Mais

Correio da Bahia - - Mundo - Alexandre.ly­rio@re­de­bahia.com.br

Pa­ra a es­cri­to­ra chi­ne­sa Kwong Ku­en Shan, ga­tos são co­mo fi­ló­so­fos: se­re­nos, só fa­zem o que que­rem e en­xer­gam o tem­po sem o pas­sa­do e o fu­tu­ro. “O que im­por­ta pa­ra eles é o aqui e ago­ra”, diz ela. Pen­sa­dor de es­qui­na no bair­ro da Fe­de­ra­ção, es­tu­di­o­so in­cons­ci­en­te do so­fri­men­to hu­ma­no, ver­sa­do em fi­lo­so­fia da dor e da sau­da­de, João Fran­cis­co San­tos, 78 anos, con­tes­ta, ain­da que sem que­rer, a te­se da es­pe­ci­a­lis­ta.

Pa­ra João, ga­tos são, na ver­da­de, ex­ce­len­tes pro­fe­tas. In­clu­si­ve, com uma cu­ri­o­sa ca­pa­ci­da­de: a de pres­sen­tir a mor­te e a de en­xer­gar os mortos. Coveiro mais an­ti­go do Cam­po San­to, ele cuida de 45 bi­cha­nos que se es­guei­ram pe­las cam­pas e ve­lam tú­mu­los do mais an­ti­go ce­mi­té­rio de Sal­va­dor. Com a au­to­ri­da­de de quem vi­ve na eter­na an­tí­te­se de cui­dar da mor­te dos seus pa­res e da vi­da dos seus ga­tos, seu João dis­pa­ra:

“Os ga­tos adi­vi­nham o fu­tu­ro. Sa­bem se vo­cê es­tá do­en­te, se es­tá per­to de mor­rer”, acre­di­ta o coveiro, que ape­sar de apo­sen­ta­do do ce­mi­té­rio há 19 anos, con­ti­nua tra­ba­lhan­do to­dos os di­as no mes­mo lo­cal. Faz is­so por dois mo­ti­vos: servir aos cli­en­tes an­ti­gos e, cla­ro, cui­dar dos ga­tos, os quais cha­ma um a um pe­lo no­me.

Pa­ra quem não co­nhe­ce seu João de per­to, tal­vez se­ja di­fí­cil en­ten­der o mo­ti­vo de tanto amor pe­los bi­chos. Mas a ex­pli­ca­ção po­de es­tar no pró­prio ofí­cio que es­co­lheu. Só há uma for­ma de su­por­tar a mor­te to­dos os di­as: es­ta­be­le­cen­do uma re­la­ção ín­ti­ma com o que es­tá vi­vo. “Es­ses ga­tos são mi­nha vi­da. Cui­do de­les co­mo fiz com meus fi­lhos um dia. Es­tão to­dos cres­ci­dos”, diz João, pai de se­te fi­lhos, oi­to ne­tos e três bis­ne­tos.

GATINHO SEM VI­DA

Os en­ter­ros emo­ci­o­na­dos já não o cho­cam mais. Bas­ta, po­rém, mor­rer um ga­to, pa­ra o chão se abrir. O ho­mem que en­ter­ra cor­pos hu­ma­nos há 54 anos não su­por­ta ver um gatinho sem vi­da. “Se eu che­gar, cha­mar pa­ra dar co­mi­da e não en­con­trar um de­les, já fi­co doi­do. Quan­do mor­re um é mes­mo que ti­rar um pe­da­ço de mim”, ad­mi­te. Acon­te­ceu com Bran­qui­nha, a ma­tri­ar­ca de to­dos os ga­tos bran­cos, mai­o­ria no ce­mi­té­rio.

To­dos os di­as, Bran­qui­nha es­pe­ra­va João na por­ta de en tra­da on­de ocor­rem os ve­ló­ri­os. “Era sex­ta-fei­ra e na­que­le dia, eu não en­con­trei. Ma­ta­ram ela. Acha­ram mor­ta den­tro de um cór­re­go que tem ali”, lem­bra. “João era só tris­te­za. Fi­cou três di­as sem co­mer”, con­fir­mou um dos se­gu­ran­ças do Cam­po San­to. “Mas quem fez is­so vai pa­gar, né? Não vai fi­car im­pu­ne”, acre­di­ta o coveiro, sem sa­ber que no Egi­to an­ti­go quem ma­tas­se um ga­to era con­de­na­do à mor­te.

