca­da um de nós, ido­sos ou não, a cons­ci­ên­cia de que de­ve­mos es­tar sempre pre­pa­ra­dos pa­ra dei­xar es­te mun­do, vi­ven­do ca­da dia co­mo se fos­se o úl­ti­mo, com fé, amor, con­fi­an­ça e tran­qui­li­da­de. Em As Leis da Sa­be­do­ria, ou­tro de seus mais de dois mil li­vros pu­bli­ca­dos, Ryuho Okawa en­si­na que, “de­pois da mor­te, a úni­ca coi­sa que o ser hu­ma­no po­de le­var de vol­ta con­si­go pa­ra o ou­tro mun­do é seu ‘co­ra­ção’. Den­tro de­le re­si­de a ‘sa­be­do­ria’”. O au­tor afir­ma que “é im­por­tan­te que vo­cê le­ve um ti­po de vi­da que não se­ria mo­ti­vo de ver­go­nha ou de­son­ra se vo­cê es­ti­ves­se no mun­do ce­les­ti­al” (do li­vro Tra­ba­lho e Amor).

Que a lem­bran­ça dos que já par­ti­ram re­no­ve nos­sa fé em uma vi­da eter­na e nos es­ti­mu­le a imi­tar os bons exem­plos e as vir­tu­des cul­ti­va­das pe­los en­tes que­ri­dos, re­a­li­zan­do nos­sos pró­pri­os so­nhos de fe­li­ci­da­de. A lem­bran­ça de tu­do o que eles fi­ze­ram de bom ao lon­go de sua vi­da é um gran­de es­tí­mu­lo em nos­sa ca­mi­nha­da. Sau­da­des, sim. Tris­te­za, não.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.