No­vas vo­zes em bus­ca de po­der

Correio da Bahia - - Front Page -

O COR­REIO re­ce­beu, na ter­ça-fei­ra, a vi­si­ta da MC Sof­fia, de 12 anos, e do gru­po de funk Dre­am Te­am, qua­tro ra­pa­zes e uma mo­ça, com ida­des en­tre 19 e 36 anos. Além da mú­si­ca que faz su­ces­so nas pis­tas, das rou­pas co­lo­ri­das e do vi­su­al Black, o sex­te­to tem em co­mum a vi­da de ga­ro­tos ne­gros nas­ci­dos nas fa­ve­las do Rio e de São Pau­lo e, mui­to mais sig­ni­fi­ca­ti­vo, o dis­cur­so. Jo­vens por­ta-vo­zes de um mo­vi­men­to que sur­giu ti­mi­da­men­te nos anos 80, ga­nhou cor­po no no­vo mi­lê­nio e che­ga a es­ta dé­ca­da em fran­ca evo­lu­ção, a tur­ma traz no ver­bo um no­vo jei­to de se po­si­ci­o­nar fren­te a ta­bus ain­da não su­pe­ra­dos, co­mo a mai­or pre­sen­ça do que os seis cha­mam de “pre­tos” nos es­pa­ços de po­der e vi­si­bi­li­da­de so­ci­al.

O que se vê em Sof­fia, Le­le­zi­nha, Di­e­go Bre­gue­te, Pa­bli­nho, Hil­ti­nho e Ra­fa­el Mi­ke, o ve­te­ra­no da tur­ma, vai além da re­tó­ri­ca da ex­clu­são. Al­go que dei­xou de­sa­tu­a­li­za­dos mo­vi­men­tos de de­fe­sa dos des­cen­den­tes de ne­gros transformados em escravos, os mes­mos que abri­ram es­pa­ço pa­ra a che­ga­da. O pri­mei­ro as­pec­to que sal­tou aos olhos no ba­te-pa­po dos ar­tis­tas com a equi­pe de re­pór­te­res e edi­to­res do jor­nal é a au­to­es­ti­ma em al­ta. E a bus­ca in­ces­san­te em ele­var a mo­ral de quem con­vi­ve em co­mu­ni­da­des sob o mes­mo guar­da-chu­va da ra­ça, das ques­tões de gê­ne­ro e con­di­ção so­ci­al na li­nha da po­bre­za.

Qu­an­do fa­lam so­bre pers­pec­ti­vas de fu­tu­ro, em vez de ape­nas olhar o re­tro­vi­sor, eles mi­ram o que exis­te por mu­dar no fu­tu­ro pró­xi­mo e do que jo­vens co­mo eles po­dem fa­zer pa­ra ace­le­rar o pas­si­nho, no­me de uma das mais fa­mo­sas mú­si­cas do Dre­am Te­am. Em pro­gra­mas de TV, usam os es­pa­ços não só pa­ra di­zer o ób­vio – que os ne­gros são bo­ni­tos, in­te­li­gen­tes, do­nos de uma cri­a­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca sem par. Apro­vei­tam as vi­tri­nes pa­ra pre­gar que po­dem mais e que é che­ga­da a ho­ra de ocu­par os es­pa­ços pe­la por­ta da fren­te. Se fa­lam so­bre edu­ca­ção, o re­ca­do ul­tra­pas­sa dis­cus­sões so­bre co­tas, que acham im­por­tan­te, mas bem me­nos que a ne­ces­si­da­de de in­ves­tir na edu­ca­ção bá­si­ca, pa­ra que che­gue o tem­po em que os ne­gros po­bres al­can­cem uni­ver­si­da­des pú­bli­cas com as pró­pri­as per­nas e cé­re­bros. Se o as­sun­to é pre­con­cei­to, evi­tam cair no de­ba­te mui­to co­mum so­bre a re­a­ção pu­ra e sim­ples. Pre­fe­rem que­brar as re­sis­tên­ci­as con­vo­can­do a mo­le­ca­da que os ou­ve a de­sen­vol­ver a cons­ci­ên­cia ci­da­dã, cui­dar da au­to­es­ti­ma e dos es­tu­dos, pra­ti­car es­por­te ou in­gres­sar na car­rei­ra ar­tís­ti­ca, a cor­tar a má raiz do ma­chis­mo, a se unir na fa­ve­la. Me­ca­nis­mos vá­li­dos e alhei­os a ban­dei­ras par­ti­dá­ri­as, usa­dos por eles pa­ra as­cen­der so­ci­al­men­te e ra­char pa­ra­dig­mas.

Mais do que is­so, a vi­si­ta dos fun­kei­ros ca­ri­o­cas e da pe­que­na pau­lis­ta­na can­to­ra de rap ao even­to En­con­tros & Afri­ca­ni­da­des, re­a­li­za­do quar­ta e quin­ta-fei­ra em Sal­va­dor, dei­xou em quem os ou­viu can­tar e fa­lar a im­pres­são de que – pa­ra­fra­se­an­do Zé do Ca­ro­ço, da can­to­ra e com­po­si­to­ra Le­ci Bran­dão -, es­tão nas­cen­do no­vos lí­de­res no Mor­ro do Pau da Ban­dei­ra. Num mo­men­to em que o Bra­sil se res­sen­te da au­sên­cia de no­mes com tal per­fil, é im­por­tan­te que sur­jam vo­zes re­no­va­das pa­ra cau­sas tão sig­ni­fi­ca­ti­vas. Tal­vez, com o en­ga­ja­men­to des­sa ge­ra­ção, o país re­du­za prá­ti­cas de­le­té­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.