Pro­cu­ram-se téc­ni­cos

Correio da Bahia - - Brasil - Pris­ci­la Na­ti­vi­da­de pris­ci­la.oli­vei­ra@re­de­bahia.com.br

Em um ce­ná­rio on­de o de­sem­pre­go atin­ge 12 mi­lhões de bra­si­lei­ros, se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), so­bram va­gas pa­ra pro­fis­si­o­nais com for­ma­ção téc­ni­ca. Só a re­cru­ta­do­ra Man­powerG­roup con­ta­bi­li­za atu­al­men­te 100 va­gas em aber­to na ca­pi­tal bai­a­na (ve­ja na ta­be­la ao la­do) com di­fi­cul­da­des de con­tra­ta­ção por fal­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de de pro­fis­si­o­nais. A si­tu­a­ção se re­fle­te em um le­van­ta­men­to re­cen­te fei­to pe­la em­pre­sa so­bre es­cas­sez de ta­len­tos. Dos mais de 42 mil em­pre­ga­do­res en­tre­vis­ta­dos, 41% de­les es­tão com pos­tos de tra­ba­lho em aber­to por fal­ta mão de obra com ha­bi­li­da­de téc­ni­ca.

Es­cas­sez que é tam­bém con­fir­ma­da pe­lo Ma­pa do Tra­ba­lho In­dus­tri­al, ela­bo­ra­do pe­lo Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Apren­di­za­gem In­dus­tri­al (Se­nai) que apon­ta a ne­ces­si­da­de de qua­li­fi­car na Bahia, en­tre 2017 e 2020, mais de 54 mil pro­fis­si­o­nais que pre­ci­sam aten­der a de­man­da de se­to­res que es­ta­rão em al­ta no mer­ca­do, en­tre eles, Meio Am­bi­en­te e Pro­du­ção, Me­tal­me­câ­ni­ca, Ener­gia, Cons­tru­ção, Tec­no­lo­gi­as da In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção. No país, es­te nú­me­ro che­ga a 13 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res (ve­ja no grá­fi­co).

“Atu­al­men­te, ape­nas 11% dos es­tu­dan­tes que sa­em do en­si­no mé­dio es­co­lhem a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Des­sa for­ma, a de­man­da por téc­ni­cos é mai­or que a sua ofer­ta”, ex­pli­ca a ge­ren­te de Edu­ca­ção Pro­fis­si­o­nal do Se­nai, Pa­trí­cia Evan­ge­lis­ta.

Se­gun­do ela, é pre­ci­so des­per­tar o in­te­res­se dos pro­fis­si­o­nais com re­la­ção às van­ta­gens em se se­guir uma car­rei­ra téc­ni­ca. “É pre­ci­so am­pli­ar o aces­so à in­for­ma­ção e des­per­tar o in­te­res­se dos jo­vens pe­la edu­ca­ção pro­fis­si­o­nal des­de o en­si­no fun­da­men­tal II, pas­san­do pe­lo mé­dio e com pro­gra­mas de fo­men­to es­pe­cí­fi­cos”, diz Pa­trí­cia Evan­ge­lis­ta, que re­for­ça as chan­ces de cres­ci­men­to na car­rei­ra e a di­ver­si­da­de das áre­as on­de es­se pro­fis­si­o­nal po­de atu­ar.

“Va­le mos­trar a eles que há mais de 30 áre­as on­de é pos­sí­vel atu­ar nas li­nhas de pro­du­ção, pro­je­to, de­sen­vol­vi­men­to e ino­va­ção, en­tre ou­tros”, re­co­men­da.

