A Fi­fa quer aca­bar com o pa­la­vrão?

Correio da Bahia - - Front Page -

Pe­lo me­nos pa­ra uma coi­sa os so­ní­fe­ros jo­gos das Eli­mi­na­tó­ri­as Sul-ame­ri­ca­nas pa­ra a Co­pa de 2018 ser­vi­ram: a Fi­fa cri­ou co­ra­gem e re­sol­veu pu­nir as su­pos­tas ofen­sas ho­mo­fó­bi­cas per­pe­tra­das pe­la tor­ci­da bra­si­lei­ra no jo­go con­tra a Bo­lí­via do mês pas­sa­do.

Ora, a pu­ni­ção é mais do que jus­ta, mas o re­mé­dio foi apli­ca­do da ma­nei­ra er­ra­da, pois, em­bo­ra não se­ja ta­re­fa da Fi­fa, a edu­ca­ção que vi­sa ao en­si­no da to­le­rân­cia e do res­pei­to mú­tuo, da con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca e res­pei­to­sa com o pró­xi­mo, se­ja qual for a sua et­nia, se­ja qual for a sua op­ção se­xu­al, se­ria a úni­ca e de­fi­ni­ti­va so­lu­ção pa­ra o pro­ble­ma. Mis­são di­fi­cí­li­ma e qua­se utó­pi­ca, mas a úni­ca com re­sul­ta­dos pal­pá­veis e sem­pre em lon­go, lon­guís­si­mo pra­zo.

Há não mui­to tem­po, as pró­pri­as leis, ba­se­a­das no sen­so co­mum e na opi­nião de ju­ris­tas, e a pró­pria me­di­ci­na, fru­to de es­tu­dos mi­le­na­res e de mi­lha­res de ex­pe­ri­ên­ci­as em la­bo­ra­tó­rio, con­si­de­ra­va o ho­mos­se­xu­a­lis­mo uma do­en­ça. Tam­bém não fo­ram só os na­zis­tas que sus­ten­ta­ram por sé­cu­los a in­fe­ri­o­ri­da­de de ju­deus e de ou­tros po­vos, por exem­plo. Hou­ve até, no Bra­sil dos anos 20 do sé­cu­lo pas­sa­do, vo­zes res­pei­to­sas que jul­ga­vam a mistura de et­ni­as do Bra­sil co­mo su­pe­ri­or a dos bran­cos oci­den­tais ou a dos ori­en­tais. Pre­con­cei­tos con­tra os nor­des­ti­nos, por exem­plo, ain­da que dis­far­ça­da­men­te, não es­tão au­sen­tes de al­guns con­tos de Má­rio de An­dra­de ou de Antô­nio de Al­cân­ta­ra Ma­cha­do.

A or­dem dos fa­to­res não al­te­ra o pro­du­to: no afã de pu­nir as ofen­sas nos es­tá­di­os, se­ria pre­ci­so pu­nir tam­bém o ho­mos­se­xu­al que des­pre­zas­se pu­bli­ca­men­te um he­te­ros­se­xu­al, ou o ju­deu que des­pre­zas­se a fé re­li­gi­o­sa de um juiz de fu­te­bol ca­tó­li­co. En­fim, qu­al­quer for­ma de de­pre­ci­a­ção de uma es­co­lha fei­ta de­li­be­ra­da­men­te por um ci­da­dão li­vre, quer no pla­no se­xu­al, quer no pla­no re­li­gi­o­so, de­ve­ria ser pu­ni­da de mo­do igual, pa­ra os que per­ten­cem à su­pos­ta mi­no­ria ou não. De res­to, es­ta­be­le­cer quem é mi­no­ria ou mai­o­ria no que­si­to se­xu­al já po­de­ria se en­cai­xar no rol de vi­sões pre­con­cei­tu­o­sas.

