De­ci­são so­bre cha­pa Dil­ma-Te­mer se­rá his­tó­ri­ca, diz mi­nis­tro do TSE

Correio da Bahia - - Brasil -

IMPRESSIONADO Re­la­tor do pro­ces­so que po­de le­var à cas­sa­ção do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e à con­vo­ca­ção de uma no­va elei­ção, o mi­nis­tro Her­man Ben­ja­min, do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), dis­se es­tar impressionado com de­poi­men­tos de testemunhas de acu­sa­ção no â mbi­to da ação que apu­ra, en­tre ou­tras coi­sas, se a cha­pa Dil­ma Rous­seff-Mi­chel Te­mer em 2014 re­ce­beu di­nhei­ro des­vi­a­do dos co­fres da Petrobras. “Os va­lo­res (des­vi­a­dos) são es­pan­to­sos, são es­tra­tos­fé­ri­cos. Nós, se­res hu­ma­nos nor­mais, não te­mos con­di­ção de ava­li­ar o que se po­de com­prar com aqui­lo”, afir­mou Ben­ja­min a jor­na­lis­tas, de­pois de se reu­nir com o juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­los pro­ces­sos da La­va Ja­to na pri­mei­ra ins­tân­cia. Os dois par­ti­ci­pa­ram do VI En­con­tro Na­ci­o­nal de Juí­zes Es­ta­du­ais (Ena­je), em Por­to Se­gu­ro (BA). “Vo­cês co­nhe­cem a ex­pres­são de Han­nah Arendt a ‘ba­na­li­da­de do mal’ (ex­pres­são usa­da pe­la fi­ló­so­fa ale­mã pa­ra ana­li­sar o com­por­ta­men­to de agen­tes na­zis­tas no ex­ter­mí­nio de ju­deus). Aqui era a ‘nor­ma­li­da­de da cor­rup­ção’”, com­ple­tou. En­tre as 25 testemunhas de acu­sa­ção já ou­vi­das pe­lo TSE es­tão ex-di­re­to­res da Pe­tro­brás, exe­cu­ti­vos de em­prei­tei­ras e lo­bis­tas, mui­tos de­les de­la­to­res da La­va Ja­to. Nes­ta se­ma­na se­rão ou­vi­das testemunhas de de­fe­sa de Dil­ma, co­mo Edi­nho Sil­va e Gi­les Aze­ve­do, res­pec­ti­va­men­te ex-te­sou­rei­ro da cam­pa­nha de 2014 e ex-che­fe de ga­bi­ne­te da pe­tis­ta. “Es­te é o mai­or pro­ces­so da his­tó­ria do TSE, que nun­ca jul­gou uma cas­sa­ção de uma cha­pa pre­si­den­ci­al elei­ta. Mas, em re­la­ção a mai­or ou me­nor ra­pi­dez, eu im­pri­mo a es­te pro­ces­so o rit­mo que eu acho que o ca­so me­re­ce”, co­men­tou o mi­nis­tro. Se o pro­ces­so for con­cluí­do ain­da es­te ano, e o ple­ná­rio do TSE de­ci­dir pe­la cas­sa­ção da cha­pa Dil­ma-Te­mer, no­vas elei­ções di­re­tas se­rão con­vo­ca­das. O jul­ga­men­to, no en­tan­to, de­ve fi­car pa­ra 2017, o que le­va­ria, em ca­so de de­ci­são pe­la cas­sa­ção, à re­a­li­za­ção de elei­ções in­di­re­tas no Con­gres­so Na­ci­o­nal pa­ra de­fi­nir o su­ces­sor de Te­mer. “Se­rá um jul­ga­men­to téc­ni­co. Sei que mui­ta gen­te gos­ta­ria que o TSE se trans­for­mas­se em um tri­bu­nal po­lí­ti­co”, dis­se. In­da­ga­do se se­ria pos­sí­vel di­vi­dir o pro­ces­so, es­ta­be­le­cen­do di­fe­ren­tes pe­na­li­da­des pa­ra Dil­ma e Te­mer, o mi­nis­tro des­con­ver­sou: “Es­sa vo­cê vai ter de aguar­dar pe­lo meu vo­to”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.