24h Gru­ta de­sa­ba e dei­xa dez mortos no To­can­tins

Correio da Bahia - - Brasil -

MISSA Dez pes­so­as mor­re­ram e se­te fi­ca­ram fe­ri­das on­tem após o de­sa­ba­men­to de uma gru­ta em San­ta Ma­ria do To­can­tins, a 270 quilô­me­tros da ca­pi­tal, Pal­mas, re­gião nor­des­te do es­ta­do. O lo­cal é usa­do pa­ra mis­sas e 50 fiéis es­ta­vam ali pa­ra acom­pa­nhar uma ce­rimô­nia re­li­gi­o­sa pe­lo Dia de To­dos os San­tos quan­do uma rocha de­sa­bou, cau­san­do a tra­gé­dia. Os bom­bei­ros de Co­li­nas do To­can­tins dis­se­ram que fo­ram aci­o­na­dos por vol­ta das 11h e que três equi­pes fo­ram pa­ra o lo­cal.

En­tre os mortos, es­ta­vam du­as cri­an­ças. Cin­co fe­ri­dos fo­ram le­va­dos pa­ra o hos­pi­tal de Pe­dro Afon­so e dois, com fra­tu­ras ex­pos­tas, pa­ra o Hos­pi­tal Ge­ral de Pal­mas e pa­ra uma uni­da­de pri­va­da, tam­bém na ca­pi­tal do To­can­tins. De acor­do com a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al da Saú­de, o es­ta­do das ví­ti­mas era es­tá­vel na noi­te de on­tem. Os mo­ra­do­res de San­ta Ma­ria se mo­bi­li­za­ram pa­ra so­cor­rer as ví­ti­mas e o he­li­cóp­te­ro da Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca foi des­lo­ca­do ao lo­cal pa­ra atu­ar na pro­cu­ra pe­los fe­ri­dos. A pre­fei­ta de San­ta Ma­ria, Hé­len Ruth de Freitas Sou­za, con­si­de­rou a tra­gé­dia de­ses­pe­ra­do­ra e de­cre­tou lu­to ofi­ci­al de três di­as, as­sim co­mo o go­ver­na­dor do es­ta­do, Mar­ce­lo Mi­ran­da. “Nun­ca ima­gi­ná­va­mos uma tra­gé­dia des­se por­te. É de­ses­pe­ra­dor”, la­men­tou a pre­fei­ta. Ela dis­se que to­da a ci­da­de es­tá mo­bi­li­za­da. “En­vi­a­mos car­ros, pes­so­as, má­qui­nas. En­tra­mos em con­ta­to com pre­fei­tos de ci­da­des cir­cun­vi­zi­nhas, que tam­bém es­tão dan­do su­por­te”, ex­pli­cou.

O pa­dre Ri­vo­nal­do da Sil­va San­tos, que re­zou uma missa mo­men­tos an­tes do aci­den­te, dis­se ao G1 que a pe­dra des­pen­cou de re­pen­te. “Foi tu­do mui­to rá­pi­do, não pu­de­mos fa­zer na­da”, la­men­tou. “Não te­ve ne­nhum si­nal, ne­nhum tre­mor, ape­nas des­pen­cou”, dis­se o sa­cer­do­te.

“O que res­ta é dar o con­for­to às fa­mí­li­as e a vi­da con­ti­nua. Qu­e­re­mos fa­zer a missa pró­xi­mo do lo­cal por­que tem to­do um sig­ni­fi­ca­do. So­bre a de­vo­ção po­pu­lar no lo­cal, a gen­te pre­ci­sa ver a pe­rí­cia e o re­la­tó­rio que se­rão fei­tos. Po­de ser que o lo­cal cor­ra risco e se­ja iso­la­do”, com­ple­tou. “Es­ta­vam to­dos re­zan­do. Aí caiu o pe­da­ço do te­to em ci­ma do po­vo. Ti­nha cer­ca de 15 pes­so­as no lo­cal on­de caiu. To­do mun­do saiu cor­ren­do e os pa­ren­tes das ví­ti­mas fi­ca­ram lá gri­tan­do so­cor­ro”, re­la­tou Wil­son Men­des Ro­dri­gues, tes­te­mu­nha que es­ta­va no lo­cal no momento do aci­den­te.

De­fe­sa Ci­vil de To­can­tins es­te­ve em gru­ta pa­ra ava­li­ar a es­tru­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.