O que se po­de cha­mar de em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no?

Correio da Bahia - - Mais - Car­men.vas­con­ce­los@re­de­bahia.com.br

Em­po­de­ra­men­to é, co­mo o no­me su­ge­re, o ato de se dar o po­der à mu­lher, a li­ber­da­de de es­co­lha, o po­der de par­ti­ci­pa­ção so­ci­al e ga­ran­tir que as mu­lhe­res pos­sam es­tar ci­en­tes so­bre a lu­ta pe­los di­rei­tos, co­mo a igual­da­de en­tre os gê­ne­ros, por exem­plo. Mu­lhe­res, as­sim co­mo os ho­mens, não nas­cem pron­tas, pre­ci­sam ser edu­ca­das e for­ma­das. Por­tan­to, es­se pa­pel de­ve ser com­par­ti­lha­do pe­la fa­mí­lia, pe­la es­co­la e pe­la so­ci­e­da­de, em ge­ral. Is­so co­me­ça qu­an­do as mu­lhe­res são ain­da me­ni­nas. E é pre­ci­so que os ra­pa­zes tam­bém se­jam edu­ca­dos pa­ra res­pei­tar o es­pa­ço fe­mi­ni­no. Es­sa evo­lu­ção já pro­vo­ca mu­dan­ças de com­por­ta­men­to e me­xe até com o ce­ná­rio econô­mi­co. “Nun­ca quis fa­zer o exa­me de to­que por pre­con­cei­to. Co­mo ti­ve avô e pai que mor­re­ram com cân­cer na prós­ta­ta, fa­zia o PSA, mas não o mais sim­ples. Te­nho mes­tra­do e dou­to­ra­do, mas o pen­sa­men­to era ta­ca­nho”. As pa­la­vras do pro­fes­sor apo­sen­ta­do Ro­nal­do Ca­val­can­te ser­vem de aler­ta pa­ra os ho­mens bra­si­lei­ros, es­pe­ci­al­men­te os mai­o­res de 50 anos, que são os al­vos da cam­pa­nha No­vem­bro Azul. “Ho­je, mi­nha é lu­ta é con­ven­cer meus fi­lhos da im­por­tân­cia de uma pre­ven­ção bem fei­ta”, com­ple­ta.

A des­co­ber­ta acon­te­ceu em 2011, qu­an­do ele es­ta­va com 65 anos e pre­ci­sa­va da li­be­ra­ção mé­di­ca pa­ra co­me­çar a par­ti­ci­par de um clu­be de cor­ri­da. “Já ha­via fei­to o exa­me do PSA na­que­le ano, no en­tan­to, os exa­mes mos­tra­ram que em pouquís­si­mos me­ses o qua­dro ha­via si­do al­te­ra­do dras­ti­ca­men­te e me as­sus­tei”, con­ta.

Ho­je, de­pois da ci­rur­gia, quí­mio e ra­di­o­te­ra­pia, Ro­nal­do man­tém a vi­gi­lân­cia so­bre a do­en­ça e tra­ta de vi­ver com a me­lhor qua­li­da­de de vi­da pos­sí­vel. “A do­en­ça me fez re­pen­sar a vi­da de mo­do mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo e des­co­bri que a gen­te vi­ve se ma­tan­do... de tra­ba­lhar, de cor­rer atrás de di­nhei­ro, e es­que­ce de vi­ver... ho­je, vi­vo pa­ra mim e pa­ra os que amo”, com­ple­ta.

Se­gun­do o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Cân­cer(In­ca), to­dos os anos, 61 mil no­vos pa­ci­en­tes são di­ag­nos­ti­ca­dos com a do­en­ça, que é o se­gun­do cân­cer mais co­mum na po­pu­la­ção mas­cu­li­na, só per­den­do pa­ra o cân­cer de pe­le. Ape­sar dos ín­di­ces, é im­por­tan­te res­sal­tar que, qu­an­do di­ag­nos­ti­ca­do pre­co­ce­men­te, as chan­ces de cu­ra ul­tra­pas­sam 90%.

O on­co­lo­gis­ta do Nú­cleo de On­co­lo­gia da Bahia An­dré Ba­ce­lar lem­bra que o cui­da­do e a cam­pa­nha se jus­ti­fi­cam na me­di­da que, com o au­men­to da ex­pec­ta­ti­va de vi­da e o en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção, o cân­cer de prós­ta­ta pas­sa a ter um im­pac­to im­por­tan­te.

“É sa­bi­do que, aos 80 anos, 80% dos ho­mens te­rão al­te­ra­ção na prós­ta­ta”, diz o mé­di­co, res­sal­tan­do que o pa­pel dos pro­fis­si­o­nais de saú­de é de­tec­tar o pro­ble­ma nos in­di­ví­du­os, iden­ti­fi­can­do aque­les que pre­ci­sa­rão de tra­ta­men­to e os que de­vem ser acom­pa­nha­dos. No ca­so es­pe­cí­fi­co de Sal­va­dor, o on­co­lo­gis­ta lem­bra que a as­cen­dên­cia ne­gra ter­mi­na sen­do um re­for­ço pa­ra es­se cui­da­do, pois os ne­gros es­tão mais pro­pen­sos a de­sen­vol­ve­rem a do­en­ça.

HE­RAN­ÇA

De acor­do com o che­fe do ser­vi­ço da Car­dio Pul­mo­nar e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia, o uro­lo­gis­ta Lu­cas Ba­tis­ta, qu­an­do exis­tem ca­sos na fa­mí­lia, a vi­gi­lân­cia pre­ci­sa ser ain­da mais ri­go­ro­sa e a pre­ven­ção de­ve co­me­çar mais ce­do, aos 45 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.