Com mis­sas e mú­si­ca, ce­mi­té­rio fi­ca lo­ta­do

Correio da Bahia - - Bahia -

DIA DE FI­NA­DOS Além de cor­re­do­res e ga­le­ri­as chei­os, igre­ja lo­ta­da e mui­tos ven­de­do­res de flo­res, o Dia de Fi­na­dos tam­bém foi de mú­si­ca no Ce­mi­té­rio Campo San­to. Lo­go na en­tra­da, mú­si­cos re­cep­ci­o­na­vam o pú­bli­co. O vi­o­li­nis­ta Lu­cas Oli­vei­ra pre­fe­riu um re­per­tó­rio dis­tan­te dos cli­chês. “Es­tou fa­zen­do uma coi­sa mais ale­gre, as mú­si­cas que o pessoal cos­tu­ma pe­dir e as que tra­zem lem­bran­ças”. Pou­co usa­da pa­ra abri­gar ve­ló­ri­os, a igre­ja do Campo San­to fi­cou pe­que­na pa­ra o pú­bli­co. Às 9h30, o ar­ce­bis­po de Sal­va­dor e pri­maz do Bra­sil, dom Mu­ri­lo Kri­e­ger, ce­le­brou a mis­sa em ho­me­na­gem aos que par­ti­ram. Pa­ra ele, a da­ta é de re­fle­xão. “É um mo­men­to de a gen­te olhar pa­ra o pas­sa­do, pa­ra as pes­so­as que ama­mos e per­de­mos, que não es­tão mais on­de a gen­te es­tá, mas que dei­xa­ram lem­bran­ças, en­si­na­men­tos e pa­la­vras de in­cen­ti­vo”. O con­sul­tor de ven­das Carlos Paim, 50, foi à mis­sa pe­la pri­mei­ra vez. “Há um ano e meio per­di a mi­nha mãe e vim aqui pas­sar um tem­po com ela”. Já Maria de Fá­ti­ma Re­go, 70, e o ma­ri­do, Artur Na­po­leão Re­go, 72, são ve­te­ra­nos. “Des­de que nos ca­sa­mos, há 46 anos, a gen­te vem aqui lim­par os tú­mu­los dos pais de­le, dos meus pais e dos meus avós”, dis­se Maria. Du­ran­te o dia, hou­ve mais mis­sas e uma ce­le­bra­ção ecu­mê­ni­ca.

Pa­ren­tes vi­si­tam tú­mu­los e dei­xam flo­res no Ce­mi­té­rio Campo San­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.