Pre­ço do gás so­be pe­la se­gun­da vez es­te ano e fi­ca até R$ 2 mais ca­ro

Correio da Bahia - - Economia -

REPASSE O pre­ço do bo­ti­jão do gás de co­zi­nha de 13 kg vai su­bir pe­la se­gun­da vez es­te ano pa­ra o con­su­mi­dor fi­nal. Após dois me­ses do úl­ti­mo au­men­to pra­ti­ca­do ape­nas pe­los re­ven­de­do­res, a Pe­tro­bras al­te­rou os con­tra­tos de for­ne­ci­men­to de GLP (gás li­que­fei­to de pe­tró­leo) com as dis­tri­bui­do­ras a fim de re­du­zir cus­tos de lo­gís­ti­ca, so­bre­tu­do com es­to­ca­gem. Se­gun­do o di­re­tor do Sin­di­ca­to dos Re­ven­de­do­res de Gás do Es­ta­do da Bahia (Sin­rev­gas), Ed­gar Cardoso, na prá­ti­ca, o re­a­jus­te de mais 3% - que vem de­pois de um au­men­to de 15% em se­tem­bro - vai sig­ni­fi­car en­tre R$ 1 e R$ 2 a mais no pre­ço pa­go pe­lo con­su­mi­dor fi­nal. O pri­mei­ro re­a­jus­te foi fei­to pe­las pró­pri­as re­ven­de­do­ras pa­ra co­brir au­men­to de cus­tos pro­vo­ca­do por ne­go­ci­a­ção tra­ba­lhis­ta. Em Sal­va­dor, o pre­ço mé­dio do bo­ti­jão de 13 kg po­de su­bir de R$ 65 pa­ra R$ 67. “É au­men­to em ci­ma de au­men­to. Nu­ma eco­no­mia re­ces­si­va, a gen­te vê es­te au­men­to com pre­o­cu­pa­ção”, afir­ma Cardoso. Ain­da de acor­do com ele, no úl­ti­mo ano, o mer­ca­do na Bahia re­gis­trou que­da de 3% nas ven­das e por is­so as dis­tri­bui­do­ras não têm co­mo ab­sor­ver o au­men­to de cus­tos pro­vo­ca­da pe­la de­ci­são da Pe­tro­bras. “Es­te ano, a nos­sa pre­vi­são tam­bém é de re­du­ção. São mui­tos res­tau­ran­tes que fe­cha­ram por con­ta da cri­se. Além dis­so, quem fa­zia re­ser­va de gás e ti­nha dois bo­ti­jões dei­xou de fa­zer is­so, as­sim co­mo mui­ta gen­te que vol­tou pa­ra a ca­sa dos pais na ten­ta­ti­va de re­du­zir des­pe­sas”, pon­tu­ou. O au­men­to não vai de­mo­rar de che­gar mui­to ao con­su­mi­dor. Das cin­co dis­tri­bui­do­ras que ope­ram na Bahia - Bra­sil­gás, Na­ci­o­nal Gás, SHV, Co­pa­gás e Li­qui­gás - os bo­ti­jões já so­fre­ram o re­a­jus­te des­de on­tem na Li­que­gás. Nas de­mais em­pre­sas o pre­ço de­ve au­men­tar até a sex­ta-fei­ra (4). “Aque­le cli­en­te que a gen­te ti­nha que tro­ca­va de gás to­do mês es­tá fa­zen­do uma eco­no­mia mai­or e se­gu­ran­do o gás por dois me­ses”, afir­ma o dis­tri­bui­dor da Li­qui­gás, que ven­de o pro­du­to em Fa­zen­da Cou­tos, Pa­ri­pe e Va­lé­ria, José Rai­mun­do Mas­ca­re­nhas. “Em tem­pos de cri­se, um se­gun­do au­men­to não pre­ju­di­ca só o con­su­mi­dor, mas tam­bém o nos­so ne­gó­cio”, fa­lou. A Pe­tro­bras es­ti­ma que o acrés­ci­mo de 0,36% pa­ra o dis­tri­bui­dor não de­ve­rá pas­sar de R$ 0,70 por bo­ti­jão de 13 kg. A jus­ti­fi­ca­ti­va da­da pe­la es­ta­tal é que nas en­tre­gas fei­tas por na­vio, mui­tas ve­zes o GLP é ar­ma­ze­na­do em tan­ques da com­pa­nhia. O pre­ço co­bra­do de quem usa a in­fra­es­tru­tu­ra da Pe­tro­bras era o mes­mo apli­ca­do àque­les que não usa­vam. “A par­tir de ago­ra, pas­sa a ser di­fe­ren­ci­a­do, sen­do in­fe­ri­or pa­ra quem dis­põe de in­fra­es­tru­tu­ra pró­pria ou car­re­ga o GLP di­re­to do na­vio da ca­bo­ta­gem, es­ti­mu­lan­do as dis­tri­bui­do­ras a in­ves­ti­rem em ar­ma­ze­na­men­to”, pon­tu­ou a Pe­tro­bras em no­ta ao CORREIO.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.