Mas, se a Ida­de Mé­dia trou­xe o pre­con­cei­to com os bi­cha­nos, seu João acre­di­ta na lei do re­tor­no. “Tem gen­te que im­pli­ca sem mo­ti­vo. Tem gen­te que dá ve­ne­no aos ga­tos. Da­qui a pou­co apa­re­ce com uma dor e o mé­di­co não des­co­bre o que é. Ele tá co­lhen­do o que plan­tou”. E Char­mo­so? A his­tó­ria de Char­mo­so te­ve um fi­nal bem di­fe­ren­te. Apa­re­ceu com um he­ma­to­ma na per­na. Pro­va­vel­men­te re­sul­ta­do da agres­são de al­guém. O pró­prio João o le­vou pa­ra o ve­te­ri­ná­rio.

Char­mo­so fi­cou in­ter­na­do por dez di­as. Quem pa­gou a con­ta? “Gas­tei R$ 2,5 mil. Dei­xei de com­prar mi­nhas coi­sas, mas não dei­xei ele mor­rer. É uma vi­da, né?”, re­pe­tiu. Nas cin­co dé­ca­das den­tro do ce­mi­té­rio, João nun­ca viu uma al­ma que se­ja pe­ram­bu­lan­do. Ele pró­prio acre­di­ta na exis­tên­cia de es­pí­ri­tos, mas acha que os ga­tos não os dei­xam as­som­brar pe­la área.

“Os ga­tos afas­tam es­pí­ri­tos ruins. Eles en­xer­gam coi­sas que nos­so olho não vê”. Aos que de­mons­tram al­gum pre­con­cei­to com a pre­sen­ça dos bi­cha­nos, seu João ga­ran­te que eles afas­tam tam­bém tu­do o que é de ruim. “Ra­to e ba­ra­ta não fi­cam. São bi­chos mui­to lim­pos. Ga­to é uma lim­pe­za em be­ne­fí­cio da saú­de de to­do mun­do. Mui­ta gen­te mor­re de lep­tos­pi­ro­se”, aler­ta.

ILUSTRES

Além dos seus bi­cha­nos e de gen­te anô­ni­ma, João dos Ga­tos é acos­tu­ma­do a en­ter­rar pes­so­as ilustres e de fa­mí­li­as tra­di­ci­o­nais. Do ex-se­na­dor ACM ao ex-pre­fei­to Clé­ris­ton Andrade, do ex-de­pu­ta­do Luís Edu­ar­do Ma­ga­lhães à edu­ca­do­ra fe­mi­nis­ta Hen­ri­que­ta Mar­tins Catha­ri­no, ele par­ti­ci­pou dos gran­des se­pul­ta­men­tos do Cam­po San­to. In­clu­si­ve dos úl­ti­mos, do ex-em­pre­sá­rio Nor­ber­to Ode­bre­cht e, mais re­cen­te, do pa­dre Gaspar Sa­doc.

“O mai­or en­ter­ro que vi foi o de ACM. Veio gen­te até do ex­te­ri­or”, lem­bra. Ho­je, de­pois de mui­tos anos de ser­vi­ço, João con­se­gue pas­sar in­có­lu­me às do­res dos fa­mi­li­a­res. “A gen­te fi­ca ca­le­ja­do. Já vi mui­ta gen­te cho­ran­do. De­pois do en­ter­ro, vou atrás dos meus ga­tos e es­que­ço. A vi­da se­gue, né?”. Até por­que o pró­prio João já es­te­ve en­tre a vi­da e a mor­te.

Na vés­pe­ra do Dia de Fi­na­dos de 1987, qua­se vi­rou a noi­te no ce­mi­té­rio pre­pa­ran­do tu­do pa­ra os vi­si­tan­tes. No dia se­guin­te, atra­sa­do pa­ra o tra­ba­lho, re­sol­veu pe­gar um tá­xi. Mo­ra­va per­to, na Ave­ni­da Car­de­al da Sil­va. No iní­cio da Rua Ca­e­ta­no Mou­ra, cur­va da Es­co­la Po­li­téc­ni­ca, o Fus­ca em que es­ta­va per­deu o con­tro­le e ba­teu de la­do com a frente de um ôni­bus.

O coveiro mais an­ti­go do Cam­po San­to viu a mor­te de per­to no dia em que ela é ho­me­na­ge­a­da. “Olha, eu fi­quei en­tre a vi­da e a mor­te. Per­di mui­to san­gue. Nas­ci de no­vo”. A vi­da de João, en­fim, é as­sim: tra­ba­lha com os mortos, cuida de bi­chos de se­te vidas e re­nas­ceu em ple­no Dia de Fi­na­dos. Com es­sa in­cau­ta tra­je­tó­ria, te­ria ele me­do de mor­rer? “Me­do de mor­rer? Quem tem me­do de mor­rer é por­que nun­ca vi­veu”, fi­lo­so­fou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.