CA­RÊN­CIA

As em­pre­sas es­tão apos­tan­do em atra­ti­vos pa­ra fis­gar es­te pro­fis­si­o­nal, en­tre eles a re­mu­ne­ra­ção. Pa­ra a di­re­to­ra de mar­ke­ting e RH do Man­powerG­roup, Már­cia Alms­tröm, no ca­so de va­gas téc­ni­cas, o sa­lá­rio che­ga a al­can­çar, pe­lo me­nos, 95% do va­lor de um pro­fis­si­o­nal que es­tá nu­ma po­si­ção aci­ma e de ní­vel su­pe­ri­or. “Is­so quer di­zer que, com um es­for­ço me­nor de apren­di­za­do, o téc­ni­co aca­ba con­quis­tan­do um sa­lá­rio mui­to pró­xi­mo do que um pro­fis­si­o­nal com mais qua­li­fi­ca­ção, em ter­mos de for­ma­ção aca­dê­mi­ca”, res­sal­ta.

O in­ves­ti­men­to em qua­li­fi­ca­ção e a pos­si­bi­li­da­de de su­bir mais ra­pi­da­men­te na car­rei­ra são mais es­tra­té­gi­as de re­ten­ção. Is­to por­que 76% das em­pre­sas es­tão trei­nan­do e de­sen­vol­ven­do pro­fis­si­o­nais da em­pre­sa pa­ra exer­ce­rem ou­tras fun­ções na pró­pria com­pa­nhia. “As em­pre­sas têm as­su­mi­do um pa­pel de for­ma­do­ras e pa­tro­ci­nam o trei­na­men­to, jus­ta­men­te pe­lo es­for­ço mai­or na bus­ca por es­se pro­fis­si­o­nal. Há aí tam­bém um up­gra­de no pa­co­te de be­ne­fí­ci­os com es­sa opor­tu­ni­da­de de cres­ci­men­to den­tro da pró­pria em­pre­sa”.

Em Sal­va­dor, o es­for­ço em en­con­trar pro­fis­si­o­nais atin­ge ou­tras áre­as além da in­dús­tria co­mo des­ta­ca ain­da Már­cia: “Te­mos mui­tas va­gas te per­fil téc­ni­co na área de ser­vi­ços, ven­da e aten­di­men­to ao cli­en­te. Uma ten­dên­cia de mer­ca­do que de­ve cres­cer é vol­ta­da a de­man­da por pro­fis­si­o­nais téc­ni­cos de saú­de”.

Pa­ra aten­der a de­man­da, Bahia te­rá que qua­li­fi­car mais de 50 mil

HA­BI­LI­DA­DES

Pa­ra os pro­fis­si­o­nais que têm in­te­res­se em ga­ran­tir um em­pre­go na área vai ser ne­ces­sá­rio fo­car em qua­li­fi­ca­ção e co­nhe­ci­men­to es­pe­cí­fi­co. A re­co­men­da­ção é da su­per­vi­so­ra de as­ses­so­ria de car­rei­ra da Catho, La­ris­sa Mei­glin. Das mais de 150 mil va­gas anun­ci­a­das no si­te em to­do o país, 7,3 mil exi­gem um per­fil téc­ni­co.

“A pre­fe­rên­cia que mui­ta gen­te dá ao en­si­no su­pe­ri­or é mais um fa­tor que aca­ba agra­van­do es­te ce­ná­rio. E as em­pre­sas pre­ci­sam de es­pe­ci­a­lis­tas ope­ra­ci­o­nais, ati­vos, que gos­tem de tra­ba­lhar com ro­ti­na e que tra­ba­lhem bem em equi­pe”, afir­ma.

Qu­an­to mai­or a di­fi­cul­da­de em en­con­trar es­te pro­fis­si­o­nal dis­po­ní­vel no mer­ca­do mais o seu “pas­se” se­rá va­lo­ri­za­do. “Jus­ta­men­te por ser di­fí­cil de achá-los, as em­pre­sas fa­zem de tu­do pa­ra não per­der es­te pro­fis­si­o­nal, in­de­pen­den­te de cri­se. O ris­co de per­der o em­pre­go é bem me­nor qu­an­do com­pa­ra­do a ou­tras áre­as do mer­ca­do de tra­ba­lho”, diz a es­pe­ci­a­lis­ta. “É um pro­fis­si­o­nal re­al­men­te es­tra­té­gi­co e mui­to bem re­qui­si­ta­do pe­lo mer­ca­do”, acres­cen­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.