Pri­mei­ro dia do Enem tem ques­tões so­bre Ham­let, gê­ne­ro e re­fu­gi­a­dos

Correio da Bahia - - Bahia - ALEXANDRO GIL SAN­TOS MOTA, CAROL NEVES

EDU­CA­ÇÃO Apartheid na Áfri­ca do Sul, cri­se dos re­fu­gi­a­dos, di­ta­du­ras na Amé­ri­ca La­ti­na, ma­chis­mo e Ham­let - uma das gran­des obras de Sha­kes­pe­a­re - fo­ram al­guns dos te­mas tra­ba­lha­dos na pro­va de Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio (Enem). On­tem, no pri­mei­ro dia, te­ve ain­da Ci­ên­ci­as da Na­tu­re­za. O pro­fes­sor de His­tó­ria Car­los Da­vi, do Sis­te­ma Ari de Sá de En­si­no (SAS), clas­si­fi­cou a pro­va de Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas de ‘so­fis­ti­ca­da’. “Foi uma pro­va que con­se­guiu equi­li­brar pas­sa­do e atu­a­li­da­de”, afir­mou. Ele des­ta­cou ain­da as ques­tões so­bre éti­ca na po­lí­ti­ca, pe­lo mo­men­to em que o país vi­ve, e so­bre a re­vo­lu­ção ira­ni­a­na. Pa­ra abor­dar es­se te­ma, o Enem usou um tre­cho do ro­man­ce em qua­dri­nhos Per­sé­po­lis, da es­cri­to­ra ira­ni­a­na Mar­ja­ne Sa­tra­pi. Em ou­tra ques­tão, o can­di­da­to pre­ci­sou re­la­ci­o­nar uma pro­pa­gan­da de 1968 em que uma mu­lher se­gu­ra um pro­du­to de lim­pe­za, com a fra­se “a mu­lher le­va­rá a lim­pe­za pa­ra a lua”, com uma no­tí­cia que di­zia que 50% da equi­pe da Na­sa era for­ma­da por mu­lhe­res. Na no­tí­cia, eram ci­ta­dos co­men­tá­ri­os ma­chis­tas de in­ter­nau­tas. A cri­se dos re­fu­gi­a­dos tam­bém foi as­sun­to com uma ques­tão so­bre co­mo a Hun­gria li­dou com o flu­xo gran­de de so­li­ci­tan­tes de asi­lo no país, prin­ci­pal ca­mi­nho de en­tra­da pa­ra a Ale­ma­nha. O fa­mo­so “ser ou não ser”, da pe­ça Ham­let, de Sha­kes­pe­a­re, foi re­la­ci­o­na­do a con­cei­tos so­bre o exis­ten­ci­a­lis­mo. Em Quí­mi­ca, o exa­me per­gun­tou por que é inú­til la­var uma par­te do cor­po atin­gi­da por gás de pi­men­ta. A ques­tão tra­zia os efei­tos co­la­te­rais do con­ta­to da subs­tân­cia com os olhos, co­mo in­fla­ma­ção, dor e até ce­guei­ra tem­po­rá­ria. Com tan­tos con­teú­dos, mui­tos can­di­da­tos acha­ram o exa­me can­sa­ti­vo. “É pre­ci­so ter dis­po­si­ção, por­que a pro­va é mui­to lon­ga, cheia de tex­tos”, afir­mou a es­tu­dan­te Mi­le­ne Dó­ria, 15 anos, alu­na do 1º ano do en­si­no mé­dio. Ape­sar dis­so, ela dis­se que gos­tou da pro­va. “A di­fi­cul­da­de não foi só por con­ta dos tex­tos, mas tam­bém pe­la com­ple­xi­da­de de Ci­ên­ci­as da Na­tu­re­za. Al­gu­mas fór­mu­las eu já ti­nha es­que­ci­do e ou­tras es­ta­vam mui­to di­fí­ceis”, dis­se Dei­se Mo­rei­ra, 19, es­tu­dan­te de Psi­co­lo­gia e que ten­ta a uni­ver­si­da­de pú­bli­ca. O ga­ba­ri­to ofi­ci­al se­rá di­vul­ga­do pe­lo Inep nes­sa quar­ta-fei­ra. O COR­REIO dis­po­ni­bi­li­zou on­tem um ga­ba­ri­to ex­tra­o­fi­ci­al no si­te. A ex­pe­ri­ên­cia de ter per­di­do o ho­rá­rio no ano pas­sa­do ser­viu de li­ção pa­ra Ma­ria Eli­a­na Je­sus dos San­tos, 57, que op­tou por ir ao Co­lé­gio Cen­tral de mo­to­tá­xi, mes­mo com me­do. Eli­a­na quer fa­zer Gas­tro­no­mia. Já Er­la­ni San­tos Al­ves, 20, per­deu a pro­va por ter es­que­ci­do o do­cu­men­to de iden­ti­da­de.

E

Can­di­da­tos con­fe­rem no­me e sa­la an­tes de en­trar no Co­lé­gio Cen­tral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.