A fes­ta da anis­tia do cai­xa dois

Correio da Bahia - - Mais -

Es­tão na re­ta fi­nal os en­ten­di­men­tos des­ti­na­dos a pro­du­zir uma anis­tia do cai­xa dois dos po­lí­ti­cos. No sé­cu­lo XXI, ar­ma-se al­go pa­re­ci­do com a im­pu­ni­da­de ofe­re­ci­da no XIX aos tra­fi­can­tes de escravos. A ma­no­bra já foi ten­ta­da uma vez no es­cu­ri­nho do Con­gres­so, mas fra­cas­sou. Des­sa vez ela re­nas­ceu com vá­ri­as acro­ba­ci­as, qua­se to­das des­ti­na­das a ino­cen­tar os mal­fei­to­res com in­dul­gên­ci­as ple­ná­ri­as. Al­go ti­po: to­do-mun­do-faz ou não-me­xe-nis­so-que-a-ca­sa-cai. Co­mo es­cre­veu Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so em 1996, qu­an­do o Ban­co Cen­tral cap­tu­rou uma pas­ta com a con­ta­bi­li­da­de elei­to­ral da ban­ca: “Es­sa gen­te es­tá brin­can­do com fo­go”. Se ti­ves­sem brin­ca­do com fo­go na­que­la épo­ca, o in­cên­dio não te­ria che­ga­do às pro­por­ções a que che­gou.

Aqui­lo que se de­no­mi­na cai­xa dois jun­ta num só ba­laio de­ze­nas de prá­ti­cas e de­li­tos di­fe­ren­tes na ori­gem, no vo­lu­me e no pro­pó­si­to. Por exem­plo: um em­pre­sá­rio quer do­ar R$ 50 mil a um can­di­da­to, não quer apa­re­cer, faz uma gam­bi­ar­ra fis­cal, e o be­ne­fi­ci­a­do gas­ta o di­nhei­ro em sua cam­pa­nha. Ou­tro em­pre­sá­rio doa R$ 100 mil, mas o can­di­da­to gas­ta só me­ta­de na cam­pa­nha. A ou­tra me­ta­de vai pa­ra a re­for­ma do seu sí­tio. Um ter­cei­ro gas­ta tu­do no sí­tio. A prá­ti­ca com­pli­ca-se qu­an­do se olha pa­ra a ori­gem do di­nhei­ro. Ele po­de ter vin­do do su­per­fa­tu­ra­men­to de uma obra pú­bli­ca ou ser­vir pa­ra qui­tar um ja­bu­ti co­lo­ca­do nu­ma Me­di­da Pro­vi­só­ria. Além dis­so, o di­nhei­ro dis­far­ça-se. Às ve­zes, fin­ge que é um ja­ti­nho ou mes­mo uma pes­qui­sa de opi­nião. Se nin­guém gri­tar, fin­gin­do anis­ti­ar o cai­xa dois, o Con­gres­so po­de­rá le­gi­ti­mar uma la­van­de­ria do di­nhei­ro em­bol­sa­do por po­lí­ti­cos. Vá­ri­as pro­pos­tas que es­tão no for­no pre­ten­dem var­rer os es­cân­da­los pon­tu­ais pa­ra bai­xo de um gran­de ta­pe­te es­can­da­lo­so e ge­né­ri­co.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, avan­çou uma ideia que po­de re­sol­ver os ca­sos es­pe­cí­fi­cos de di­nhei­ro co­lo­ca­do ile­gal­men­te em cam­pa­nhas elei­to­rais. Tra­ta-se de co­me­çar pe­lo iní­cio: o ci­da­dão que re­ce­beu pe­lo cai­xa dois as­si­na uma con­fis­são, re­co­nhe­ce o mal­fei­to, acei­ta pa­gar uma mul­ta e co­lo­ca-se à dis­po­si­ção da po­lí­cia e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra es­cla­re­cer quais­quer as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos com os mi­mos que re­ce­beu. Nes­se mo­de­lo, o ci­da­dão do pri­mei­ro exem­plo lá de ci­ma (re­ce­beu R$ 50 e gas­tou-os na cam­pa­nha) ze­ra sua po­si­ção. Já o que re­for­mou a pis­ci­na pre­ci­sa­rá se ex­pli­car. O que ven­deu ja­bu­ti de Me­di­da Pro­vi­só­ria tal­vez ache me­lhor não me­xer no as­sun­to. O ca­mi­nho das con­fis­sões se­rá tra­ba­lho­so e exi­gi­rá ho­ras de tra­ba­lho de ad­vo­ga­dos pa­ra co­brir a re­de de de­ta­lhes que o as­sun­to pro­vo­ca. Mes­mo as­sim, te­rá a vir­tu­de es­sen­ci­al de co­lo­car na vi­tri­ne o re­co­nhe­ci­men­to do er­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.