Cor­ri­da pa­ra to­dos

Correio da Bahia - - Esporte -

Se eu per­gun­tar a al­guém qual o es­por­te mais de­mo­crá­ti­co, cor­ro um gran­de risco de ou­vir a pa­la­vra fu­te­bol. Al­gu­ma coi­sa co­mo “só pre­ci­sa de uma bo­la e um es­pa­ço pa­ra jo­gar” vai ilus­trar o seu ar­gu­men­to e uma ima­gem de cri­an­ças cor­ren­do des­cal­ças com uma bo­la de meia sur­ra­da e chi­ne­los de­li­mi­tan­do o gol vai pas­sar por sua ca­be­ça.

Res­pei­to, mas te­nho re­fle­ti­do so­bre ou­tra pos­si­bi­li­da­de: a cor­ri­da de rua. Pa­ra mim, a cor­ri­da de rua tem ga­nha­do es­pa­ço co­mo o es­por­te mais de­mo­crá­ti­co que exis­te. Pa­ra co­me­çar a mi­nha de­fe­sa, afir­mo que é de­mo­crá­ti­co não só por exi­gir pou­co in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro pa­ra aque­les que que­rem co­me­çar a prá­ti­ca ou não so­nham com o ren­di­men­to de al­to ní­vel. Afi­nal, a mes­ma cri­an­ça des­cal­ça que jo­ga fu­te­bol po­de­ria es­tar cor­ren­do. Não é o ide­al pa­ra am­bas as mo­da­li­da­des, mas é pos­sí­vel e mui­to co­mum.

Mas, prin­ci­pal­men­te, por­que a cor­ri­da de rua exi­ge do pra­ti­can­te uma ha­bi­li­da­de qua­se ins­tin­ti­va, que nas­ceu co­nos­co jun­to com os pri­mei­ros pas­sos: a von­ta­de de cor­rer. Não é pre­ci­so ser cra­que em pas­ses, ter des­tre­za com uma bo­la ou, até mes­mo, um ta­len­to es­pe­ci­al. Só pre­ci­sa sa­ber cor­rer. E is­so, to­do mun­do que já fez al­gu­ma ar­ti­ma­nha na in­fân­cia e viu o ros­to da mãe se con­tor­cer em câ­me­ra len­ta ao som do seu no­me com­ple­to, apren­deu mui­to bem.

E o tem­po que, em ou­tros es­por­tes, de­ter­mi­na o iní­cio e o fim da car­rei­ra do atle­ta, na cor­ri­da de rua, é um me­ro co­ad­ju­van­te. A ida­de não faz di­fe­ren­ça pa­ra quem quer co­me­çar a cor­rer, mui­to me­nos pa­ra aque­les que já se ren­de­ram à prá­ti­ca. Mi­nha mãe, por exem­plo, co­me­çou a cor­rer com 55 anos e ho­je co­le­ci­o­na me­da­lhas co­mo ma­ra­to­nis­ta. A úl­ti­ma, ela trou­xe pa­ra ca­sa no mês pas­sa­do, de­pois de com­ple­tar a Ma­ra­to­na de Foz do Igua­çu em quin­to lu­gar em sua ca­te­go­ria.

O pe­so tam­bém não im­pe­de a ati­vi­da­de. Pe­lo con­trá­rio, mui­tas ve­zes ele fun­ci­o­na co­mo o ga­ti­lho que dá iní­cio à prá­ti­ca. E, com is­so, mais uma vez, a cor­ri­da de­mons­tra seu as­pec­to de­mo­crá­ti­co. Afi­nal, quan­tas pes­so­as vo­cê co­nhe­ce que, ao ten­tar ema­gre­cer, bus­cam a cor­ri­da co­mo pri­mei­ra al­ter­na­ti­va?

Ela não exi­ge ma­trí­cu­la, não exi­ge um lo­cal com equi­pa­men­tos, não exi­ge na­da além da sua ener­gia. E aí con­sis­te mais um pon­to des­sa de­mo­cra­cia. A cor­ri­da de rua po­de ser fei­ta em qual­quer lu­gar. Me­lhor ain­da, em qual­quer lu­gar pú­bli­co. Não pre­ci­sa de um cam­po, não pre­ci­sa de uma qua­dra, de uma aca­de­mia, ins­ta­la­ções, apa­re­lhos e afins. Só pre­ci­sa de for­ça de von­ta­de.

É cla­ro que um bom tê­nis vai fa­zer di­fe­ren­ça no de­sem­pe­nho do atle­ta, uma rou­pa ade­qua­da vai con­tri­buir com o con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co, par­ti­ci­par de um grupo de cor­ri­da po­de ga­ran­tir mais es­tí­mu­lo e ter o au­xí­lio de pro­fes­so­res de Edu­ca­ção Fí­si­ca é im­pres­cin­dí­vel pa­ra uma prá­ti­ca cor­re­ta e se­gu­ra. Mas, se pen­sar­mos no ce­ná­rio mais sim­ples, em que ne­nhu­ma des­sas op­ções es­te­ja dis­po­ní­vel, a cor­ri­da de rua po­de es­tar pre­sen­te.

E se is­so tu­do não for o su­fi­ci­en­te pa­ra dei­xar a cor­ri­da de rua no pá­reo pe­lo tí­tu­lo de es­por­te mais de­mo­crá­ti­co, vou apre­sen­tar os ar­gu­men­tos der­ra­dei­ros: os be­ne­fí­ci­os des­sa ati­vi­da­de fí­si­ca. Afi­nal, de na­da adi­an­ta­ria es­sa fa­ci­li­da­de em cor­rer se ela não es­ti­ves­se atre­la­da à me­lho­ra na saú­de.

Cor­rer me­lho­ra a an­si­e­da­de e a ten­são, a li­bi­do e a qua­li­da­de do so­no. Re­duz a gor­du­ra cor­po­ral e apri­mo­ra a ca­pa­ci­da­de car­di­o­vas­cu­lar e pul­mo­nar. Ga­ran­te mais for­ça aos mem­bros in­fe­ri­o­res, to­ni­fi­ca os mús­cu­los e au­xi­lia na re­du­ção da os­te­o­po­ro­se. Me­lho­ra os ní­veis de co­les­te­rol e di­mi­nui a pres­são san­guí­nea. Cor­rer ain­da au­men­ta os ní­veis de do­pa­mi­na, res­pon­sá­vel pe­la sen­sa­ção de pra­zer, e li­be­ra en­dor­fi­na, res­pon­sá­vel pe­lo bom hu­mor. Não há co­mo con­tes­tar. A cor­ri­da de rua, de­fi­ni­ti­va­men­te, me­re­ce um lu­gar no rol dos es­por­tes mais po­pu­la­res e de­mo­crá­ti­cos que exis­tem. E se vo­cê ain­da tem dú­vi­das, acon­se­lho a co­lo­car um tê­nis e dar uma vol­ta. A gen­te con­ver­sa de­pois dis­so.

Não pre­ci­sa de um cam­po, não pre­ci­sa de uma qua­dra,

de uma aca­de­mia, ins­ta­la­ções, apa­re­lhos e afins. Só pre­ci­sa de

for­ça de von­ta­de

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.