En­fim, o cri­té­rio uti­li­za­do pe­la Fi­fa, em­bo­ra lou­vá­vel, à me­di­da que vi­sa a coi­bir a fal­ta de edu­ca­ção e a in­to­le­rân­cia “fol­cló­ri­cas” dos es­tá­di­os de fu­te­bol mun­do afo­ra, não me pa­re­ce ade­qua­do. Es­ta­mos to­dos, po­bres e ri­cos, anal­fa­be­tos e in­te­lec­tu­ais, bra­si­lei­ros ou não, li­te­ral­men­te no mes­mo bar­co, su­jei­tos à mes­ma con­di­ção hu­ma­na, is­to é, do­ta­dos de uma for­ma de ra­zão di­fe­ren­te da de ou­tros se­res vi­vos que nos faz en­xer­gar “de­ta­lhes” que vão além do pu­ro re­la­ci­o­na­men­to ins­tin­ti­vo, pois es­tão imer­sos na nos­sa con­di­ção de ani­mais que vi­vem em gru­pos, com re­gras e com de­ve­res, além de pou­cos di­rei­tos, pa­ra os que de­les pu­de­rem dis­por, de acor­do com a quan­ti­da­de de po­der e de di­nhei­ro que con­se­gui­ram ame­a­lhar. Que­rer, por­tan­to, li­qui­dar tu­do com um de­cre­to que pre­ten­de cor­ri­gir com­por­ta­men­tos pú­bli­cos de quem, uma vez no es­tá­dio, se li­ber­ta tem­po­ra­ri­a­men­te de sua más­ca­ra de hi­po­cri­sia e dá va­zão aos seus ins­tin­tos ani­mais mais recôn­di­tos, cons­ti­tui um ato te­me­rá­rio, além de per­fei­ta­men­te inú­til e até pe­ri­go­so, pois se sa­be que o que se tor­na proi­bi­do da noi­te pa­ra o dia tem um “gos­ti­nho” me­lhor de do­ce trans­gres­são, de ale­gre tra­ves­su­ra.

En­fim, os es­tá­di­os de fu­te­bol, as hor­ri­pi­lan­tes are­nas de lu­ta li­vre e que­jan­dos trans­for­ma­ram o lú­di­co sau­dá­vel em es­pe­tá­cu­los de mas­sa que, ao con­trá­rio das lu­tas en­tre gla­di­a­do­res dos ro­ma­nos, não têm mais a in­ten­ção de apa­zi­guar as mas­sas e tor­ná-las dó­ceis ofe­re­cen­do es­pe­tá­cu­los cru­en­tos. Ho­je em dia, tais es­pe­tá­cu­los eli­mi­na­ram, no ca­so do fu­te­bol, o as­pec­to cru­en­to e fe­roz, pa­ra com ele ge­rar, co­mo em qu­al­quer ou­tro ne­gó­cio, ri­os de di­nhei­ro, apro­vei­tan­do o de­se­jo ca­da vez mai­or de ali­e­na­ção e es­ca­pis­mo, de li­ber­ta­ção tem­po­rá­ria e inú­til das más­ca­ras so­ci­ais as­so­ci­a­das ao pa­pel que ca­da um de nós é obri­ga­do a de­sem­pe­nhar. No ca­so das lu­tas ou pseu­do-ar­tes mar­ci­ais, o san­gue es­cor­re, mas ra­ra­men­te se che­ga à mor­te do ad­ver­sá­rio, sa­tis­fa­zen­do, as­sim, nu­ma ta­ca­da só, os de­se­jos sá­di­cos que mui­tos de nós es­con­dem sob o tra­ves­sei­ro e, evi­den­te­men­te, mo­vi­men­tan­do a ro­da da eco­no­mia, além de ge­rar em­pre­gos (pa­la­vri­nha má­gi­ca!).

Des­se mo­do, as mul­tas sal­ga­das que se­rão pa­gas pe­la CBF tal­vez sir­vam ape­nas pa­ra que os car­to­las do fu­te­bol pen­sem nas es­tra­té­gi­as a se­rem uti­li­za­das de ago­ra em di­an­te pa­ra evi­tar fu­tu­ras san­ções, mas ja­mais con­se­gui­rão evi­tar o já tra­di­ci­o­nal fes­ti­val de pa­la­vrões nos es­tá­di­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.